MJ Pérez: “pensei “por que nom?” e comecei a mergulhar na obra de Carvalho”



mg7_0435_baixaMJ Pérez participa no concurso organizado pola AGAL e a CRTV “Musicando Carvalho Calero”, com a música “Nom existe a morte”. Ela é umha das novas vozes do panorama atual da música galega, inicia a sua carreira em 2014 e acumula mais de 200 concertos em diferentes cidades e vilas da Galiza e Portugal. Define-se como“cantora e compositora”, e suma quatro discos. A música de MJ Pérez bebe de diversos estilos musicais com predomínio do rock-pop até o de agora, ainda que no seu último trabalho introduz ritmos latinos e a música de raiz.
Ao longo do seu percorrido foi finalista no “I Certame de Canción de Autor en Galego”, junto com artistas como Sofía Espiñeira ou Nastasia Zürcher. Também conseguiu o segundo posto no VIII Concurso Musical da Deputaçom da Corunha (rebatizado como Premios Narf da Música), com grupos como Bala, The Trunks ou Jamie Fifthring. E foi 1º posto na final do concurso Xuventude Crea 2017 na categoria musical. Finalmente, MJ Pérez resulta finalista nos VI Premios Martín Códax da Música na categoria de Canción de Autor no 2019 e 2020.
Agora presenta o seu 4º disco, “A Luz Prendida”, um álbum de 15 temas que marca um ponto de inflexom na carreira da cantora e compositora arzuá. Nele incorpora novos estilos, novas influências e faz um achegamento a Portugal a través do tema: “Vai Embora!”.

Como vês o panorama musical galego?
_mg_2848baixa2Vejo que temos um panorama mui rico e diverso, com gente criando de jeito constante e com muito talento. Temos um panorama que vai medrando, incorporando moitas geraçons novas que criam música em galego (ou made in Galiza) em diversos estilos e com distintas pegadas. Mas também vejo um panorama mui complicado com a crise que estamos a viver, no que o segredo já nom é criar, mas sobreviver, e isso tem de mudar ou estamos condenados à extinçom (sinto ser pessimista, mas é a realidade que enfrontamos)

Por que te animaste a participar no concurso “Musicando Carvalho Calero”?
Porque a inspiraçom assi o quijo. Para mim, para unir-me a algo, nom chega  apenas com eu querer, também tem de acompanhar a inspiraçom. Neste caso pensei “por que nom?” e comecei a mergulhar na obra de Carvalho para ver se topava algo que prendesse essa chama. E aqui estamos!

Que opinas de que se lhe dedique o dia das letras a Carvalho Calero?
Que já era hora. Todo o trabalho que fijo Carvalho merece ser posto em valor e ser conhecido.

Sabes que Carvalho defendia umha grafia convergente com o português e nom a espanhola… A AGAL hoje defende umha soluçom binormativista para que posam usar-se ambas normas ortográficas. O que achas desta possibilidade?
Eu acho que há muito caminho por andar e muitas peças que encaixar, mas também vejo que com o tempo se vai avançando em muitos aspetos e penso que isso é mui positivo. Escrever na outra normativa nom deveria de ser um impedimento.

Eu acho que há muito caminho por andar e muitas peças que encaixar, mas também vejo que com o tempo se vai avançando em muitos aspetos e penso que isso é mui positivo. Escrever na outra normativa nom deveria de ser um impedimento.

Que potencial pensas que poderia haver de abrir a produçom musical galega cara aos países lusófonos?
Muita. O que falta é um apoio forte e vontade por parte das instituçons para promove-lo, porque se se pugesse o objetivo em tecer umha ponte cultural sólida, detrás da cultura e da uniom cultural vam outras moitas cousas que achegam riqueza. Mas como a cultura adoita ser vista sempre como o último conceito da lista, seguimos estancadas nesse aspeto. Eu fico francamente surpreendida ao ver como, sem fazer umha grande difusom (porque os meus recursos som limitados), cada certo tempo chegam comentários de gente do Brasil, de Portugal, etc. aos meus vídeos musicais louvando o galego, dizendo que lhes esperta curiosidade, que percebem todo perfeitamente, etc. Por tanto, nom é unha tolémia nossa, é umha evidencia que está ai e que cumpre potenciar.


PUBLICIDADE