Maria Bethânia, outra excelente cantora do Brasil



maria-bethania-foto-5Dentro da nossa série de artigos de “As Aulas no Cinema” estamos a dedicar vários depoimentos àquelas mulheres que no mundo lusófono destacaram em alguns campos da cultura, da ciência e do ensino. Por isso, dentro da que estou a dedicar às mais importantes personalidades da Lusofonia, onde a nossa língua internacional tem uma presença destacada, e, por sorte, está presente em mais de doze países, sendo oficial em oito, dedico o presente depoimento, que faz o número 142 da série geral que iniciei com Sócrates, a outra excelente cantora do Brasil, conhecida como Maria Bethânia, irmã do grande também cantor Caetano Veloso. Com este depoimento, a ela dedicado, completo o número trinta da série lusófona.

PEQUENA BIOGRAFIA

A brasileira Ana Lucia Santana escreveu para a InfoEscola uma muito interessante biografia da cantora, que a seguir tenho por bem reproduzir.
A grande cantora da MPB, de nome completo Maria Bethânia Viana Teles Veloso, que tem cerca de 26 milhões de discos vendidos, desbancada apenas por Xuxa, nasceu na cidade de Santo Amaro da Purificação, na Bahia, no dia 18 de junho de 1946. Filha de Zeca Veloso, conhecido como o “Onça”, renomado membro dos Correios e Telégrafos, e de Claudionor Viana, a querida guerreira Dona Canô, ela veio ao mundo em um sobrado localizado na Rua Direita, sobre a empresa da qual seu pai era funcionário. Bethânia é irmã caçula do não menos famoso Caetano Veloso, cantor reconhecido nacional e internacionalmente, e da poetisa Mabel Velloso. O mano Caetano foi quem escolheu seu nome, inspirado em uma valsa que, aos 3 anos de idade, já lhe chamava a atenção, Maria Betânia, de Capiba, cantada então por Nélson Gonçalves. A futura cantora consagrada desejava, no início, subir aos palcos não para cantar, mas sim para interpretar.maria-bethania-foto-00
Aos poucos a garota entra em contato com o contexto cultural de Salvador, para onde se muda em 1960, atuando na Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia, frequentando as inúmeras exposições de artes plásticas, os mais variados shows musicais, o fervilhante ambiente estudantil. Era um período de intensa criatividade e de mudanças na cultura brasileira.
Caetano é chamado, em 1963, para compor a trilha musical da peça Boca de Ouro, do dramaturgo Nélson Rodrigues. Na cena inicial Bethânia tem a oportunidade de enfrentar pela primeira vez os palcos, cantando Na Cadência do Samba, de Ataulfo Alves. Ainda neste ano eles entram em contato com Gil, Gal Costa, Tom Zé e outras personagens que escreveriam a história da Música Popular Brasileira, inspirados por João Gilberto e pelo movimento que ele praticamente criou, a Bossa Nova.
Em 13 de fevereiro de 1965, durante a vigência da Ditadura Militar, a cantora teve a chance de substituir Nara Leão no espetáculo Opinião, concebido por Oduvaldo Vianna Filho, cantando a canção Carcará, de João do Valle. Sua participação intensa despertou a atenção da crítica e do público, e sua trajetória consagrada nasceu neste momento. Logo em seguida ela recebeu uma proposta de trabalho da gravadora RCA, futura Sony BMG. Ela se transformou em uma das intérpretes mais importantes da MPB, bem como seu irmão Caetano.
Maria Bethânia cresceu em um ambiente profundamente religioso, marcado pela cultura do candomblé. Ela cultua diversos santos e segue especialmente um ritual africano conhecido como Ketu. Muitas de suas canções são inspiradas neste cadinho cultural brasileiro, no sincretismo, na cultura popular, na tradição folclórica de seu país.

Maria Bethânia cresceu em um ambiente profundamente religioso, marcado pela cultura do candomblé. Ela cultua diversos santos e segue especialmente um ritual africano conhecido como Ketu. Muitas de suas canções são inspiradas neste cadinho cultural brasileiro, no sincretismo, na cultura popular, na tradição folclórica de seu país.

