Bravo por Greta Thunberg!



Grandes iniciativas ficam se desativadas se não surge um ou uma líder que aglutine as vozes dispersas e lhe dê o eco que precisam para calar na opinião pública e converter-se num movimento de massas, único jeito de incidir nas consciências e propiciar um câmbio de tendência no organismo social.

A luta contra o câmbio climático é o problema mais importante com o que se enfrenta a humanidade nos nossos dias porque se o planeta se volve inabitável todo o demais sobra, e surpreende a lentidão com a que se tomam as medidas precisas para deter essa deriva cara ao precipício da que vem insistindo a ONU desde faz já algum tempo. Num informe desta organização de data 15/03/2019 declara que o 95 por cento da população mundial vive numa nuvem tóxica, e, portanto, respira ar contaminado. Alerta que se não se incrementam drasticamente as proteções ambientais poderiam produzir-se milhões de mortes prematuras, cara ao ano 20150, nas cidades de Ásia e África, e insiste em que cumpre transitar cara a um desenvolvimento sustentável.

” 95 por cento da população mundial vive numa nuvem tóxica, e, portanto, respira ar contaminado”

O reto ao que nos enfrentamos é de primeira magnitude e continuamos caminhando a passos de tartaruga para remediar a hecatombe. A isto há que acrescentar a grande insensibilidade das elites econômicas e políticas, especialmente de países como os EEUU de América em que a Administração Trumpo se dedica a negar o problema e pretende que os outros países corram com o custo dum problema criado, em grande parte, precisamente por ela, por ser este país o segundo maior contaminante do planeta. As elites oligárquicas, por uma parte, fazem negócio a custa da venda de combustíveis fósseis que inundam a atmosfera de CO2, NO2 e metano (CH4), que é um gás que atrapa 20 vezes mais o calor que o dióxido de carbono, e pola outra, beneficiam-se da luta contra o câmbio climático que realizam os demais.

A solidariedade inter-geracional é um conceito básico em ética, porque não é correto fazer o que à geração atual lhe acomode e às vindoiras que as parta um raio. Assim como não podemos desentender-nos dos que hoje o passam mal, tampouco podemos deixar-lhe às gerações futuras um mundo inabitável. Outro princípio que deveria abrir-se passo com presteza é o câmbio de mentalidade sobre o mundo que nos rodeia: mineral, vegetal e animal infra-humano. A ética tem que ser global ou não é nada. Os vegetais fazer possível a vida na terra e os animais são seres sencientes que são os nossos companheiros de viagem. Isto implica que é um atentado contra eles tratá-los como meros instrumentos do nosso prazer e dos nossos passatempos. A caça, as corridas de touros e as pelejas de cães e galos colidem com uma consciência ecológica lúcida e respeitosa com os direitos dos animais, especialmente dos sencientes. O cuidado das árvores, a preocupação polo equilíbrio dos elementos que constituem o meio ambiente e, consequentemente, a luta contra a degradação do solo, a contaminação, o consumo excessivo de auga, a degradação da atmosfera e a preservação da biodiversidade constituem também o eixo básico duma ética ecológica.

Entre as medidas que propõe a ONU figura a diminuição do consumo de carne, porque a cria de gado produz anualmente uns 115 milhões de toneladas de gás metano nos processos de nutrição animal. O simples eructo duma vaca produz entre 80 e 120 quilos de metano ao dia, devido a que têm no intestino baterias que o produzem na fermentação do processo de digestão.

A sensibilidade das pessoas continua sendo deficiente, incluso de pessoas que lecionam aulas e que pola sua profissão estão obrigadas a formar-se uma ideia desta ameaça para a humanidade. Foi especialmente sintomático que todo um catedrático de física, coirmão do anterior presidente do governo negasse o câmbio climático pretextando que se não podemos predizer o tempo que faz amanhã, como imos saber se existe câmbio climático? Em base a esse negacionismo de todo um catedrático de física, Rajoy sentenciou que “o câmbio climático tampouco o podemos converter no grande problema mundial”.

