ALDEIAS DE ORDES

A roda toponímica



para Adrián, Sandra e Nuria

mapa-1

“La ría de Vigo se estrecha muchísimo al entrar en la hermosa, espaciosa y redonda concha de mar de Redondela, que tomó el nombre de esa redonda bahía”1. Com esta singeleza e expressividade o Padre Sarmiento deu conta do topónimo Redondela, irmao do nosso Redondelo de Queijas, lugar cujas casas se disponhem ao redor de umha zona circular e mais baixa que acolhe leiras e prados. Pode que a diferença entre Redondela e Redondelo seja o género dimensional polo qual, em galego-português, umha agra é um agro grande e umha leira um leiro grande e, de facto, Redondela é bem mais grande que o Redondelo.

O Redondelo, em Queijas (Cerzeda), visto desde o aire.

O Redondelo, em Queijas (Cerzeda), visto desde o aire.

Etimologicamente a palabra redondo é umha evoluçom do latim rotundum ‘redondo’, derivado à sua vez de rotam ‘roda’, pois ao princípio rotundum significava ‘em forma de roda’. O sufixo –elo, neste caso, talvez nom seja o diminutivo tipicamente medieval, senom que esteja a cumprir a funçom “intensificante” que precisamente Joseph M. Piel exemplifica com Redondela, o lugar mui redondo2.

Outros topónimos da mesma família som o da Roda em Ardemil, fotografado por Gustav Henningsen; e em Marçoa há o microtopónimo Redondo, que em Évora dá nome a umha vila importante e que deve ser a causa –sem desmerecer a Marçoa- de que na Angola haja umha cidade chamada Novo Redondo.

Na toponímia maior há outro Redondelo em Chaves, pertinho da encantadora vila termal de Vidago. E é que, para as de Queijas, viajar a Portugal é como nom sair da paróquia. Num simples atlas de estradas da Península Ibérica, a escada 1:300.000, quase todas as aldeias de Queijas aparecem duplicadas ao Sul do Minho, à vez que nom se repete nengumha ao passar o Bierzo. Há o próprio Queijas em Lisboa e também Abelheira a carom de S. Bartolomeu de Galegos; o Barroso em Faro e o Calvário em Castelo Branco; a Capela no Porto (ao lado da Galega) e Santarém; a Lagoaquase por todos os distritos, e a Nespereira outros tanto (só em Viseu há três); o Penso em Braga, Viana do Castelo e Viseu; o Sabugueiro em Coimbra, Évora e a Guarda… E assim para diante, todo um país em Queijas!

Mosaico de images do Redondelo de Chaves (Portugal).

Mosaico de images do Redondelo de Chaves (Portugal).

1 P. Sarmiento, Colección de voces y frases gallegas, Universidad de Salamanca, 1970, p. 393.

2 Joseph M. Piel, 1989, p. 31.

Carlos C. Varela

Carlos C. Varela

Carlos Calvo Varela (Ordes, 1988) colaborou e colabora com diveros meios de comunicaçom, entre os quais Novas da Galiza, Praza Pública e o Portal Galego da Língua. Estudante de Antropologia e investigador, tem publicado numerosos artigos em portais web, revistas e livros, além de realizar um reconhecido labor como dinamizador social e cultural em coletivos de Compostela e Ordes.
Carlos C. Varela

Latest posts by Carlos C. Varela (see all)


PUBLICIDADE

  • https://pglingua.org/index.php abanhos

    porém como Portugal não é espanha,,,