Em 1966 atuou nas montagens Arena Canta Bahia e Tempo de Guerra, dirigidos por Augusto Boal, além de participar em vários festivais musicais. Nos anos 70 ela integrou o célebre conjunto conhecido como Doces Bárbaros, ao lado de Gal, Caetano e Gil. O trabalho da banda, hoje considerado genial, foi então muito mal recebido pela crítica.maria-bethania-capa-cd-2
Ela foi pioneira entre as vozes femininas na venda de discos, Álibi, de 1978, teve mais de um milhão de cópias comercializadas; Mel, 1979, e Talismã, de 1980, alcançaram também altos índices de vendas. Seus trabalhos seguintes, Ciclo, de 1983, e A Beira e o Mar, de 1984, foram revolucionários ao optarem pelo estilo acústico. Maria Bethânia festeja seus 25 anos de caminhada musical gravando, em 1990, o disco 25 Anos, que privilegia as diversas vertentes culturais do Brasil e traz a presença especial de diversos músicos famosos, entre eles Nina Simone, João Gilberto, Toninho Horta, Wagner Tiso, entre outros. Seu trabalho posterior, Olho d’ Água, de 1992, reflete uma viagem da cantora pelo universo das religiões. Em 1993 seu novo CD, As canções que você fez pra mim, vendeu mais de um milhão de cópias.
Maria Bethânia ao vivo, de 1995, foi a despedida da cantora do formato vinil; foi relançado mais tarde em CD, englobando as quatro canções que, por carência de espaço, tinham sido excluídas do disco anterior. A cantora continua mais ativa que nunca. Seus trabalhos mais recentes são Dentro do mar tem rio, de 2007, Omara Portuondo e Maria Bethânia ao vivo, de 2008, Encanteria e Maria Bethânia Naturalmente, ambos de 2009. Em 2008 ela conquistou o Prêmio Shell de Música, inédito para intérpretes.
Sobre esta excelente cantora brasileira existem muitas informações, páginas e depoimentos na Internet do Brasil. Algumas das biografias mais interessantes são a da wikipedia, a da Brasil Escola, o vagalume e a do site ebiografia.  Na wikipedia também se recompila toda a sua discografia, videografia e filmografia.

FICHAS DOS DOCUMENTÁRIOS E FILMES

0. Quando o carnaval chegar. Longa-metragem.
Diretor e roteirista: Carlos Diegues (Brasil, 1972, cor, 103 minutos).
Argumento: Lourival é o empresário de um grupo mambembe de cantores (Paulo, Mimi e Rosa), que viaja pelo país num antigo ônibus (“Sheila”) dirigido por Cuíca. Com a proximidade do Carnaval, Lourival consegue um contrato para o grupo e também Cuíca, para se apresentarem no evento “A festa do rei” (que depois se revela como Frank Sinatra, numa suposta viagem ao Rio). Mas uma série de desavenças e discussões internas, provocadas pelos romances inesperados de Paulo (com Virgínia) e Cuíca (com uma atriz francesa) põe em risco o cumprimento do contrato para desespero de Lourival, que avisa que o contratante é o chefão do crime organizado (provavelmente um “bicheiro”) “Anjo”, que os ameaçará de diversas formas. Maria Bethânia faz o papel da cantora Rosa, Chico Buarque atua como Paulo, Hugo Carvana como Lourival e Nara Leão como Mimi.

Aqui podem-se ouvir três minutos da trilha sonora.

O filme completo pode ver-se aqui:

1. Maria Bethânia: Carta de Amor.
Duração: 91 minutos. Ano 2017.

2. Maria Bethânia: Abraçar e agradecer.
Duração: 116 minutos. Ano 2016.

3. Hora de Naná com Maria Bethânia.
Duração: 24 minutos. Ano 2019.

4. Bethânia fala do show “Claros Breus”.
Duração: 9 minutos. Ano 2019.

5. Maria Bethânia: “Reconvexo”.
Duração: 6 minutos. Ano 2016.

6.Especial Maria Bethânia. 26º Prêmio da Música Brasileira:
Duração: 94 minutos. Ano 2019.

7. As canções que você fez para mim. Noite Luzidia.
Duração: 4 minutos. Ano 2001 (vídeo de 2016).

8. Maria Bethânia: Que falta você me faz. Álbum completo.
Duração: 48 minutos. Ano 2015.

 

DISCOGRAFIA BÁSICA de MARIA BETHÂNIA

A. Álbuns de estudo

-Maria Bethânia (1965).
-Edu e Bethânia (1967).
-Maria Bethânia (1969).
-A Tua Presença…(1971).
-Vinicius, Bethânia,Toquinho – em La Fusa (Mar de Plata) (1971).
-Drama (1972).
-Pássaro proibido (1976).
-Pássaro da manhã (1977).
-Álibi (1978)
-Mel (1979).
-Talismã (1980).
-Alteza (1981).
-Ciclo (1983).
-A beira e o mar (1984).
-Dezembros (1987).
-Maria (1988).
-Memória da pele (1989).
-25 anos (1990).
-Olho d’água (1992).maria-bethania-capa-cd-5
-As canções que você fez pra mim (1993).
-Las canciones que hiciste para mí (1993).
-Âmbar (1996).
-A força que nunca seca (1999).
-Maricotinha (2001).
-Cânticos, preces, súplicas à Senhora dos jardins do céu na voz de Maria Bethânia (2003).
-Brasileirinho-Quitanda (2003).
-Que falta você me faz – Músicas de Vinicius de Moraes (2005).
-Pirata-Quitanda (2006).
-Mar de Sophia (2006).
-Omara Portuondo e Maria Bethânia (2007).
-Encanteria-Quitanda (2009).
-Tua (2009).
-Oásis de Bethânia (2012).

