Opiniom

  • A justiça: O calcanhar de Aquiles do nacionalismo galego e da esquerda por todo lado

    Uma reflexão incitada pelo caso do Secretário do PSdG Besteiro[1] e pelo golpe de estado modelo século XXI que se vive no Brasil. A Justiça é um dos poderes do estado, desde que Montesquieu no seu Livro o Espírito das Leis, concebeu a modernização dos estados como um processo onde os poderes executivo, judicial e […]

  • Isto não é português

    Magritte dotou o surrealismo duma carga conceitual baseada no jogo ambíguo entre as imagens e o seu significado designado através das palavras. A pintura pula assim por uma redefinição duma palavra que, parece, está em discordância com o objeto que representa. Noutras palavras, esta confusão provoca uma revista de todos os significados, estereótipos e clichês inerentes na palavra “cachimbo”.

  • A cor do abismo

    Um bichinho vermelho, diminuto, com suas patinhas invisíveis vai atravessando a folha em branco na que eu tanto queria escrever o meu poema…

  • O 25 de Abril além dos capitães. Autonomia e autogestão

    José Hipólito Santos, veterano ativista do movimento cooperativista e já conhecido entre nós polo seu anterior livro sobre o LUAR, vem de pôr luz sobre a cara mais anónima do 25 de Abril, essa que nem reivindicam nem formalizam como História os partidos de esquerda. Sem mestres, nem chefes, o povo tomou a rua. Luta dos moradores no pós 25 de Abril…

  • Um mais um, não são dous

    Acho que, passadas já várias décadas deste proceder, nem é preciso insistir muito em que a adopção da ortografia espanhola contribuiu significativamente para a descaraterização fonética, léxica, morfológica, sintática, etc… do galego, mesmo entre os falantes presumidamente mais conscientizados e atentos.

  • O debate sobre a liberdade de expressão

    A liberdade de expressão é um direito protegido pola Declaração Universal dos Direitos Humanos e polas constituições de vários países. Em todas elas existem também restrições.

  • Desde a Galiza, uma achega a Pompeu Fabra i Foch

    Sem Pompeu Fabra, a situação da língua catalã pode que não estivesse tão afastada da situação que vivemos na nossa Língua nacional na Galiza.

  • Língua materna?

    Qual será a minha língua materna, a língua da minha mãe ou a língua que me falava quando menino? E isto aconteceu por que?

  • A monarquia em Bodino e Rousseau

    Historicamente, a concepção da monarquia evolucionou com o conceito de soberania, e, por tanto, temos que começar falando um pouco desta.

  • Onde o mundo se chama diáspora

    Toda a gente sabe que houve uma grande emigração de galegos a Euskal Herria e que há centros galegos em Barakaldo, Eibar, Ermua, etc. Só temos de ir a Matiena para encontrarmos uma praça chamada “Praça de Galiza”.