Fest-AGAL n.º 10: ‘Pessoa do Ano’



No dia 25 de Julho de 2019, a Associaçom Galega da Língua aproveitou a celebraçom da Festa Nacional par repartir entre o público o seu Jornal, que atingiu este mês o Ano X. A publicaçom foi dirigida pelo Conselho da Associaçom e contou com Colaborações de: Marcos Saavedra, Valentim Fagim, Graciela Lois, Vítor Garabana, Eliseu Mera, Carlos Quiroga, Suso Sanmartim, Gonzalo Constenla, Carme Saborido, Jon Amil, Matias G. Rodrigues, Marta L. Macias e Xico Buguero.

A Diagramaçom correu por conta de Miguel Penas.

fest-agal-pessoa-do-ano-2019

Durante a jornada, a Associaçom repartiu gratuitamente o Fest-AGAL nos diferentes eventos públicos que encheram a capital galega, acompanhada dum cabeçom de Ricardo Carvalho Calero, pessoa do ano e protagonista da capa desta ediçom. O próximo homenageado para as Letras Galegas 2020 saudou e foi fotografado com as pessoas simpatizantes da AGAL, muitas das que também aproveitaram para se fazerem sócias.

carvalho calero 25 julho 2019

Descarregar: FestAgal 2019 ou FestAgal 2019 (versom HD)

Créditos da publicaçom

  • EDITA: AGAL
  • DIREÇOM: Eduardo Maragoto
  • PUBLICIDADE: Marta L. Macias
  • REVISOM: Edu e Val
  • COLABORAÇÕES: Marcos Saavedra, Valentim Fagim, Graciela Lois, Vítor Garabana, Eliseu Mera, Carlos Quiroga, Suso Sanmartim, Gonzalo Constenla, Carme Saborido, Jon Amil, Matias G. Rodrigues, Marta L. Macias, Xico Buguero
  • CAPA: PQ&S
  • DIAGRAMAÇOM: Miguel Penas
  • IMPRIME: Galicia Editorial

Conteúdos

  • Capa comemorativa de Ricardo Carvalho Calero, finalmente escolhido como homenageado para as Letras Galegas do próximo ano, com especial atenção à piada sobre a confusom à hora de escrever o seu nome.
  • Artigo de Marcos Saavedra, Antón Fraguas. Dia das Letras 2019“, em que partilha as múltiplas caras do homenageado deste ano nas Letras Galegas. Segundo as suas próprias palavras, “foi um erudito ao jeito clássico que cultivou grande variedade de disciplinas: da antropologia à etnografia, passando pola geografia, a arqueologia, a arte ou a história”. Saavedra presta atenção sobretudo na obsessom de Fraguas “por registar e conservar a Galiza toda, quer a que esmorecia (a Galiza tradicional), quer a que fizeram desaparecer (a do projeto galeguista)”.
  • Tradicional Saudação do presidente da AGAL, com os textos “2020 ano Carvalho Calero” e “O galego que vai chegar“, de Eduardo Maragoto, nos que celebra a candidatura de Carvalho Calero para o dia das Letras 2020 ao tempo que destaca como “a censura sofrida até hoje acabou por agrandar a sua lenda”. Maragoto também valoriza no seu segundo texto a proposta binormativista lançada desde a AGAL, para a qual se mostra optimista nas expetativas da associaçom.
  • Artigo de Vítor Garabana,Conjugador verbal Estraviz, mais umha ferramenta para a confluência normativa”, em que explica as novas funcionalidades do Estraviz. Garabana repassa as diferentes ferramentas existentes para utilizar com correçom a norma Agal e a norma padrom portuguesa e explica pelo miúdo as diferentes utilidades do dicionário em linha Estraviz, promovido pola AGAL, a AGLP e a Fundação Meendinho.
  • Valentim Fagim, em “Rumo à nossa Galáxia“, apresenta e explica o o projeto coletivo da Associação Galega da Língua e Docentes de Português na Galiza, quem “juntaram esforços para que qualquer pessoa na Galiza consiga desenvolver o seu potencial linguístico e cultural”. O site, já disponível para o público, “conta com recursos linguísticos e dicas culturais para facilitar, ou alicerçar, a passagem do galego local para o galego internacional”.
  • Jon Amil, em “Mais um ano @emgalego”, repassa os fitos digitais do Galitwitter. Desde ‘Sabela já ganhou‘ até ‘Carvalho Calero, te quiere el mundo entero‘, o autor valoriza o papel do consultório linguístico da AGAL em servir como apoio e orientaçom linguística para os utentes desta rede social.
  • Mais Sabela e menos Farinha” é um artigo de Eliseu Mera no que celebra o percurso da concursante das Pontes no certame televisivo, que chamou as vistas da audiência galega e lusófona de cara a .
  • A página 11 deste Festagal está dedicado a “2020 A rede da GaliLusofonia: a cooperação como método, a integração como destino” em que Gonzalo Constenla relata o nascimento e primeiros momentos desta viagem em que vogam mais de vinte naves de ambas beiras do Minho.

“Não nascemos para ficar num plano teórico ou testemunhal, nem para arrebolar as nossas ideias partilhadas contra ninguém. Nascemos para construir, para tentar gerar consensos, para fazermos pedagogia, para chegar cada dia a mais compatriotas, para ganharmos o futuro trabalhando com factos no presente. Nascemos há nove meses e já temos resultados prometedores: parcerias entre concelhos, intercâmbios artísticos, colaborações académicas, presença pública e mais de vinte iniciativas galilusófonas a trabalhar cooperativamente em prol dos objetivos comuns”

  • A seçom Vida Social Agálica dá conta das assembleias, convívios, manifestações e encontros que vivimos na AGAL ao longo deste último ano.

agal-vida-social-agalica

O Seique/Dicen conta a história, aparentemente íntima e privada, de como o tio-avô da própria autora ficou com a herança da sua avó, mas o que parece umha história íntima e privada acaba por ser a história de um horror coletivo vivido por gerações após o golpe de estado do 36.

  • Binormativismo, fai tu mesmo, de Valentim Fagim, propóm um exercício prático na página 19 para comprovar as dificuldades e mudanças que implicaria o binormativismo na sociedade galega.
  • Desde a página 20 até 23, Através Editora colhe o espaço do Jornal para mostrar o novo título da casa, O galego e o português são a mesma língua? Perguntas portuguesas sobre o galego, do jornalista Marco Neves. Fagim entrevista o autor e propóm questons sobre o livro e um debate ainda por abrir em Portugal. Ademais, a editora apresenta em dupla página uma seleçom das suas últimas novidades.
  • E encerramos com uma breve visualizaçom das 9 capas do FestAgal que foram publicadas até o dia de hoje.

Hemeroteca


PUBLICIDADE