Reintegracionismo festejou a língua em irmandade



Mais um ano, o reintegracionismo marcou presença na manifestaçom nacional convocada com motivo do Dia das Letras. Nestas ocasiom houvo dous grandes cortejos: um, protagonizado pola AGAL; um outro, também apoiado pola AGAL, em que houvo representaçom de todo o reintegracionismo organizado.

O cortejo agálico tivo como tema central este ano a comemoraçom do centenário das Irmandades da Fala. Neste senso, a AGAL lançou dias antes a campanha —que aginha viralizou— Co-as Irmandades à rua, a fala continua. Graças a esta iniciativa, pudo-se comprovar a defesa que o núcleo das Irmandades fazia da unidade lingüística galego-portuguesa, como salienta o presidente da AGAL, Eduardo Maragoto:

Para além da campanha, a AGAL aliciou as pessoas interessadas, quer sócias, quer simpatizantes, a se chegarem à manifestaçom fantasiadas de época, imitando o —elegante— estilo das Irmandades. Da mesma maneira que a campanha, o cortejo agálico tampouco passou despercebido nas redes sociais.

Ao mesmo tempo, a AGAL lançou umha generosa oferta para atrair novos sócios e sóciuas, só válida polo Dia das Letras, pola qual as pessoas se podiam associar ao preço normal na altura da fundaçom das Irmandades da Fala (4 cadelas = 20 cêntimos). A campanha foi um sucesso, tendo-se conseguido dezenas de novos sócios e sócias para a associaçom, que levárom de oferta um cartom da associaçom que imita os que usavam as Irmandades da Fala há um século.

Irmandades AGAL 222

Galeria de imagens do cortejo agálico

Bloco reintegracionista

Como indicado no início, muitas pessoas agálicas —ainda que estas sem se caraterizarem como Irmandades— também participárom no bloco promovido polas entidades reintegracionistas, entre as quais a AGAL. Este cortejo reivindicou a figura de Manuel Maria como autor reintegracionista, embora também houvo algumha outra que lembrava o reintegracionismo em pessoeiros das Irmandades, como no caso de Antom Vilar Ponte.

 


PUBLICIDADE