Perdidos e Achados: alarga-se o prazo para participar

O novo prazo é até 15 de dezembro e a resolução do concurso será dia 22 de dezembro de 2022.



Foi alargado o prazo para participar no concurso Perdidos e Achados organizado pela Associaçom Galega da Língua (AGAL) em parceria com a Associação de Docentes de Português na Galiza (DPG) com a ajuda da Deputação da Corunha.  O novo prazo é até 15 de dezembro e a resolução do concurso será dia 22 de dezembro de 2022.

Perdidos e Achados é primeira edição de um concurso de pequenos vídeos de Tik Tok ou Reels do Instagram. O nome vem desse espaço de lugares de trânsito, estações ou aeroportos, que funciona como referência para encontrar pequenos objetos que perdemos outrora. Perdidos e Achados é metaforicamente um espaço de partilha em formato concurso onde estudantes de 3º, 4º ESO, FP Básica, Média e Bacharelato recolham termos empregados na sua zona convergentes com a língua portuguesa, que estejam esquecidos no uso ou tenham condição de alteridade. “Bochecha”, “bolacha” ou “quinta-feira” seriam algumas palavras suscetíveis de aparecerem nestas criações. Estão “perdidas” e está na hora de “achá-las”.

Membros da AGAL e da Direção da DPG escolherão os melhores vídeos de três categorias em base a critérios criativos, linguísticos e técnicos. As propostas audiovisuais deverão ser publicadas em redes sociais com a hashtag #perdidoseachados e acompanhadas de uma inscrição prévia, acessível em A Nossa Galáxia, site de referência para seguir as novidades do concurso e ter mais informações sobre as bases. Existe um vídeo, fruto de um webinar, que explica também certos pormenores do concurso.
Quanto aos prémios, nesta primeira edição nenhuma categoria ficará deserta e quem participar poderá ganhar um tablet.
Com esta iniciativa a DPG e a AGAL tencionam que o alunado aprofunde no conhecimento do nosso léxico, estreite laços com a lusofonia e tenha mais vínculos intergeracionais.

Neste vídeo participam Antia Cortiças Leira, como representante da Associaçom de Docentes de Português da Galiza (DPG) e Carme Saborido, em nome da AGAL, , explicam as condições e interesse do projeto.

 

 


PUBLICIDADE