Partilhar

Ana Traseira, diretora da UNED: “Agora falo galego porque é um legado que lhe quero deixar aos filhos”

Ana Traseira tem 42 anos e é de Lugo. Atualmente é diretora da UNED. Começou a falar galego na universidade e, ainda que os seus pais eram galegofalantes, dirigiam-se a ela em castelhano. “A minha mãe considerava que o melhor idioma para mim era o castelhano. Por isso eu fum castelhanofalante até a universidade, porque também na escola e no instituto falávamos em castelhano”, lembra.

Tem dous filhos e o meu neno mais velho sempre falava em galego até que entrou no infantário e mudou para castelhano. “Com todo, eu sigo a lhe falar em galego e el, agora, cada vez responde mais em galego”.

Decidiu falar em galego na Universidade porque ali havia muitos companheiros que se exprimiam em galego. “E agora falo em galego porque é um legado que lhe quero transmitir aos meus filhos“. “É mui importante manter este legado cultural que temos que é o idioma e ademais é umha língua minoritária que há que proteger”, assegura.

Quando começou a fala-lo, foi bem acolhido pola sua contorna e acha que ser bilingue abre-lhe mais portas. Considera que hoje nom há discriminaçom por falar em galego, algo que nom passava quando ela era criança. Por isso decidiu reverter a situaçom e falar-lhe em galego aos seus filhos.

[Esta entrevista foi publicada originariamente em neofalantes.gal]

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”

Antonio de la Iglesia: Um polímata reintegracionista

Mercedes Rosón: “Nélida Piñon gera muito interesse, pola sua obra e polo seu vínculo com o nosso país, porque ela é também nossa’

Carme Saborido: “A leitura continuada pode ser um impulso para mais pessoas fazerem outro tipo de consumo cultural que considere a lusofonia como um meio para atingir um fim: viver em galego”

A poesia de Rosalía e Luz Pozo em japonês

Alcachofras assadas

Alexandre Banhos: “A Lei Paz-Andrade é absolutamente desconhecida da administração galega, deu pouco de sim, poderia vir a dar no futuro”