B. Álbuns ao vivo

-Recital na Boite Barroco (1968).
-Maria Bethânia Ao vivo (1970).
-Rosa dos ventos Ao vivo (1971).
-Drama 3º ato (1973).
-Cena muda (1974).
-Chico Buarque & Maria Bethânia ao vivo (1975).
-Doces Bárbaros (1976).
-Maria Bethânia e Caetano Veloso ao vivo (1978).
-Nossos Momentos (1982).
-Maria Bethânia: Ao vivo (1995).
-Imitação da Vida (1997).
-Diamante Verdadeiro (1998).
-Maricotinha: Ao Vivo (2002).
-Dentro Do Mar Tem Rio (2007).
-Amor, Festa, Devoção (2010).
-Noite Luzidia (2012).

 

LETRAS DE ALGUMAS DAS SUAS CANÇÕES

Brincar de viver
Quem me chamou
Quem vai querer voltar pro ninho
E redescobrir seu lugar
Pra retornar
E enfrentar o dia-a-dia
Reaprender a sonhar
Você verá que é mesmo assim,
que a história não tem fim
Continua sempre que você responde sim
à sua imaginação
A arte de sorrir cada vez que o mundo diz não
Você verá que a emoção começa agora
Agora é brincar de viver
E não esquecer, ninguém é o centro do universo
Que assim é maior o prazer
Você verá que é mesmo assim,
que a história não tem fim
Continua sempre que você responde sim
à sua imaginação
A arte de sorrir cada vez que o mundo diz não
E eu desejo amar todos que eu cruzar pelo meu caminho
Como eu sou feliz, eu quero ver feliz
Quem andar comigo, vem.

Carta de Amor
Não mexe comigo, que eu não ando só,
Eu não ando só, que eu não ando só.
Não mexe não! (2x)
Eu tenho Zumbi, Besouro o chefe dos tupis,
Sou tupinambá, tenho os erês, caboclo boiadeiro,
Mãos de cura, morubichabas, cocares, Zarabatanas,curares, flechas e altares.
À velocidade da luz, o escuro da mata escura, o breu o silêncio a espera.
Eu tenho Jesus, Maria e José, e todos os pajés em minha companhia,
O Menino Deus brinca e dorme nos meus sonhos, o poeta me contou.
Não mexe comigo, que eu não ando só,
Eu não ando só, que eu não ando só.
Não mexe não! (2x)
Não misturo, não me dobro.
A rainha do mar anda de mãos dadas comigo,
Me ensina o baile das ondas e canta, canta, canta pra mim.
É do ouro de Oxum que é feita a armadura que cobre meu corpo,
Garante meu sangue, minha garganta.
O veneno do mal não acha passagem
E em meu coração Maria acende sua luz e me aponta o Caminho.
Me sumo no vento, cavalgo no raio de Iansã, giro o mundo, viro, reviro.
Tô no recôncavo, tô em Fez.
Voo entre as estrelas, brinco de ser uma, traço o cruzeiro do sul com a tocha da fogueira de João menino, rezo com as três Marias, vou além, me recolho no esplendor das nebulosas, descanso nos vales, montanhas, durmo na forja de Ogum, mergulho no calor da lava dos vulcões, corpo vivo de Xangô.
Não ando no breu, nem ando na treva
Não ando no breu, nem ando na treva
É por onde eu vou, que o santo me leva
É por onde eu vou, que o santo me leva
Não ando no breu, nem ando na treva
Não ando no breu, nem ando na treva
É por onde eu vou, que o santo me leva
É por onde eu vou, que o santo me leva
Medo não me alcança.
No deserto me acho, faço cobra morder o rabo, escorpião virar pirilampo.
Meus pés recebem bálsamos, unguentos suaves das mãos de Maria
Irmã de Marta e Lázaro, no Oásis de Bethânia.
Pensou que eu ando só? Atente ao tempo. Não começa, não termina, é nunca é sempre.
É tempo de reparar na balança de nobre cobre que o rei equilibra, fulmina o injusto e deixa nua a Justiça.
Eu não provo do teu fel, não piso no teu chão,
E pra onde você for, não leva o meu nome não
E pra onde você for, não leva o meu nome não (2x)
Onde vai valente?
Você secou, seus olhos insones secaram, não veem brotar a relva que cresce livre e verde longe da tua cegueira.
Teus ouvidos se fecharam à todo som, qualquer música, nem o bem, nem o mal, pensam em ti, ninguém te escolhe.
Você pisa na terra mas não sente, apenas pisa.
Apenas vaga sobre o planeta, e já nem ouve as teclas do teu piano.
Você está tão mirrado que nem o diabo te ambiciona, não tem alma.
Você é o oco, do oco, do oco, do sem fim do mundo.
O que é teu já tá guardado.
Não sou eu quem vou lhe dar,
Não sou eu quem vou lhe dar,
Não sou eu quem vou lhe dar.(2x)
Eu posso engolir você, só pra cuspir depois.
Minha fome é matéria que você não alcança.
Desde o leite do peito de minha mãe, até o sem fim dos versos, versos, versos, que brotam do poeta em toda poesia sob a luz da lua que deita na palma da inspiração de Caymmi.
se choro, quando choro, é regar o capim que alimenta a vida, chorando eu refaço as nascentes que você secou.
Se desejo, o meu desejo faz subir marés de sal e sortilégio.
Eu ando de cara pra o vento na chuva, e quero me molhar.
O terço de Fátima e o cordão de Gandhi, cruzam o meu peito.
Sou como a haste fina, que qualquer brisa verga, nenhuma espada corta.
Não mexe comigo, que eu não ando só
Eu não ando só, que eu não ando só(2x)
Não mexe comigo!

