Novas vozes em favor das Letras Galegas a Carvalho em 2021

Os centros sociais, as escolas Semente, associaçons culturais... A demanda do adiamento para o ano próximo é já clamor popular



carvalho-calero-a-surrirAs organizaçons Associaçom de Estudos Galegos, Briga, o Coletivo Terra, a SCD Condado, as Escolas de Ensino em Galego Semente (Compostela, Lugo, Vigo, Trasancos), assim como os centros sociais CS A Revolta e CS Faísca de Vigo, a CS O Pichel de Compostela, o CS Gomes Gaioso da Corunha, o CS Madia Leva de Lugo, o CS O Quilombo de Ponte Vedra, a Fundaçom Artábria de Trasancos e o CS Fuscalho do Baixo Minho venhem de assinar conjuntamente um comunicado público solicitando o adiamento da homenagem que a Real Academia propóm para o 31 de outubro, e destacando, aliás, que independentemente desta instituiçom, o movimento social “continuaremos a difundir a obra de um dos grandes da nossa história contemporánea e destacado teórico do reintegracionismo lingüístico.”

Queremos manifestar a nossa oposiçom a esta decisom, porque nessas datas é praticamente impossível garantir que a figura de Carvalho Calero seja trabalhada e divulgada como deveria ser.
Por exemplo, achamos que com  esta mudança de data nom estaria garantido, no caso do ensino, que é umha das áreas em que mais se trabalha a pessoa homenageada no Dia das Letras com toda a programaçom que leva associada. Sendo a começos do ano letivo e tendo que recuperar parte do currículo sem desenvolver nestes meses, semelha que a presença do autor seria testemunhal.
Aliás  a data escolhida coincide com a celebraçom do Samaim, tradiçom na qual o tecido associativo levamos anos trabalhando na sua recuperaçom.
Tampouco está garantido que nessa data seja possível nengum tipo de mobilizaçom. Nom imaginamos um Dia das Letras sem a reivindicaçom na rua da defesa do nosso idioma ou sem as muitas atividades culturais que se desenvolvem por todo o País.
O papel da cultura de base e do reintegracionismo foi, é e será fundamental na divulgaçom de Carvalho Calero. Sabemos que foi negado durante anos pola RAG, só polo facto de ser reintegracionista. Por isso aguardamos que seja escuitada a demanda de adiar para 2021 esta merecida homenagem, que cada vez conta com mais adesons, incluídas as entidades  abaixo assinadas.
Faga o que figer a RAG finalmente, Carvalho continuará a ser lembrado e reivindicado. Continuaremos a difundir a obra de um dos grandes da nossa história contemporánea e destacado teórico do reintegracionismo lingüístico.
Galiza, 23 de abril de 2020

 

Por outra parte a Associação Socio-Cultural Lareira de sonhos dos Vilares e o grupo Nova Poesia Guitirica NPG, também demandam a ampliaçom da homenagem das Letras Galegas a Ricardo Carvalho Calero para o ano 2021, fazendo pública a carta que enviam à RAG:

A nossa vinculação ao poeta José María Díaz Castro, natural da paróquia guitiricense á que pertencemos, e sabedores da amizade e mútua admiração entre Carvalho e o poeta do Vilarinho ao que prologou a segunda ediçao da súa obra NIMBOS, fai-nos estar certos de que coma nós, o nosso poeta estaría apoiando esta demanda. A segunda edição de NIMBOS (1982), numa coleção poética bilíngue espanhol-galego da Editora Nacional de Madrid dirigida por González Garcés, levou um prefácio em galego reintegrado do professor Carvalho. Esse prólogo, um verdadeiro tratado sobre a poesía de Díaz Castro, nunca voltou a ver a luz coas edições posteriores de NIMBOS de Galaxia e La Voz de Galicia. Esse prólogo foi recuperado por AGAL na publicação LETRAS GALEGAS con outros artigos do professor. Carvalho tem manifestado que NIMBOS era o seu livro de cabeceira na mesinha de noite e ambos literatos derom nos seus últimos anos longos paseios pola Compostela monumental cando Carvalho mantinha aínda um despacho na Facultade de Filología em Mazarelos onde Díaz Castro o visitava. O longo afastamento de Carvalho para esta homenagem e agora as circunstancias dos estados de alarma e confinamento condenam novamente ao erudito ferrolán á marginalidade institucional e a um mermado reconhecemento público que não merece. Numa situação na que são numerosos os aprazamentos de festivais e actos públicos para o ano vindeiro, fai justo também, adiar esta dedicatória ao 2021 para que esta tenha garantida  a igualdade com o resto de autores aos que se tem adicado as Letras Galegas, igualdade que nao estará garantida si não se acepta esta proposta cada día máis apoiada. Assim, dende a Lareira de sonhos e NPG, apoiamos também extender o conhecemento do Ricardo Carvalho Calero e da súa extensa obra, literária e filológica, para revisar a situação do idioma e debater um futuro de saúde  para o galego com medidas de achegamento real á grafía internacional e á dupla normativa em tudos os ámbitos, dende a educação á administraçao.  É por isto que dende as terras de Díaz Castro, a Associação dos Vilares e o grupo poético NPG Nova Poesia Guitirica, reclamamos que 2021 seja também o ano de Carvalho Calero.

 

Desta forma estes novos posicionamentos sumam-se às que já recolhiamos há uns dias neste portal da AGAL, a Mesa, a AELG, o Instituto de Estudos Chairegos, a Federación Galega de Asociacións Culturais e a Fundación Manuel María.

Também som muitas as vozes que estám a mostrar o seu apoio através das redes sociais e em artigos, como o de Eliseu Mera publicado aqui, onde se analisa a pertinência deste adiamento, ou a opiniom recolhida recentemente no Diario de Ferrol do escritor Henrique Dacosta.

Assim, as vozes a favor de adiar a celebraçom do Dia das Letras Galegas em homenagem a Carvalho Calero passam a ser clamor popular, e parece já unánime.

 


PUBLICIDADE