Revista Sarmiento : nova etapa como Revista Galego-Portuguesa de História da Educação/ Revista Galego-Portuguesa de Historia da Educación



sarmientoUxía  Bolaño, membro do Conselho Editor da Revista informa que, dando continuidade aos seus já vinte anos de vida, a revista Sarmiento começa umha nova fase, como é refletido no prefácio do seu último número 21, como Revista Galego-Portuguesa de Historia da Educación/Revista Galego Portuguesa de História da Educação, o que representa a vontade de ampliar o âmbito espacial da revista –que já no passado estava aberta à temática e língua portuguesa–, aumentando as suas possibilidades de acessibilidade e difusão com a abertura ao espaço lusófono. Da mesma forma, e nesta linha, introduzem-se mudanças nos conselhos editor e assessor.

O título mantém na sua cabeceira a homenagem ao Padre Sarmiento (1695-1772), monge beneditino galego que, para além de ser um dos primeiros e mais singulares estudiosos da cultura galega, legou-nos formosas páginas sobre educação. Sarmiento, nos seus numerosos relatórios criticou, entre outros aspetos, a educação tradicional e memorística, reivindicando uma educação ligada ao contexto cultural e linguístico da Galiza. A sua figura foi essencial para compreendermos o processo de restauração e construção da personalidade histórica galega, através das suas reflexões, entre as quais destaca a defesa da unidade linguística galego-portuguesa:

Así, la lengua portuguesa pura no es otra que la extensión de la gallega, y que después se cargó de voces forasteras, moriscas, africanas, orientales, brasileñas, etc. (Pensado, J.L. Sobre el origen de la lengua gallega. Em Opúsculos lingüísticos gallegos del siglo XVIII. Vigo: Galaxia, 1974, p. 30)

A revista continuará a se editar por parte das três universidades galegas –sendo a única que conta com esta condição na atualidade– e será publicada na plataforma de revistas eletrónicas da Universidade da Corunha (http://www.udc.es/publicacions/revistas).

O último número publicado (21) apresenta uma parte monográfica dedicada à depuração do professorado praticada polas autoridades franquistas na Galiza. Na secção documental, apresenta o expediente de depuração de María Barbeito Cerviño, as dificuldades sofridas por Antón Alonso Ríos para se rispar das gadoupas da morte e a relação do professorado assassinado depois da sublevação fascista de 1936.  O volume encontra-se acessível em: http://revistasarmiento.com/


PUBLICIDADE