Nasce Através | Clube, umha nova maneira de desfrutar das obras da Através | Editora



A Através | Editora, chancela editorial da AGAL, lança umha fórmula para assinar as novidades editoriais com envio a domicílio e grandes descontos: o Através | Clube. Da editora explicam que formando parte do clube «recebereis comodamente na vossa casa toda a coleçom», a fórmula ideal «para todos e todas aquelas que nom quigerdes perder nem um só volume».

O funcionamento é simples. Duas semanas antes da saída a lume de cada um dos nossos livros, as pessoas integrantes do clube receberám um correio eletrónico com todos os detalhes da novidade, a qual poderá ser aquirida com 20% de desconto sobre o PVP final. Neste ponto, há duas possibilidades:

  • Se o membro do Através | Clube estiver interessado na novidade, nom deve fazer mais nada. O preço da novidade (com 20% de desconto) será cobrado automaticamente no número de conta que forneceu no momento de se inscrever e receberá-o na sua casa.
  • Se o membro nom estiver interessado nesse livro, apenas deve enviar um correio eletrónico e nom lhe será cobrado na conta.

Da Através informam, aliás, que o primeiro livro que formará parte do catálogo do clube é Politicamente incorreta. Ensaios para um tempo de pressas, a segunda obra de Teresa Moure com esta editora após Eu violei o lobo feroz:

Politicamente incorretaUma mulher é politicamente incorreta quando diz o que não se espera dela e, ainda mais, quando pronuncia uma verdade não admitida pela opinião pública, pelo felizmente acordado no consenso social. Se alguém −é apenas um exemplo− insinuar que os poderes eleitos nem sempre nos representam ou que é preciso dedicar-se a sabotar as instituições, ou confiscar as igrejas para torná-las centros sociais, adota uma atitude subversiva que não encaixa no relato admitido pelos meios de in-comunicação. Nessa atitude rebelde lateja o desacato: para o modelo conservador, com as suas hierarquias e os seus interesses inconfessáveis, mas também para os pensamentos supostamente avançados, que se conformam com pôr remendos a um mundo que deve ser reduzido a cinzas.

A politicamente incorreta é pessoa incómoda, pode assumir-se. Se atuar assim, desta maneira selvagem e provocadora, é porque acha um prazer inusitado em meter o dedo no olho a quem enunciar verdades que devem ser aceites e repetidas até a saciedade numa realidade em perpétuo fluxo. Esse prazer, como todos, é dissidente. Ameaça. Procura exercer uma crítica radical contra o poder. Procura algo mais formoso do que o poder: a autenticidade.

Promoçom

Para dar as boas-vindas aos primeiros membros do clube, da Através lançam umha promoçom: até 10 de abril, cada novo sócio ou sócia receberá Politicamente incorreta com o preço reduzido e, de maneira gratuita, Galego, português, galego-português?, de Carlos Taibo e Arturo de Nieves, um valioso trabalho em que 56 figuras da cultura galega expõem as suas visões sobre a conceçom da nossa língua.


PUBLICIDADE

  • webdesenho

    Boa notícia!