A nível político não se tomam as decisões necessárias para preservar o planeta vivo com a rapidez que seria de desejar. Os políticos, tendo em conta que o movimento dos coletes amarelos na França se desencadeou como protesta contra um imposto ao carbono, não se atrevem a tomar as medidas precisas para procurar deter os efeitos perversos do câmbio climático: secas e inundações mais frequentes, ciclões, suba dos níveis da auga dos mares, perda de biodiversidade,… Entendo que, em realidade, a luta na França, que depois se estendeu a outros países europeus, não se deve tanto ao imposto citado senão à situação de precariedade dos trabalhadores europeus que não são capazes de levar uma vida digna, ao tempo que as elites econômicas amassam a cada passo mais dinheiro com a cumplicidade dos seus corifeus políticos. A gente assume normalmente as medidas necessárias para deter o desarranjamento do clima e do meio ambiente, mas exigem que as oligarquias também façam sacrifícios.

“A gente assume normalmente as medidas necessárias para deter o desarranjamento do clima e do meio ambiente, mas exigem que as oligarquias também façam sacrifícios”

Os governos do PP foram especialmente insensíveis na luta contra o câmbio climático. Implantaram o imposto ao sol para beneficiar as elétricas e não tomou nenhuma medida para implantar os veículos elétricos. Na Galiza, paralisaram o concurso eólico que atrasou o desenvolvimento das energias renováveis, enviando-lhe uma mensagem errônea à cidadania. A política florestal é insatisfatória porque fomenta a implantação intensiva de espécies pirófilas, de plantas que favorecem os incêndios florestais.

O governo espanhol do PSOE deu-lhe um impulso à luta contra o câmbio climático: eliminou o imposto ao sol, anuncia medidas de encerramentos das centrais de carbono e também obrigaram que as gasolineiras instalem carregadores de baterias para veículos em 2020, mas não foi capaz de aprovar o decreto sobre contadores individuais de calefação apesar de ter o projeto preparado desde o mês de setembro de 2018. Suponho que será por medo a que aqui se estenda o movimento dos coletes amarelos. Isto impede que as comunidades de vizinhos não se decidam a tomar medidas de eficiência energética, por aquilo de que é melhor esperar e ver como queda.

Greta Thunberg

Greta Thunberg, uma mocinha sueca de 16 anos, diagnosticada como com o síndrome de Asperger, que se engloba dentro do Espectro de Transtorno Autista, que, no seu caso se carateriza por ver o mundo em branco e negro, ter dificuldade para fingir e mentir e desinteresse polos jogos sociais, converteu-se no ícone da luta contra o câmbio climático. Desde agosto de 2018 vem protagonizando greves todos as sextas feiras, e logrou que a sua sensibilidade se estenda-se já aos moços e moças de muitos países. Em mais de 270 cidades já se produziram manifestações secundando os seus objetivos. Não podemos por menos de transmitir-lhe os meus parabéns, ademais de pola sua inteligência e serenidade na exposição, por ter aglutinado uma parte significativa da juventude mas sensível dos nossos numa luta que merece a pena, porque é uma luta polo bem-estar da sua geração e das que lhe sucederão. Este despertar juvenil por uma causa justa e vital para o porvir do planeta, une-se ao despertar das mulheres para lograr a igualdade de direitos a nível social com o varão.

Ramom Varela Punhal

Ramom Varela Punhal

Nascido em Carvalho em 1942. Estudoi Teologia na Universidade Pontifícia de Salamanca, e Liturgia no Instituto Superior de Pastoral, em Madrid; Filosofia na Universidade de Pamplona e Filosofia, Psicologia e Organização do Trabalho na Universidade de Lovaina, Bélgica. Doutor em Filosofia pela Universidade de Santiago. Catedrático de Filosofia reformado.
Ramom Varela Punhal

Latest posts by Ramom Varela Punhal (see all)


PUBLICIDADE