Xosé Luís Méndez Ferrín recebe o Facho d’Ouro 2019

A agrupaçom organiza uma ceia-homenagem o dia 14 de Dezembro às 21 horas no Hotel Riaçor da Corunha



xose luis mendez ferrin

A Directiva da Agrupaçom Cultural O Facho decidiu entregar o Facho de Ouro do 2019 ao homem de bem, poeta, novelista, ensaísta, investigador e activista cultural e político, Xosé Luís Méndez Ferrín, como mostra de reconhecimento a toda umha vida dedicada à cultura do País e a loita no processo libertador do povo galego. O acto cívico será acompanhado dumha ceia-homenagem que se celebrará o sábado, dia 14 de Dezembro, às 21 horas no Hotel Riaçor d’A Corunha.

Xosé Luís Méndez Ferrín é hoje um facho referente na defensa da dignidade da Galiza, tanto polo seu empenho a dinamizaçom cultural como polo seu batalhar no processo emancipador do País. Devido a sua actividade política nacionalista e comunista foi encarcerado em três ocasions. No eido literário é umha das figuras mais representativas da literatura galega contemporânea. Assi mesmo foi catedrático de Literatura no Instituto Santa Irene de Vigo e é Doutor Honoris Causa pola Universidade de Vigo.

Para se inscrever e reservar lugar escrever antes do dia 8 de Dezembro indicando nome, telefone ou correio electrónico a [email protected] ou [email protected] .


PUBLICIDADE

  • http://www.madeiradeuz.org madeiradeuz

    «A Directiva da decidiu entregar o do 2019 ao homem de bem, poeta, novelista, ensaísta, investigador e activista cultural e político […]».

    Poeta que leva 14 anos sem novos títulos de poética. Romancista que leva vinte anos sem publicar romance. Ensaísta que leva sete anos sem produzir. Um escritor que vive do passado, igual que no terreno político.

    Mas, bom, premiar trajetórias tampouco é pecado. Ora, qualificar de “homem de bem” um profundo sectário… Melhor digam que “é um prémio porque é amigo meu”, e pronto, aforramos a vergonha alheia.

  • Mário J. Herrero Valeiro

    Lamentável, mais uma vez O Facho. Depois do prémio ao Alonso Montero, repressor eurocomunista, solicitei a baixa da associação, mas a resposta foi o silêncio e continuaram a cobrar a quota. Deixei passar, grande erro. Agora, com o prémio ao repressor estalinista e censor maior do Reino, optei por cancelar diretamente a domiciliação bancária. “Homem de bem”… O que há que ler.