Música galega para guitarra, piano e orquestra de câmara



Hoje, dia 30 de abril, às 20h da tarde terá lugar um recital com música galega para guitarra, piano e orquestra de câmara, de dous autores galegos que vêm a renovar a música para guitarra realizada na Galiza para este instrumento. O programa está composto por algumas obras inéditas, outras publicadas no começo do s. XX e alguma em edição familiar. Ambos os autores eram guitarristas, nados em famílias com inclinação para a música e cujos descendentes também se desenvolveram nalgum instrumento. Estes dous autores vêm a abrir o caminho da pesquisa musicológica a respeito da música para guitarra feita por galegos na Galiza.

Ramão Gutérrez-Parada (Ourense 1874 – 1945): Barbeiro e músico ourensano, seguindo o costume que une barbeiros e músicos, regentou durante anos o local “La Nueva Luz”, sito no centro da cidade de Ourense, onde ademais de realizar os trabalhos próprios do negócio, ensinava a tocar guitarra e todo tipo de instrumentos de corda pulsada. Tocava também o violino. Em 1903 ganha o diploma da Academia de Música de S. Sebastian. Em 1912 recebe um prémio de composição em Milão (Itália) por uma obra para guitarra, junto com outro galego de Vigo, José Mourinho, que o recebe por uma obra para mandolina. Em 1913, a editora milanesa de A. Vizzari publica-lhe Flores de España. A mesma editora em 1924 publica Viva Aragon. A obra Prelúdio apareceu recentemente num arquivo de guitarra propriedade de Alejo Amoedo Portela, quem amavelmente a remeteu para o seu estudo. Guterrez-Parada, ademais de professor, intérprete e compositor de música para guitarra, realizou composições também para outros instrumentos, neste recital serão tocadas uma moinheira para piano e uma obra para orquestra de câmara, um conjunto de ares galegos intitulado Galiza, composta em 1929.

Luís Eugénio Santos Sequeiros (Póvoa do Caraminhal 1909 – Cangas 2012): Médico de profissão, nasceu no seio duma família afeiçoada à música. O instrumento da casa era o piano e o músico preferido, Chopin. A sua avó Amália Gonzalez Bermudez de Castro (1858-1943) era, segundo as testemunhas, uma ótima pianista. A guitarra foi o instrumento elegido por Eugénio quando foi estudar medicina a Compostela, carreira que terminou em 1934. Depois de ter assistido como médico na guerra provocada pelo golpe franquista, Eugénio percorre diversos lugares da península e não só, no exercício da sua profissão: de Marrocos a Astúrias, Santos Sequeiros exerceu a medicina em diversas vilas galegas. A guitarra acompanha-o durante toda a sua vida. Especialmente depois de aposentar-se, a partir de 1980, começará a desenvolver mais intensamente a sua faceta criativa. Na intimidade da sua casa de Cangas compõe e interpreta obras próprias para guitarra, organiza e integra um quarteto de instrumentos de corda pulsada, segue as atividades da Agrupação Guitarrística Galega. Em 1993 publica Seis Canções para um Neno que Nasce, obra dedicada ao seu neto Artai. O que hoje se interpreta neste recital é uma escolma das obras originais e arranjos de música para outros instrumentos, realizados por Eugénio Santos Sequeiros para guitarra. E umas peças para piano compostas pelo seu irmão Jesus.

PROGRAMA

L. Eugénio Santos Sequeiros

  • Vidalitas
  • Longe da Terrinha (Veiga/Ribalta)
  • Lenda do Beijo (Soutulho/Vert)
  • Fado (popular português)
  • Trémolo a Conchita

R. Gutérrez-Parada

  • Flores de Espanha
  • Prelúdio
  • Viva Aragon

Guitarra: Isabel Rei Samartim

R. Gutérrez-Parada

  • Moinheira


Jesus Santos Sequeiros

  • Adagio, Lento, Lento
  • Moinheira

Piano: Natalia Méndez Zunzunegui

R. Gutérrez-Parada

  • Galiza
  • Sexteto de corda: Humberto Cao, Roberto Santamarina, Anabel Rivas, Noia Suárez, Juan Cañada, Natalia Méndez

O grupo de intérpretes faz parte do professorado do centro.

O evento é organizado pela Equipa de Dinamização da Língua Galega (EDLG) do Conservatório Profissional de Música de Compostela. A entrada é livre e gratuita.

+ Programa:


PUBLICIDADE