Os livros falam #7 : O galego é uma oportunidade



‘O galego é uma oportunidade / El gallego es una oportunidad’, de José Ramon Pichel e Valentim R. Fagim é uma proposta de face dupla em ambas as línguas, em ambas as oportunidades, uma proposta de aproveitamento da grande ferramenta que nos fai humanos: os idiomas.

*

Livro em versão bilingue português-castelhano cujo objetivo é mostrar que a nossa vantagem como galegos e galegas é a língua.
Os autores deste manual têm vários aspetos biográficos em comum:
– Cresceram em Vigo
– Um dos progenitores era galego enquanto o outro era forâneo.
– Tiveram contacto com o galego na aldeia e na escola.
– Na adolescência começaram a falar em galego.

Com 19 anos descobriram que esta língua era mais do que “semelhante” a que se falava em Portugal ou Brasil. Depois de vinte anos de aprendizagem, processo em que continuam, decidiram escrever um livro que tentasse explicar porque os galegos e galegas possuem, ainda que sem serem totalmente conscientes, uma imensa vantagem: duas línguas de projeção mundial, o galego, conhecido internacionalmente como português, e o castelhano, conhecido internacionalmente como espanhol. Este tesouro permite-nos comunicar com mais de 250 e 400 milhões de pessoas respectivamente.
Nos próximos anos, por causa do caráter emergente da economia brasileira, do Campeonato de futebol de 2014 e as Olimpíadas de 2016 no Brasil, para além da crise do euro, ser galego, polo único facto de saber a nossa língua, pode tornar-se numa vantagem competitiva e o nosso território passar a ser um lugar privilegiado do mundo.
Somos a ponte, o lugar onde o mundo lusófono e hispanófono se unem, onde nasceu a língua conhecida internacionalmente como português, onde (por causa da nossa emigração) há uma profunda relação com o mundo hispano-americano que se expressa em espanhol.

Na Loja Através:
http://www.atraves-editora.com/loja/a…


PUBLICIDADE

  • potanonimomain

    Por que “castelhano” e nom “castelão”?

    • fiz pousa

      cas·te·lão
      (latim castellanus, -a, -um, de castelo)
      adjectivo
      1. Que é relativo a castelo.
      2. Que faz a guarda de um castelo.
      substantivo masculino
      3. Senhor feudal que exercia jurisdição própria em certa área.
      4. Governador de castelo. = ALCAIDE
      5. Dono de um castelo.
      6. [Viticultura] Casta de uva tinta. = CASTELÃ, PERIQUITA
      adjectivo e substantivo masculino
      7. [Antigo] Castelhano.
      Feminino: castelã, casteloa ou castelona. Plural: castelões ou castelãos.

      cas·te·lha·no
      adjectivo
      1. De Castela.
      substantivo masculino
      2. Natural de Castela.
      3. Língua de Castela.

      • Galego da área mindoniense

        Vejo que pesquisache no Priberam. Na definiçom 7 pom que é um arcaísmo de “castelhano”. Mais é um arcaísmo no resto da lusofonia, nom na Galiza. Tamém som arcaísmos no resto da lusofonia “dous”, “ca”, “che”, “mui”… mais na Galiza essas formas estám moi vivas. O mesmo ocorre com “castelão”. Essa forma ainda tem bastante uso na Galiza. E essa é a forma genuína, já que castelão vem de Castela; mentres que castelhano vem de Castilla.
        Que eu saiba, umha das cousas que defende o reintegracionismo é a eliminaçom dos castelanismos. Por que nom o fai neste caso?
        Agora, proponho-te que pesquises outra vez; mais desta vegada no Estraviz (http://www.estraviz.org/castel%C3%A3o).