AD LIBITUM

O 31 de outubro: día da Reforma



Cada ano que pasa, desde 1517, celébrase no mundo protestante o chamado día da Reforma. Se lles son sincero, non imaxino a Lutero cravando aquelas 95 teses na porta da igrexa de Wittemberg, pero o que sí foi certo é que alí apareceron e comezou un debate que sempre se resolvera enérxicamente coa excomunión ou coa morte. Por iso penso que pouca importancia ten que fose Lutero, ou outro discípulo mandado por el, o que puxese no taboleiro de anuncios semellante denuncia. O propio autor das teses afirmaba anos despois “Opúxenme ás indulxencias e aos papistas sen empregar a forza. Só ensinei, prediquei e escribín a Palabra de Deus e nada máis. E mentras durmía ou bebía cervexa cos meus amigos Melanchton e Nicolás, a Palabra de Deus incomodaba moito ao papado. Eu non fixen nada, a Palabra fíxoo todo”. Certo é que todo ten o seu tempo e os tempos non son nosos. Moitos antes de Lutero tentaron levar adiante unha Reforma e non viron cumprido o obxectivo, poren serviron de referencia para outros momentos na historia. Estou a pensar en Prisciliano morto en Tréveris, Juan Huss queimado na fogueira en Bohemia, Isabel de la Cruz (franciscana), prendida pola inquisición por ofrecer a Biblia ao pobo e un longo etcétera de voces silenciadas.

Este ano, mentras moitos celebran o Samain ou o Halloween estadounidense, quero centrarme na razón de Lutero de elexir o día 31 de outubro para facer público o seu pensamento.  A data non foi elexida ao chou. Trátase do día anterior ao celebrado “ día de todos os santos” que ten as súas oríxes na igrexa primitiva, conmemorando a morte dalgún martir. Foi o papa Gregorio IV que no s IX declarou o 1 de novembro coma ese día de celebracións. Lutero sabía que nesa altura había máis movemento que noutros días, pois o que celebraban os católico-romanos era a santificación dos difuntos despois de deixar o purgatorio. A festa non era somentes para os santos canonizados, senon para todos aqueles que polas indulgencias deixaran o chamado “estado intermedio”. A Biblia non fala do purgatorio, e aínda que a maioría dos teólogos católicos xa non acredita nesta doctrina, segue coexistindo co chamado limbos dos xustos. A única referencia posible, agoniza nunha exégesis forzada dun libro deuterocanónico coma o de Macabeos. E deste modo Lutero arremete sen rubor, coa autoridade da Biblia ao mercado das indulxencias, o día anterior á festa romana. Hoxe en día, moitos fieis seguen a esperar que se aplique o Concilio Vaticano II. É o caso de Hans Küng, que falando da Reforma dí: “O ponto de partida da empresa reformadora de Lutero non foron os abusos da igrexa, nen o tema da igrexa, senon o tema da salvación” . “Lutero topou a resposta na epístola de Romanos: O xusto vivirá pola fé”. A salvación é un regalo de Deus e Küng destaca que Lutero descobre na Biblia como Deus xustifica ao pecador sen que este o mereza. Por graza a través da fé.

ste ano celébrase en moitas partes do mundo o día da Reforma, no que a Biblia ten unha parte fundamental. Por iso, lembrando que hai 450 anos que temos a Biblia do Oso, a primeira traducción completa ao castellano, a Sociedade Bíblica de España ten programado celebrar na nosa cidade, todas estas efemérides. Unha iniciativa máis para que todos coñezan esta xoia que nos achegou a Reforma.

José Luís Fernández Carnicero

José Luís Fernández Carnicero

Nasci o 9 de Março de 1967 em Ourense. Estudei Educação por Ciências e sou especialista em Música por concurso público. Ademais acabei a Licenciatura em Ciências Matemáticas com a especialidade de Estatística e Investigação Operativa na UNED. Como curso de mestrado tenho o título de experto Universitário em Modelização de Riscos em Entidades Financieiras. Escrevo em vários diários da Galiza. Sou mestre de Educação Musical no CEIP Calvo Sotelo (Carbalinho) e membro da Junta Diretiva da Sociedade Cultural O Liceo de Ourense.
José Luís Fernández Carnicero

Latest posts by José Luís Fernández Carnicero (see all)


PUBLICIDADE

  • Ângelo Cristóvão

    Muito interessantes estas referências à Igreja da Reforma. É de lamentar o desconhecimento que as novas gerações têm da história religiosa, ou das religiões.

    Obrigado também por lembrar a primeira tradução completa da Bíblia ao castelhano. Ora bem, parece mais lógico citar as traduções à nossa língua, que é o galego, também chamado português. A primeira foi de João Ferreira de Almeida, presbiteriano, no século XVII. Porém só em 1753 viria a ser impressa pola primeira vez, provavelmente em Amesterdão. https://pt.wikipedia.org/wiki/Tradu%C3%A7%C3%B5es_da_B%C3%ADblia_em_l%C3%ADngua_portuguesa
    As traduções parciais para o alemão começam no século XIV com Magister Eckardus, e só com Lutero viriam o texto completo o que, por sua vez, marcou o modelo do alemão padrão. Na Galiza, a primeira tentativa conhecida de tradução parcial é do período do reinado de José Bonaparte. Chegado o Concílio Vaticano II, o regime político espanhol e a colaboração da Igreja levou a substituir, na missa católica, tanto no rito como na liturgia, o latim polo castelhano, chegando finalmente essa língua a ouvidos da quase totalidade dos cidadãos. Foi um fortíssimo factor castelhanizador, antes do acesso maciço à rádio e à TVE.

    Um ‘efeito colateral’ dá nas vistas ou nos ouvidos de quem quer ver e ouvir. Nas zonas que ainda não utilizávamos o “zetacismo”, a missa foi o primeiro contato com essa pronúncia. Chegaram depois, na década de 1980, os professores de galego, bem doutrinados com as ideias linguísticas do ILG, para rebitar o cravo, já que também no galego do ensino oficial o “seseo” é um “fenómeno local”. Igualzinho que os professores de língua espanhola. Atualmente a pronúncia tradicional, que nos identificava como lusófonos, já é residual nas gerações novas. Bastaram poucas décadas.

    Seria razoável fazer alguma reflexão e tirar alguma lição deste erros. Porém é iluso pensar que vai haver um mea culpa público. No caso do galego, os responsáveis por este desastre não se sentem aludidos.

  • http://www.joseluisfdezcarnicero.blogspot.com Jose Luis Fernandez Diaz

    Caro Ângelo:
    As referências ás igrejas da Reforma sao de interés histórico. O obxectivo deste artigo é que a gente pense. Que busquen por eles mesmos a certeza que se pode atopar na Biblia. O crer vem pola fe e esta pela Palavra de Deus.
    En relaçao á fabulossa Biblia de Joao Ferreira de Almeida, é moi posterior, coma voçe sabe, á Biblia do Urso. Todos lle deben muito ao bulto Erasmo de Rotterdam, máis poucos o reconhecem. En España tamem houbo loita por traducir o novo testamento. Entre os traductores estam Francisco de Encinas 1543, Juan de Pineda,1556 até chegar a Casiodoro de Reina.
    Quizais fose de interés que os especialistas en portugués verifiquen se a Biblia de Almeida influiu no koiné da lingua en Portugal.
    Abraço

  • http://www.joseluisfdezcarnicero.blogspot.com Jose Luis Fernandez Diaz

    Disculpe a tardanza em responder e as gralhas ao escreber