‘Recordes dos Seres Vivos’ Novidade Laivento

Tradução de Carlos Garrido



redordesChega, de mão de Laiovento, às livrarias ‘Recordes dos Seres Vivos. Anaos e Gigantes, das Bactérias aos Vertebrados’, de Klaus Richarz e Bruno P. Kremer, ensaio de divulgação científica; traduzido do alemão por Carlos Garrido.

O livro, uma rareza no campo cultural galego, tanto pelo conteúdo quanto pela língua original de que se traduz, oferece ao leitor, de maneira cativante e formativa, um amplo leque de dados respeitantes a valores extremos («recordes») dos seres vivos, o que, para além do anedótico, do surpreendente e do curioso, permite apreciar a fascinante adaptação dos organismos ao seu meio e a impressionantemente rica — e cada vez mais ameaçada — diversidade da vida.
A obra, está organizada em cinco partes, seguindo a classificação sistemática dos organismos: Arqueontes e Bactérias, Protistas, Fungos, Plantas e Animais.

 

Recordes dos Seres Vivos, de Klaus Richarz e Bruno P. Kremer, será apresentada nos vindouros dias em Vigo, introduzido por Jorge Rodrigues Gomes, na livraria Andel, em 8 de novembro, a partir das 20h00, e em Ourense, introduzido por Vítor Lourenço Peres, na livraria Espaço Leitor Nobel, em 30 de novembro, a partir das 19h30.

Mais informação no site da AEG.

 

Carlos Garrido Rodrigues (Ourense, 1967)Carlos Garrido

Doutor em Biologia pela Universidade de Santiago de Compostela e licenciado em Tradução e Interpretação pela U. De Vigo. Lexicógrafo e professor titular da última, é tradutor científico especializado e autor, entre outras obras, de Dicionário terminológico quadrilíngue de zoologia dos invertebrados (1997), Manual de galego científico (2000, 2011), Aspectos teóricos e práticos da traduçom científico-técnica (inglês–galego) (2001), Ferramentas para a traduçom (2004) e Léxico galego: degradaçom e regeneraçom (2011), A Traduçom do Ensino e Divulgaçom da Ciência, 2016, Servizo de Publicacións da Universidade de Vigo.

Membro da Comissom Lingüística da Associaçom Galega da Língua entre 2000 e 2015; a partir de 2016 e fora dela, é promotor da Associaçom de Estudos Galegos (AEG) onde integra a Comissom Lingüística da AEG, à qual atualmente preside.


PUBLICIDADE

  • Ernesto V. Souza

    Magnífico. Parabéns. Mas sempre o trabalho, o esforço pessoal do reintegracionismo na proa, a tratar de compensar a atafegante falta de espaços, de espaço editorial, de língua a sério.

    Mágoa ter de publicar em Laiovento. E ainda bem que há que celebrar que se publique. Mas uma obra assim, mereceria outro formato, tamanho, papel, imagens boas, e cor. Um estilo Guinnnes dos recordes, um volume colorido da WWF, um livro de Fauna do Mundo, com quadros de destaque, esquemas, comparativas… ou um Super-interessante. 😉

    Mas já sabemos como é a realidade. Por mais que o trabalho tenha uma qualidade e seja um marco é mais uma vez vez um chamado a evidenciar a precariedade do campo cultural galego, a realidade da língua, o mundo das traduções.

  • abanhos

    Se o Carlos Garrido apresenta e recomenda, é que o libro é bem bom, com certeza.
    Se além disso ele é o tradutor, a qualidade está muito mais do que garantida.