Onde estará o meu amor?
Como esta noite findará
E o sol então rebrilhará
Estou pensando em você
Onde estará o meu amor
Será que vela como eu
Será que chama como eu
Será que pergunta por mim
Onde estará o meu amor
Se a voz da noite responder
Onde estou eu
Onde está você
Estamos cá dentro de nós
Sós
Se a voz da noite silenciar
Raio de sol vai me levar
Raio de sol vai te trazer
Onde estará o meu amor?
Como esta noite findará
E o sol então rebrilhará
Estou pensando em você
Será que vela como eu
Será que chama como eu
Será que pergunta por mim
Se a voz da noite responder
Onde estou eu
Onde está você
Estamos cá dentro de nós
Sós
Se a voz da noite silenciar
Raio de sol vai me levar
Raio de sol vai lhe trazer
Onde estará o meu amor?

TEMAS PARA REFLETIR E REALIZAR

Vemos os documentários citados antes, e depois desenvolvemos um cinema-fórum, para analisar o fundo (mensagem) dos mesmos, assim como os seus conteúdos.
Organizamos nos nossos estabelecimentos de ensino uma amostra-exposição monográfica dedicada a Maria Bethânia, uma excelente cantora do Brasil. Na mesma, ademais de trabalhos variados dos escolares, incluiremos desenhos, fotos, murais, frases, textos, lendas, discos, CDs, livros e monografias.
Seria interessante realizar no nosso estabelecimento de ensino uma Audição Musical, com a participação como ouvintes de escolares e docentes. Podemos escolher para escuitar algumas das suas canções dos diferentes discos e CDs que chegou a editar até a data de hoje. Deles selecionamos para escuitar uma dúzia, e ler em alta voz alguns dos mais importantes dados da sua vida e obra.

José Paz Rodrigues

É Professor de EGB em excedência, licenciado em Pedagogia e graduado pela Universidade Complutense de Madrid. Conseguiu o Doutoramento na UNED com a Tese Tagore, pioneiro da nova educação. Foi professor na Faculdade de Educação de Ourense (Universidade de Vigo); professor-tutor de Pedagogia e Didática no Centro Associado da UNED de Ponte Vedra desde o curso 1973-74 até à atualidade; subdiretor e mais tarde diretor da Escola Normal de Ourense. Levou adiante um amplíssimo leque de atividades educativas e de renovação pedagógica. Tem publicado inúmeros artigos sobre temas educativos e Tagore nas revistas O Ensino, Nós, Cadernos do Povo, Vida Escolar, Comunidad Educativa, Padres y Maestros, BILE, Agália, Temas de O ensino, The Visva Bharati Quarterly, Jignasa (em bengali)... Artigos sobre tema cultural, nomeadamente sobre a Índia, no Portal Galego da Língua, A Nosa Terra, La Región, El Correo Gallego, A Peneira, Semanário Minho, Faro de Vigo, Teima, Tempos Novos, Bisbarra, Ourense... Unidades didáticas sobre Os magustos, Os Direitos Humanos, A Paz, O Entroido, As árvores, Os Maios, A Mulher, O Meio ambiente; Rodrigues Lapa, Celso Emílio Ferreiro, Carvalho Calero, São Bernardo e o Cister em Ourense, em condição de coordenador do Seminário Permanente de Desenho Curricular dos MRPs ASPGP e APJEGP.

PUBLICIDADE