Ajudas para tradução sob suspeita

A Asociación Galega de Editores mostra a sua rejeição às ajudas para a tradução



A falta de controlo na concessão de ajudas da Xunta de Galicia para a tradução de textos literários provoca o surgimento de atores não profissionais que beneficiam de subvenções com dinheiros públicos. A Asociación Galega de Editores mostra o seu repúdio à falta de filtros com que estas ajudas foram concedidas.

Henrique Alvarellos, presidente da AGE (Asociación Galega de Editores)

Henrique Alvarellos, presidente da AGE (Asociación Galega de Editores)

A recente resolução da convocação de Ajudas para Tradução da Xunta de Galiza suscitou a rejeição de editores que, conforme publicado pelo Nós Diario, ficaram indignados com o facto de a maior parte das ajudas foram destinadas para traduzir obras do castelhano para o galego, a financiar até três traduções diferentes da mesma obra ou priorizar o volume dos livros em detrimento da sua qualidade literária.

As empresas candidatas também não eram obrigadas a demonstrar profissionalismo ou pelo menos um histórico mínimo no mundo editorial, e isso pode levar a surpresas desagradáveis.

Falta de controlo

Henrique Alvarellos, presidente da Asociación Galega de Editores (AGE), lembra que em “várias ocasiões de palavra e desde fevereiro por escrito, solicitamos à Xunta que as empresas beneficiárias das ajudas fossem editoras devidamente credenciadas, mas na convocatória tornou evidente que ignoraram os nossos pedidos e sugestões”.

A maior parte das ajudas foram destinadas para traduzir obras do castelhano para o galego, a financiar até três traduções diferentes da mesma obra ou priorizar o volume dos livros em detrimento da sua qualidade literária.

 

Alvarellos julga que “a intromissão também ocorre em outras modalidades de ajudas editoras em que também aparecem como beneficiárias as associações que possuem outros canais de captação de recursos. Essa situação faz com que esse perfil de empresas que realizam edições de baixa qualidade entre na distribuição de recursos públicos, ou mesmo peça aos autores que paguem pela publicação do seu bolso e depois acessem às ajudas. Esses mecanismos não são aceitáveis e já alertamos a Xunta em várias ocasiões”.

“No dia 24 de fevereiro, enviamos à Xunta uma proposta de melhoria para essas ajudas com doze pontos”, continua Alvarellos, “em que instamos a acompanhar o profissionalismo das empresas participantes de ajudas públicas, além de outros pedidos, como a avaliação do currículo dos tradutores nas pontuações, que também foram ignoradas”.

Alguns dos livros publicados pela Tegra foram, na verdade, financiados por campanhas de micropatrocínio, e agora a empresa reclama ajuda para traduzir umas obras cuja edição não financia.

O trabalho das editoras não se limita à publicação: uma distribuição por pontos de venda e um plano são necessários para cada livro chegar aos leitores. A convocatória deste ano também não considerou esse ponto.

O trabalho das editoras não se limita à publicação: uma distribuição por pontos de venda e um plano são necessários para cada livro chegar aos leitores. A convocatória deste ano também não considerou esse ponto.

“É um dos pontos mais delicados do trabalho das editoras”, explica Alvarellos. “Se publica um livro e não tens como vender é como se não fizesses nada, a obra não tem projeção social. Pedimos à Xunta que seja solicitado um plano de comercialização e distribuição para conceder as ajudas, pois se trata de uma garantia de profissionalismo, mas esse pedido também não foi ouvido “

Extensão e origem

No que diz respeito a alguns pontos, a Xunta escutou as sugestões da AGE, mas sem detalhar. “É o caso da extensão das obras”, continua Alvarellos. “É claro que uma obra de quatrocentas páginas precisa de mais ajuda do que uma de cem. Porém, é preciso considerar também o valor cultural da obra: não é o mesmo as quatrocentas páginas de James Joyce do que Ken Follett. A subtileza no uso da linguagem não é a mesma e, então, o trabalho de tradução também não é o mesmo”, diz Alvarellos.

Da mesma forma, a linguagem da qual se parte deve ser valorizada. “Obviamente, é muito mais fácil traduzir do espanhol ou do português do que de línguas mais culturalmente distantes. Por razões que qualquer um pode entender, uma editora terá mais dificuldade em encontrar um tradutor profissional que possa traduzir para galego um texto original em islandês ou coreano do que um que o faça do espanhol ou do português, e esse esforço também deve ser considerado na hora de conceder as ajudas”, argumenta Alvarellos.

Enganos

A aparição espontânea de um jovem ator no mundo editorial deve suscitar, pelo menos, alguma prevenção nas instituições das quais depende o destino do dinheiro público.

Porem, a falta de filtros que propiciam esses episódios de enganos não são novos ou desconhecidos para as editoras, embora acreditem que a solução está nas mãos da Xunta. “A Conselharia sabe perfeitamente quais empresas trabalham seriamente”, diz Alvarellos. “Na AGE estamos associadas 42 editoras, algumas com muitos anos de trabalho, todas com um perfil muito claro e transparente. Se alguma empresa que não faz parte desse núcleo recebe ajudas é porque a Xunta não quis constatar o que acontecia: quer por negligência, quer por qualquer outro motivo, eles deveriam detetar que algo acontecia. Que essas coisas aconteçam é lamentável!”

[Este artigo foi publicado originalmente por Manuel Xestoso no Nós Diario]

 


PUBLICIDADE

  • Galician

    E se quero traduzir para galego não castrapizado também hai subvenção ou só para galenhol?