Sucesso do crowfunding do ‘Projeto Moas’: 160.000 euros recadados

A Escola Semente de Compostela ultrapassa o objetivo ótimo da campanha



projeto-moas-edificioFinaliza a campanha de micromecenado da Semente Compostela e as ativistas rematam com satisfaçom e agradecendo o apoio recebido. O Projeto Moas começa a ser umha realidade, após um processo de trabalho coletivo intenso levado a cabo nos últimos três meses: “Finaliza umha das mais emocionantes etapas da aventura da Semente. Quase um milhar de galegos e galegas impulsionárom o crowfunding que ousadamente decidimos lançar há agora 3 meses. Umha numerosa equipa humana organizada em comissons (propaganda, redes, finanças…) carregada de vontade e entusiasmo conformou a maquinaria que levou adiante a empresa. Videos, audios, textos, contatos, gestons de todo tipo de tarefas forom implementadas por activistas da Semente. E todo isto mentres o projeto educativo continuava coa sua vida orgánica! Foi muita tensom, forom muitas dúvidas…. Era demasiado dinheiro, mas era o que necesitavamos. E por fim, Galiza diante nossa.”

projeto-moas-sucessoCom dúzias de solidárias oferecendo recompensas, com a militáncia de famílias e ativistas em defesa da língua e o apoio económico de 750 pessoas, o sonhado torna realidade. Gota a gota recadarom-se em total 160.000 euros para consolidar o projeto educativo que nascera em 2011: comprar umhas instalações no lugar de Moas, que permitam concentrar todas as propostas da associaçom num único espaço, e acolher todas as crianças dos centros de Educaçom infantil (de 2 a 6 anos) e de Educaçom primária (6 a 12 anos). Trata-se dumha escola de 600 m2 distribuídos em três andares, com possibilidade de ampliaçom num 50%, numha finca florestal de 3500m2.

As instalações no lugar das Moas permitem concentrar todas as propostas da associaçom num único espaço, e acolher todas as crianças dos centros de Educaçom infantil (de 2 a 6 anos) e de Educaçom primária (6 a 12 anos). Trata-se dumha escola de 600 m2 distribuídos em três andares, com possibilidade de ampliaçom num 50%, numha finca florestal de 3500m2.

Ao longo deste tempo receberam apoios desde diferentes lugares como a Amazonia, o Quebec, o Curdistám, Senegal ou Nova Zelândia que se podem ver na canle de YouTube do Projeto Moas: reuniu-se apoio de professorado de escolas de imersom e ativistas em defesa das línguas minorizadas de diversos povos, mas também de pessoas conhecidas da cultura internacional, como o pedagogo Francesco Tonucci, e galega, como o ator Amador Arias, protagonista do filme O que arde (dirigido por Oliver Laxe) do dramaturgo e encenador Quico Cadaval, a cineasta e catedrática Margarita Ledo, o professor e investigador Ángel Carracedo, a zoqueira Elena Ferro, ou as músicas Guadi Galego, Tanxugueiras ou Paco Nogueiras, quem ofrecem recompensas como  concertos em exclusiva. Associaçons, centros sociais, empresas diversas, desde editoras a alimentárias, e, sobre tudo, a sociedade civil, fizeram nestes 80 dias com que o Projeto Moas seja já umha realidade.
 projeto-moas
As Escolas Sementes som um dos projetos mais transformadores dos últimos anos na Galiza, a nível de autogestom em matéria de defesa da língua, permitindo pequenas ilhas de conservaçom linguística para as crianças das cidades.
Os centros atuais da Semente Compostela som um espaço feminista, de pedagogia transformadora que entende a escola como parte integrante da sociedade e pretende servir aos interesses populares garantindo um processo de ensino com aprendizagem democrática e fazendo possível que as crianças sejam cidadás livres e críticas.

Nem público nem privado: ensino comunitário

crianças a jogar numa escola Semente 2Semente Compostela é um projeto social sem ánimo de lucro que promove uma educaçom em galego acessível para todas as famílias. Leva funcionando desde o ano 2011, integramente em galego, e hoje está formada por um grupo de 7 trabalhadoras e comissons de trabalho das que formam parte pessoas das 70 famílias usuarias da escola. Com o apoio de colaboradoras económicas, militantes e gente afim ao projeto, que -mesmo sem ter necessidade dos serviços de umha escola- acreditam num ensino em galego e numha pedagogia que pretende servir aos interesses populares garantindo um processo de ensino e aprendizagem democráticos e que fai possível que as crianças sejam cidadás livres e críticas,  a partir da defesa do idioma galego, do seu caráter internacional, e como parte indissolúvel da nossa cultura, da nossa história e do nosso futuro.

 


PUBLICIDADE

  • Joám Lopes Facal

    Parabéns e reconhecimento à rede que crê e impulsiona o projecto; os melhores augúrios para a mocidade que daí está a nascer.
    A casa de Moas já está fazendo história.

  • https://pglingua.org/index.php abanhos

    São dessas cousas que che amossam que a realidade nossa pode ser de outro jeito, é que no nosso pais a gente que sonha, se quer, pode fazer com seus sonhos o futuro