Sheila Dorrego: “A presença do reintegracionismo nos meios de comunicaçom deveria ser mais palpável”



 

sheila-dorrego-2Sheila Dorrego é tominhesa. Interessou-se polo reintegracionismo em adolescente a gora mora em Barcelona fazendo parte da ampla comunidade agálica da cidade condal. O trabalho de mestrado versa sobre a perceçom que sobre o turismo existe na Raia Húmida. É ativista no local social Fuscalho, da Guarda e reserva para Galicia Bilingüe em 2040 uma tarefa diferente da atual.

 **

Sheila Dorrego é paleofalante, de umha paróquia de Tominho. Que notas de diferente entre as crianças da tua infância e as atuais no que diz respeito da língua?

Eu medrei numa comunidade galegofalante em que o raro era escuitar as crianças a falarem espanhol; no entanto, o papel do infantário foi principalmente castelhanizador. De facto, nom lembro a presença do galego nos jogos nem nas atividades escolares. Na atualidade, a maior parte das crianças da paróquia falam espanhol e falo duma paróquia de uns 500 habitantes. Acho que a presencia do galego, tristemente, passou a ser episódica.

Tominho confina com Portugal. Qual a presença da sociedade portuguesa no teu concelho natal?

Tradicionalmente as relaçons vinham ditadas pola economia, o contrabando faziam parte do dia a dia. Com a entrada dos dous estados na Uniom Europeia, a normalizaçom das relaçons tornou-se mais fluida. Pessoalmente, considero-as artificiosas, como um intercámbio superficial. O município conjuntamente com Vila Nova de Cerveira esta a desenvolver as que agora estão tam na moda Euro-cidades, através do fomento de atividades culturais em comum e de eventos desportivos entre as crianças. Espero que o trabalho que estám a realizar as duas cámaras municipais nom vaia encaminhado ao “trenecito Chu-chu” que encontramos por Salvaterra-Monção ou Tui-Valença.

Qual e quando foi o teu primeiro contacto com o reintegracionismo? Como foi o processo até abraçares o lado escuro da norma?

Lembro que caíra nas minhas mans um livro escrito em reintegrado no escola, nem lembro qual, perguntara ao mestre de galego a que se devia aquela mudança na escrita e a sua resposta fora como se se tratasse de umha cousa de loucos. Anos mais tarde umha mestra sim que nos falou da AGAL, mas, como uma questom secundária e nom seria até chegar a Compos que começaria a me familiarizar com o reintegrado. Verdadeiramente só levo um par de anos detrás da linha amiga e aqui, em Barna, explicar o da existência de dous padrões de língua torna-se bastante curioso

 

Sheila fai parte da extensa comunidade agálica em Barcelona. Por que escolheste Barcelona para desenvolver a tua carreira profissional?

A escolha de Barcelona deveu-se a que me sentim atraída polo mestrado, também queria saber que era isso de viver numha cidade inabarcável de ponta a ponta caminhando.

O teu trabalho de mestrado versa sobre a perceçom que sobre o turismo existe na Raia Húmida. Quais as linhas mestras da pesquisa?

Ainda que pareça um pouco estranho vir ao outra ponta da península para fazer um trabalho sobre a Raia Húmida, acho que o raizame sempre me leva de volta para casa.

A Raia Húmida é um espaço natural, histórico e cultural admirável, mas apenas há umha perceçom global sobre ela. O trabalho indagou sobre as diversas plataformas turísticas ou plataformas euro-regionais que editaram material turístico sobre esta regiom. Por outra banda, realizei inquéritos a gente local com o fim de conhecer a perceçom sobre o património e o valor que lhe outorgavam; e entrevistas a concelheiras, técnicas de turismo… com o fim de conhecer a sua sensibilidade sobre o meio.

 

Sheila é ativista no local social Fuscalho, da Guarda. Depois de cinco anos de existência, que valorações farias do seu percurso vital?

Nestes anos, o Fusca visibilizou o reintegracionismo na Guarda, promoveu atividades anticarcerárias e transformou-se num espaço autogerido de referência no Baixo Minho. Valoro mui positivamente a atividade que as compis estám a realizar na Guarda. O Centro Social percorreu já 5 anos e nom é singelo continuar com a vontade, nom sei moi bem como mas sempre estám ao pé do canhom. Contudo, sempre estamos abertas a novas achegas e a novas incorporaçons, sentindo-me um pouco “Tio Sam”, afiliai-vos, quantas mais melhor!

Por onde julgas que deve caminhar o reintegracionismo para avançar socialmente?

Chegárom as perguntas difíceis! A presença do reintegracionismo nos meios de comunicaçom deveria ser mais palpável. Sei que é um campo bem complexo quando os meios de comunicaçom de massas da Galiza estám ocupados por meios em que a língua veicular é o espanhol.

 

Como gostarias que fosse a “fotografia linguística” da Galiza em 2040?

Em 2040! Nom som capaz de imaginar onde pararei o vindeiro ano e me perguntades pola língua, nem mais nem menos dentro de um feixe de anos…

Dentro da utopia, imagino uma Galiza na qual nom exista a diglossia, que a normalidade do emprego do galego fosse tam fluída que plataformas como Galicia bilingüe se refira à defesa dos animais de língua dupla, assim como as cobras (verdadeiramente nom andam mui longe).

Conhecer o idioma sem interferências doutros e estar integradas de uma vez por todas na lusofonia.

É possível que deixe muitos elementos atrás, mas se começo a puxar do fio de 2040, talvez nom acabe.

sheila-dorrego-1

Conhecendo Sheila Dorrego

Um sítio web: Sempre me surpreendem os conteúdos. http://www.gciencia.com/

Um invento: o aquecedor de agua.

Umha música: ultimamente Omiri nom me para de ressoar na cabeça. Como constante, Paco Ibáñez.

Um livro: Homenagem a Catalunya de Orwell, já seja por estar morando em Barna. Persépolis como novela gráfica, de Marjane Satrapi.

Um facto histórico: A publicaçom de Cantares Gallegos em 1863.

Um prato na mesa: cheio! Pescada com alhada e piripíri.

Um desporto: Som de corridas matutinas por chegar a tempo ao trabalho, cada manhá som cabeça de corrida.

Um filme: da diretora libanesa Nadine Labaki “E agora, onde vamos?. Confesso que os Monty Phiton som mui recorrentes.

Umha maravilha: partilhar bons momentos com gente linda.

Além de galega: Raiana.

Valentim Fagim

Valentim Fagim

Nasceu em Vigo (1971). Professor de Escola Oficial de Idiomas, licenciado em Filologia Galego-portuguesa pola Universidade de Santiago de Compostela e diplomado em História. Trabalhou e trabalha em diversos âmbitos para a divulgaçom do ideário reintegracionista, nomeadamente através de artigos em diversas publicações, livros como O Galego (im)possível, Do Ñ para o NH (2009) ou O galego é uma oportunidade (2012). Realizou trabalho associativo na AR Bonaval, Assembleia da Língua de Compostela, no local social A Esmorga e na AGAL, onde foi presidente (2009-12) e vice-presidente (2012-15). Co-diretor da Através Editora e coordenador da área de formação. Académico da AGLP.
Valentim Fagim


PUBLICIDADE

  • http://pgl.gal Valentim R. Fagim

    Longa vida ao Fuscalho!