Todos os artigos de Maria Dovigo

Nasci na Crunha em 1972 e vivo desde 2000 em Portugal. A minha formação é a Filologia, exerço a docência e sou poeta por vocação. No labor criativo ligo a minha vontade de intervenção cívica com a convicção de que a criação é a verdadeira natureza do ser humano. Colaboro com diferentes associações do espaço lusófono, tecendo redes de afetos e projetos à volta da vivência da língua portuguesa. Sou académica de número da Academia Galega da Língua Portuguesa.
  • Híbrida

    A Galiza, entendida como uma coletividade ligada a um território e à cultura criada em diálogo com este, não é só as suas certezas, também é as suas incertezas, as suas possibilidades, os caminhos não trilhados.

  • Estratégia internacional. Política internacionalista

    Uma reflexão de Maria Dovigo sobre a língua nos distintos territórios da lusofonia a partir do livro “Políticas linguísticas em português”.

  • Galiza é uma nau. Mulheres e língua

    Maria Dovigo analisa a substituição linguística na Galiza, do ponto de vista das mulheres, e o seu correlato ortográfico.

  • Para além de nós

    Uma reflexão de Maria Dovigo sobre a língua através da sua própria história pessoal como leitura e através da nossa própria história como povo.

  • Pensar com as mãos

    Maria Dovido escreve sobre o desprezo pelo saber manual “que é nesta hora da história de Ocidente, também um desprezo pelos velhos e a nossa herança.”

  • Fascismo nunca mais

    Catarina Eufémia foi assassinada no decurso duma greve em 1954, tinha na altura vinte e seis anos e três filhos, hoje tornou-se um mito da resistência.

  • Língua literária do meu povo

    Uma reflexão de Maria Dovigo sobre a língua através da sua própria história pessoal como leitura e através da nossa própria história como povo.

  • A ordem do mundo

    Lembranças, política e historia, a história de todas. Através dum momento da vida diária, Dovigo surprende a vida num momento neste novo ‘Mar de fora’

  • Para outro diálogo galego-português

    Perante o atual estado de coisas, Maria Dovigo analisa a encruzilhada simbólica na estão galegas e galegos no seu diálogo com a Lusofonia.

  • Andrade

    Dovigo viaja à história dos Andrade e valoriza a sua achega na construção do significado político da Galiza.