Todos os artigos marcados como "Artur Alonso Novelle"

  • Sobre O Verdadeiro Comunismo (IV)

    “Nós, porém, que já estamos preparados para trilhar a senda da rosa e da cruz, sabemos e compreendemos que a verdade pode ser aprisionada durante muito tempo, que ela pode ser mutilada durante longo tempo, que os servidores da verdade podem ser perseguidos e atacados, mas a verdade um dia se libertará. Quanto mais tempo […]

  • Sobre O Verdadeiro Comunismo (III)

    “A semente oculta no interior da terra, desenvolve-se igualmente, a pesar, do mau tempo e das tempestades” (Jacob Böehme, referindo-se a os anos, em que fora perseguido por herético)   A Utopia toma forma No ano 1516, Thomas Moro, chanceler de Henrique VIII, publica Utopia tentando desenhar os alicerces duma sociedade ideal, que de novo de […]

  • Sobre O Verdadeiro Comunismo (II)

    A Era Racional A Idade Moderna, a partir da Tomada de Constantinopla em 1453, aparenta definitivamente diluir esse fino anel de aliança entre a velha ciência e a profunda espiritualidade, que se mantêm ainda viva durante toda a Idade Média. No entanto o renascimento acordar o interesse da tradição neoplatónica, com a aquisição da tradução […]

  • Sobre O Verdadeiro Comunismo (I)

    “Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que obram iniquidade. Porque cedo serão ceifados como a erva, e murcharão como a verdura” (Do Livro dos Salmos) O conexão Mediterrânica A filosofia “Patrística”, sobre todo depois do Concílio de Niceia (325.d.C), com figuras de destaque como Círio de Alexandria ou Atanásio, fora […]

  • A mudança é contínua. Contínua a renovação

    A inquietação emerge porque nós não apreciamos a beleza do contentamento. Nós não reconhecemos o puro prazer de fazer nada. Nós temos uma mente “buscadora de defeitos”, ao invés de uma mente que aprecia o que já está aí, realizado (foi uma sorte ter encontrando este pequeno extrato, num velho papel perdido, dentro daquela gaveta). […]

  • ‘O Livro Blanco’ de Alexandre Brea

      Lemos o poema de Tarkosvky e sabemos que ainda nos seguimos a perguntar, nós mesmos, por aquele: “tem de haver algo mais”… Mas onde? Onde encontrar esse mais, que tem de haver, além da realidade física que todos e todas enxergamos com nossos olhos?… Faz muitos séculos o poeta Jalaladum Rumi, contestou esta pergunta. […]