Opiniom

  • O Santo dos Eucaliptos

    Há duas aldeias chamadas Rosende na comarca de Ordes e, aliás, estám bastante pertinho umha da outra, umha na freguesia de Campo e outra na de Chaiám. Há, também, um rego de Rosende, no linde entre Traço e Benza. Trata-se, mais umha vez, dum topónimo formado a partir dum nome germánico de possessor. As de […]

  • Votar em

    As pessoas galegófonas fomos abençoadas nas últimas semanas. Quem se importar com a língua tem visto como nos últimos anos os apoios institucionais foram dizimados nas escolas e outros organismos. As associações que têm a língua como foco sabem disto. Mas nestes dias houve uma volte-face, pequenos gestos que fizeram a diferença. Sabela, uma cantora […]

  • Um telhado a duas águas

    As diferentes políticas de língua que governo ou diferentes agentes sociais costumaram desenvolver realizam atos e criam realidades de diferente teor e profundidade. Sabemos que tudo é enriquecedor mas reconhecemos também as diferenças evidentes entre um tipo de propostas de promoção da língua e outras. Algumas propostas ou campanhas são menores e de mudanças individuais […]

  • Veem ou vêm?

    Estamos a escrever e temos estas dúvidas com os acentos? fazemos confusão entre uma forma verbal e a outra? Este artigo pode fazer a diferença. Na passagem do latim ao romance, muitas consoantes mediais que estavam entre vogais desapareceram ou viraram mais fracas, dando lugar a muitos hiatos. Alguns deles fizeram uma crase e outros […]

  • A importáncia da força do focinho

    Na mitologia germánica e nórdica Freyr (ou Fro), junto com a sua irmá Freya, eram os deuses da fertilidade, razom pola qual ele era representado nas estátuas com um enorme pénis ereto. Freyr, aliás, acostumava deslocar-se num carro movido por dous singulares animais de tiro aos que se acha associado: os porcos bravos Slidrugtanni e […]

  • Hostilidade aos usos formais do galego e poder simbólico

    Dous subgrupos sociais, de diverso perfil sócio-económico e diametralmente opostos nos seus usos linguísticos convergem no rejeitamento ao que julgam políticas de imposição do galego. Identificam-se com facilidade em artigos, declarações, manifestos e manifestações que, mais do que propor um status para as duas línguas de circulação maioritária na Galiza (provavelmente sentem-se relativamente à vontade […]

  • O Galeguismo e Vox

    “Não existe bom e mau, é o pensamento que os faz assim” (Hamlet – William Shakespeare) Desgraçadamente a humanidade ainda vive muito ancorada às dinâmicas de guerra – concorrência, por uma determinada hegemonia. Não é motivo deste artigo analisar esta senda de dor, percorrida desde a noite dos tempos, mas enquanto não tenhamos a capacidade […]

  • Eu fiz? eu fez*? ele estive*? ele esteve?

    Como hoje é o Dia das Bruxas e amanhã Todos os Santos, vamos com coisas que me fazem arrepiar: que o Ç apareça antes de um E ou um I. Nãaaaaoooo, horror! Sabem que Ç apenas pode ir com A, O ou U: caçar, poço, açúcar. erros na conjugação da P1 e P3 do Pretérito […]

  • De caçadores caçados e ursos regicidas

    Mapa de Bermui, em Bascói, Messia Apenas há rasto toponímico do urso na Terra de Ordes, nom sendo, quiçá, umha Pena da Usa –elevaçom de 482 m. entre a freguesia de Vila de Abade e o concelho do Val do Dubra[1]– e, de maneira indireta, no lugar de Bermui, em Bascói. E é que este […]

  • O apelido LOURO

    Voltamos à Fraga de Ardemil, cabo da extensa família dos sensacionais irmaos Louro Raposo, músicos e combatentes antifranquistas, para aprofundar no primeiro dos seus apelidos, mui frequente também na vizinha freguesia de Buscás e presente no sector do hotalaria na vila de Ordes. Se for um apelido de origem toponímica, em Ardemil tam-só aparece umha […]