Todos os artigos de Carlos C. Varela

  • Genealogia do Vilar

      O erudito eumês Millán González-Prado estudou com detalhe a evoluçom semántica da palabra galega “vilar”, generadora de muitos topónimos no Reino medieval da Galiza[1]. Na comarca de Ordes achamos lugares chamados Vilar –sem artigo-, nas freguesias de Cerzeda, Mercurim, Messia, Castenda da Torre e Campo, e O Vilar –com o artigo- nas de Ordes, […]

  • Tabernas que nom faltem!

    “Todo homem passou noites com amigos fascinantes em torno a umha boa mesa, quando as personalidades se abrem como flores tropicais. Cada um era mais do que nunca um próprio, cada um era umha deliciosa caricatura de si próprio. Quem tenha conhecido tais noites entenderá Pickwick; os demais nom se divertirám com ele nem, segundo […]

  • Ouveios suevos

    Em praticamente todos os nomes de lugar que rematam en –ulfe ou –ufe, ressoam os últimos ouveios dos suevos, já que som topónimos que se devem à antiga palavra germánica wulf ‘lobo’, e se encontram concentrados na Península Ibérica quase exclusivamente no território do antigo Reino da Galiza. O étimo resulta hoje mais do que […]

  • A dignidade do País do Navo

    Há em Albijói um lugar chamado Novás e ainda, na microtoponímia, umhas terras de nome o Noval entre as paróquias de Leira e Buscás. Nom está de todo claro o seu significado, pois poderiam-se referir a duas cousas diferentes. A primeira seria que o tal noval venha do latim novale, derivado de novu ‘novo’, no […]

  • Pam, cravos e desordens

    para Patricia do Zapateiro da Portela A Portela de Leira é a aldeia vizinha de Loureda, famosa sobretudo polo pam, empadas, roscas e doces da Panadería Fontán, a antiga Casa do Zapateiro, que reparte por muitas paróquias da comarca. O topónimo, bastante frequente na área lingüística galego-portuguesa (os dous núcleos mais grandes com este nome […]

  • Pam velho, pam de festa

      Voltando ao Casal, Gustav Henningsen gravou ali, no 22 de dezembro de 1965, umha regueifa cantada por Manuel Vilariño García, quem entom tinha 38 anos, e que di assim: Deixa-m’acheghar adiante, qu’aqui estou um pouco atrás, qu’aora vai empezar a cantar este rapás.   Este rapaz, rapazinho, é-vos moi pequerrechinho: se queredes saber quem […]

  • O apelido BARBEITO

    Num excesso de otimismo afirmava Valeriano Villanueva, autor do apartado de “Agricultura” da Geografía General del Reino de Galicia, que: “El maíz y la patata hicieron desaparecer el barbecho en Galicia mucho antes que dejase de usarse esta forma de cultivos en los países más adelantados de Europa, y hoy en toda la región gallega […]

  • As aldeias das leitoras (VII): Friám

    Plano de Friám, na paróquia de Marçoa, concelho de Oroso Ao começar a investigar a toponímia da comarca o companheiro Manolo Paços perguntou polo significado do topónimo Freám ou Friám, na sua paróquia, Marçoa, que nom aparece no Nomenclátor, mas si nos mapas do IGN[1], assim como do microtopónimo associado Fraga de Freám. Ainda, há […]

  • Alguns homens duros…

    Antes de que no século XVIII a atual estrada da Corunha a Tui deslocasse a capital da paróquia para o Mesom do Vento, era o Caminho Inglês a principal artéria da freguesia de Sam Pedro de Ardemil, cujo nome vem de umha vila altomedieval propriedade de um senhor da terra de nome germánico Ardemirus, seguramente […]

  • As aldeias das leitoras (VI): O Casal

      Mapa do Casal de Ordes Fernando Carril, quem já tem visto londras na presa da estaçom da Pontraga e no regato de Leobalde quando vai pescar, e que nos descobreu o formoso microtopónimo da Fonte do Gato, no Valado de Ordes, pregunta polo significado do topónimo e apelido de Casal, igual que Daniel Gómez […]