O galego que vai chegar

O PGL recupera a segunda parte da editorial do FestAgal nº 10 repartido no passado dia 25 de Julho em Compostela



Muito mudárom as cousas desde entom. No final dos anos 70 e princípios dos 80, a cultura galega dividiu-se em dous bandos que pareciam irreconciliáveis: o de quem dizia que era preciso ter em conta o português para codificar o galego e o de quem confiava à dialetologia a construçom de umha norma culta. Embora parecesse, nom era só um debate filológico. Tratava-se de dilucidar se o galego conseguiria percorrer mais mil primaveras desvinculado ou nom do mundo lusófono. Carvalho e muitos outros e outras intelectuais que entom contavam com pouca idade (entre eles Martinho Montero e José Luís Rodríguez) inspirárom a AGAL e dérom passos significativos para avançar na integraçom na Lusofonia. Entre outros, elaborárom umha norma linguística que, contra todo o prognóstico, continua a ganhar apoios, nomeadamente a partir da universalizaçom da Internet, que multiplicou os contactos dos galegos e galegas com o resto do mundo. Hoje há menos galegos que pensem que a nossa língua se baste sozinha. As necessidades de umha língua som tam grandes e diversas que já há menos gente que defenda que o galego deva ignorar a ajuda do mundo lusófono. Tampouco há quase reintegracionistas que desprezem o trabalho realizado polo ILG para conhecer em profundidade as nossas falas, cada vez mais deturpadas. Ainda bem que temos aquela foto fixa de finais dos anos 70 com que os seus investigadores nos presenteárom. Falta ver como poderemos materializar este reconhecimento mútuo em políticas favoráveis, nom aos diferentes grupos de pressom, senom ao galego. Na AGAL lançamos a proposta do binormativismo. Veremos se serve. Senom, haverá mais.

Eduardo S. Maragoto

Eduardo S. Maragoto

(Barqueiro, Galiza, 1976) Estudou Filologia Portuguesa em Santiago de Compostela, cidade onde participou no sindicalismo estudantil e na fundaçom do Movimento de Defesa da Língua (MDL) através da Assembleia Reintegracionista Bonaval. Entre 2001 e 2006 trabalhou na Escola Oficial de Idiomas (EOI) de Valência, onde participou na constituição de Veu Pròpria (associaçom de novos e novas falantes de catalám) e da plataforma Nunca Mais. Na atualidade trabalha como professor de português na EOI de Compostela. Desde 2006 até 2010 pertenceu ao conselho de redaçom do jornal Novas da Galiza, jornal onde coordenou os trabalhos de correçom e a secçom de Além Minho. Também pertence à Gentalha do Pichel e à AGAL, associaçom que preside na atualidade. É autor do livro Como Ser Reintegracionista sem que a Familia Saiba e co-autor do Manual Galego de Língua e Estilo e dos documentários Entre Línguas, Em Companhia da Morte e A Fronteira Será Escrita.
Eduardo S. Maragoto

Latest posts by Eduardo S. Maragoto (see all)


PUBLICIDADE