Vídeo: “Uma terra, um povo, uma fala e duas normas para grafá-la”



 

Vídeo do 25 de julho de agá[email protected]

“Uma terra, um povo, uma fala e duas normas para grafá-la” foi o lema da campanha do “Binormativismo”, focada em explicar à sociedade galega o interesse de uma futura política binormativista semelhante à que desfrutam na Noruega.

O mesmo, foi impresso em diferentes normas, galegas e norueguesas, nas camisolas que vestimos este 25 de julho para continuar com o já tradicional reparto do Fest-AGAL que, junto com a banca da Através Editora, fizeram parte das nossas atividades associativas nessa data.


PUBLICIDADE

  • Venâncio

    Desculpai se interrompo o vosso sonho.

    Quando usais “a outra norma” para grafar o Galego, saem-vos a gramática e o léxico do Português. Eu começo ‒ haleluia! ‒ a acreditar em milagres.

    • Venâncio

      Séculos a fio, o Português foi-se afastando do Galego, adoptando uma morfologia , uma fonologia, um léxico e uma pragmática que de modo nenhum estava nas expectativas daquela norma nítida e sólida, como era a do Galego.

      E vós ides a correr, submeter-vos a todas essas fantásticas novidades, e tendo a coragem de continuardes a chamá-lo Galego. Algo de sobrenatural se imiscuiu nas vossas mentes, e isso é deveras da ordem do milagre.

      • Not a Troll

        E tomba e dá-lhe. Que vara dá o Venâncio meu Deusinho. Era melhor gastar o seu tempo em dar a vara aos pepeiros e resto de políticos que nom garantem ensino 100% na Galiza em 2018. Nom quer explicar-lhes a desgaleguização do português e o apagamento lisboeta do nordestino? Acô no canhoto esse já temos roido avondo.

        • Venâncio

          Respondi a “Not a Troll”. Vejo que o meu comentário desapareceu. Belo serviço. PGL!

          • Venâncio

            Ah, ah! Terá sido por eu escrever, por extenso, que “passo a put* da minha vida” explicando exactamente “a desgaleguização do português e o apagamento lisboeta do nordestino” (aliás, noroestino).

            Se assim tiver sido, fico ciente, PGL, do teu puritanismo e da protecção que dás aos encapuzados. Quem ataca e se esconde, como esse “Not a Troll”, merece linguagem aberta.

  • Ernesto V. Souza

    Pessoal,

    [Digo isto como responsável do PGL.]

    Essa linguagem, por parte de anónimos não é permitida no PGL.

    1º O Troll fica advertido. Os anónimos não podem empregar nos comentários essa linguagem desqualificatória contra autores ou comentaristas, para isso é preciso um nome e apelidos que sustentem. Uma mais e será banido.

    2º E, mais uma vez… Essas perspicácias contra o PGL são descabidas. Ninguém no PGL censura comentários de usuários reconhecidos, ninguém tem tanto tempo como para ler e analisar… e a política a respeito é que cada pau que terme da sua vela e das suas palavras… sempre que as assine.

    Porem, quando alguém usa certas palavras, entre elas m*rd* ou p*t*, o DISQUS (a ferramenta que gere os comentários) não admite, e o comentário não aparece. Por vezes fica em suspenso em moderação (como neste caso) e podemos aprovar. Outras nem isso.

    Têm de desculpar, mas nem sempre posso estar atento a tudo, não sou Argos, nem me pagam na AGAL por este trabalho.

    • Venâncio

      Compreendo perfeitamente, caro Ernesto. Obrigado.