Todos os artigos marcados como "Maria Dovigo"

  • Enxebres, neofalantes, colonizados

    Não sei qual é a minha língua materna. Sei o que fui aprendendo a falar, entre duas línguas, e tenho consciência do momento histórico e da sociedade em que fui educada, da atmosfera de medo, das feridas dos meus pais, ferida linguística, ferida do espaço que se ocupa no mundo, sei qual era a língua […]

  • Heterodoxos espanhóis

    Maria Dovigo passeia pela história do nacionalismo espanhol e propõe uma galeguidade baseada na heterodoxia para podermos segurar um futuro.

  • Todo o lugar é um centro da terra

    A citação que dá título a este artigo está tirada de um ensaio de Robert Louis Stevenson sobre a sua cidade natal, Edimburgo. A frase, que já isolada é tão sugestiva ao pensamento como aquela de Vicente Risco “a Galiza é um mundo”, ganha consistência e sentidos quando lida no contexto do parágrafo, da mesma […]

  • Concerto para a mão esquerda

    Conta Gregório de Tours que o filho do rei suevo Carriarico se curou miraculosamente da lepra quando recebeu em Braga as relíquias de Martinho de Tours. Pois quem quer ser pai dum filho morto? Quem quer ser órfão? Começo estas notas no dia de São Martinho, dia de “lume, castanhas e vinho”, segundo o provérbio. […]

  • Cruz na ponte

    “Cruz na fonte, cruz no monte, cruz na ponte” Começo estas notas na estação de Porto-Campanhã, à espera dum trem para Lisboa que só apanharei daqui a uma hora. É final de julho e a sala de espera está cheia de gente. Gosto destes espaços de gente em trânsito que por um momento se encontra. […]

  • História dos peixes

      O Atlântico da minha infância era o espaço dos peixes. A minha cartografia chegava aonde os pescadores chegavam, mais além da Marola, ao Grand Sole, à Terra Nova. Havia ainda histórias como ficções, as dos nomes escritos na fachada da escola de Náutica da Crunha, Magalhães, Elcano, que na altura me pareciam de alguma […]

  • Quem pensa a escola?

    Não se pode exercer a docência sem amor, aos alunos, à infância, à humanidade, ao saber, à disciplina que ensinamos, ao profissionalismo, ao ofício, ao trabalho bem feito, à sociedade, à nação, a qualquer imagem de comunidade… o que for, mas tem que haver algo longe, invisível, um princípio transcendente que nos endireite e nos […]

  • Contra o fim do mundo

    Robert Louis Stevenson fez na sua juventude uma viagem a pé pela região montanhosa das Cevenas, no sul da França, com a única companhia de uma burra de nome Modestine. Pouco tempo depois relatou a sua experiência em um livro, o seu segundo publicado,  ao que deu por título Os prazeres dos lugares inóspitos. Declara […]

  • Crónica do II Encontro de mulheres da lusofonia

    No seu poema “Tempo e violência” a irlandesa Eavan Boland imagina uma sereia que quer ser humana para poder criar, envelhecer e morrer. “Isto é o que a linguagem nos fez”, languidescer numa gramática de suspiros, diz a sereia do Mar do Norte do poema de Boland. Uma experiência semelhante, verificar o que a linguagem […]

  • Memória da escravatura e debate público em Portugal

      O projeto de criação de um memorial às vítimas da escravatura na cidade de Lisboa foi proclamado no passado dia 27 de novembro como um dos vencedores do orçamento participativo da câmara municipal. A proposta partiu da Djass-Associação de Afrodescendentes que visa assim “colocar Lisboa no mapa da história da escravatura”. A proposta do […]