Partilhar

As jornadas sobre língua e Reino da Galiza voltam a completar capacidade com a palestra de Francisco Rodríguez e a visita guiada à Catedral de Compostela

Francisco Rodríguez ofereceu na terça-feira uma palestra na Escola de Idiomas de Compostela acerca da situação da língua galego-portuguesa na Baixa Idade Média. O seguinte evento programado será um percorrido explicativo pela Catedral compostelana para o que já há lista de espera.

A Sala de Atos da Escola Oficial de Idiomas de Santiago de Compostela acolheu ontem a palestra “A plena normalidade da língua galego-portuguesa na Baixa Idade Média”, ministrada pelo escritor e expolítico Francisco Rodríguez. Foi este o quinto evento previsto dentro do programa das jornadas “A língua e o Reino”, impulsadas pela área de Normalización Lingüística da Deputación da Coruña em parceria com a Rede da GaliLusofonia.

O frio ambiental exterior não foi escusa e na Sala apenas ficaram cadeiras livres para ouvir a disertação sobre como a nossa língua viveu uma época de esplendor e plena normalidade ao longo da Baixa Idade Média, e além, tanto entre o povo como na corte, tanto na fala como na escrita. Francisco Rodríguez percorreu a história e estado da nossa língua referenciando constantemente os documentos escritos que se conservam dessa etapa. Se num momento inicial o galego-português foi ocupando espaços até daquela exclusivos do latim, ganhando grande presença mesmo fora das fronteiras do reino, analisou o autor também como numa etapa posterior o castelhano foi penetrando aos poucos esses mesmos espaços pela deriva histórica e a imposição em diversos âmbitos.

Francisco Rodríguez percorreu a história e estado da nossa língua referenciando constantemente os documentos escritos que se conservam dessa etapa. Se num momento inicial o galego-português foi ocupando espaços até daquela exclusivos do latim, ganhando grande presença mesmo fora das fronteiras do reino, analisou o autor também como numa etapa posterior o castelhano foi penetrando aos poucos esses mesmos espaços pela deriva histórica e a imposição em diversos âmbitos.

A palestra finalizou com uma análise da situação atual do galego e a sua perda de falantes, contando também com várias e interessantes intervenções do público. A palestra completa foi retransmitida ao vivo através do canal de YouTube da Deputación da Coruña:

No equador do programa

Próxima ao seu equador, a programação das jornadas “A língua e o Reino” prosseguirá com a visita guiada à Catedral de Santiago de Compostela da mão do Diretor técnico – Conservador do Museu da Catedral de Santiago, Ramón Yzquierdo Peiró. Será uma ocasião única para aproximar-se à dimensão política e simbólica da emblemática construção. A jornada será o 14 de março, às 17h30. Apesar de estarem já cobertas as vagas disponíveis, é possível inscrever-se na lista de espera (https://i.gal/VisitasCompostela).

A Ukestra do Medio abre o 1º Potemfest em Compostela

Lançamento do livro “Gotas – Desde a terra até às nuvens” de Adela Figueroa Panisse

Aventar o temor: cinco corujas, de Susana Arins com ilustrações de Andrea López

Apresentaçom do poemário “Diários de coresma e quarentena” em Celanova

Marco Neves e Sam The Kid estarão em Santiago de Compostela no dia 4 de dezembro

Berlai apresenta Estampas Galegas em concerto na Casa-Museo Manuel María

A Ukestra do Medio abre o 1º Potemfest em Compostela

Lançamento do livro “Gotas – Desde a terra até às nuvens” de Adela Figueroa Panisse

Aventar o temor: cinco corujas, de Susana Arins com ilustrações de Andrea López

Apresentaçom do poemário “Diários de coresma e quarentena” em Celanova