Edição de Scórpio para centros escolares de Padrom



No IES Camilo José Cela com a vice diretora María Xesús Senín.

No IES Camilo José Cela com a vice diretora María Xesús Senín.

Sob o patrocínio da empresa padronense armazéns eladio e promovido pola AGLP e a AGAL, foram distribuídos 300 exemplares de Scórpio em vários centros escolares da comarca de Padrão e concelhos limítrofes: IES Macias o Namorado, de formação profissional, o CPI de Dodro. Eusebio L Baleirón e o IES Camilo José Cela. A oferta será alargada a mais alguns liceus.

A presente edição da Através Editora contou com um epílogo de José-Martinho Montero Santalha, discípulo e especialista no autor homenageado nas Letras 2020, onde explica ao estudantado a obra e a biografia de Carvalho Calero, ambas invulgares.

Desta forma, patrocinadores e promotores contribuem a dar a conhecer a figura do autor num ano marcado pola fatalidade da Covid e a decisão política da RAG, entidade responsável polo Dias das Letras Galegas, de não prorrogar a homenagem até maio de 2021, única forma de possibilitar que o autor fosse abordado nas aulas dado a excecionalidade que criou a epidemia. Os livros serão distribuídos entre as turmas e as bibliotecas escolares.

No IES Macias O Namorado, com o diretor do centro José Luís Carballeda.

No IES Macias O Namorado, com o diretor do centro José Luís Carballeda.

cpi-de-dodro-eusebio-l-baleiron-com-ana-ledo-dpt-de-galego

No CPI de Dodro Eusebio L. Baleirón com Ana Ledo, do departamento de galego.


PUBLICIDADE

  • Arturo Novo

    Adorei! A AGAL e a AGLP necessitam-se mutuamente. São dous paus da mesma baralha. Portanto, deveriam caminhar sempre de mãos dadas. O reintegracionismo não se pode permitir o luxo de estragar esforços. Que sentido tem que estas duas organizações, com distintas funções mas com o mesmo alvo, caminhem cada uma pola sua conta? Assim não vamos a nenhures. Possibelmente não todo o reintegracionismo colha dentro da AGLP, mas sim todo o reintegracionismo deveria colher dentro da AGAL. Se somos reintegracionistas, todos somos necessários, assim que em consequência tampouco deveriamos excluir a ninguém. Quando menos haveria que intentá-lo. Se travalhamos pola união, unidos remataremos; pola contra, se travalhamos pola desunião, desunidos continuaremos. Que é o melhor?