O presente e o futuro do galego foi discutido em Braga

A Semana Cultural Convergências Galiza-Portugal, um evento anual para celebrar as figuras de Rosalia de Castro e do Zeca Afonso



A quinta Semana Cultural Convergências – Portugal/Galiza aconteceu este ano entre os dias 17 e 24 de fevereiro, com exposições, música, poesia, tertúlias e teatro distribuídos entre Braga, Santiago de Compostela e Padrom. A abertura da Semana produziu-se em Braga, onde a Junta da Galiza mostrou a sua atividade editorial no dia 14. Os eventos continuárom em Braga no dia 17, com um concerto que reuniu a Banda Municipal de Santiago e a banda bracarense Canto d’Aqui; e no dia 18, com umha mostra de cinema galego.

semana cultural convergências galiza portugal 2019

No dia 19 a capital da velha Galécia acolheu fado e no dia 20 mais música, com Vudú e Poesis. O dia 21 foi dedicado a discutir sobre o presente e o futuro do galego a partir de umha palestra do presidente da AGAL, Eduardo Maragoto. Finalmente, no fim de semana entre os dias 21 e 24 tivemos música, com o Primo Convexo (na Gentalha do Pichel), Uxía (no Theatro Circo/Fórum) e os Canto d’Aqui e a Banda Municipal de Santiago homenageando o Zeca Afonso no Teatro Principal de Santiago. Os Canto d’Aqui também homenageárom Rosalia de Castro no dia seguinte em Padrom.

O galego hoje, discutido em Braga

Dentre todos os eventos organizados polas Convergências ao longo da semana passada, a AGAL foi a convidada especial no realizado no lindo Salão Nobre da Reitoria, no Larço do Paço de Braga. Ali, perante trinta e seis pessoas, Eduardo Maragoto explicou quais eram os principais problemas e desafios do galego na atualidade, depois de contextualizar o momento presente do galego-português no contexto europeu e ibérico e de resumir brevemente a história da língua desde os primórdios.

Por sua vez, Carlos Pazos-Justo, doutor em Ciências da Cultura pola Universidade do Minho e sócio da AGAL, ofereceu umha abordagem mais cultural da situaçom, advogando pola possibilidade de haver também outros encontros, para além do linguístico, entre as duas margens do Minho. O debate dos dous comunicadores com a assistência foi muito vivo, devido a que fôrom mostrados vídeos de diversos modos de falar galegos e portugueses. As palestras contárom com a moderaçom de Henrique Barreto Nunes e a animaçom musical de Espiral Trio Celta, que tocou o Cantar de Emigraçom de Rosalia de Castro e Tu Gitana do Zeca Afonso, conseguindo mesmo que algum assistente se pusesse a dançar com a interpretaçom de umha moinheira.


PUBLICIDADE