AS AULAS NO CINEMA

Paulo Freire, o grande pedagogo do Brasil (cinco documentários sobre a sua vida e obra)



PAULO FREIRE Cartaz Dia da AlfabetizaçãoContinuando com a série sobre grandes educadores, esta vez o depoimento vai dedicado ao grande pedagogo brasileiro Paulo Freire, de projeção mundial. Um educador idóneo também, pelo muito que trabalhou em este campo ao largo de muitos anos, para celebrar o Dia Mundial da Alfabetização, que em todo o mundo tem lugar na data do 8 de setembro, data que foi instituída em 1968 pela ONU e pela Unesco com o objetivo de fomentar a alfabetização em todos os países.

Paulo Freire (1921-1997) foi o mais célebre educador brasileiro, com atuação e reconhecimento internacionais. Conhecido principalmente pelo método de alfabetização de adultos que leva o seu nome, ele desenvolveu um pensamento pedagógico assumidamente político. Para Freire, o objetivo maior da educação é conscientizar o aluno. Isso significa, em relação às parcelas desfavorecidas da sociedade, levá-las a entender a sua situação de oprimidas e agir em favor da própria libertação. O principal livro de Freire se intitula justamente Pedagogia do Oprimido e os conceitos nele contidos baseiam boa parte do conjunto da sua obra. Paulo Freire foi o mentor da educação para a consciência e o mais célebre educador brasileiro, autor de muitos livros sobre educação, nos que defende como objetivo da escola ensinar o aluno a “ler o mundo” para poder transformá-lo.

PAULO FREIRE Foto7O seu nome completo era Paulo Régis Neves Freire, educador pernambucano, que nasceu em 19 de setembro de 1921 na cidade do Recife. Foi alfabetizado pela mãe, que o ensina a escrever com pequenos galhos de árvore no quintal da casa da família. Com 10 anos de idade, a família mudou para a cidade de Jaboatão. Na adolescência começou a desenvolver um grande interesse pela língua portuguesa. Com 22 anos de idade, Paulo Freire começa a estudar Direito na Faculdade de Direito do Recife. Enquanto cursava os seus estudos de Direito, casou-se com a professora primária Elza Maia Costa Oliveira. Com a esposa, teve cinco filhos e começou a lecionar no Colégio Oswaldo Cruz em Recife. No ano de 1947 foi contratado para dirigir o departamento de educação e cultura do Sesi, onde entra em contato com a alfabetização de adultos. Em 1958 participa de um congresso educacional na cidade do Rio de Janeiro. Neste congresso, apresenta um trabalho importante sobre educação e princípios de alfabetização. De acordo com as suas ideias, a alfabetização de adultos deve estar diretamente relacionada ao quotidiano do trabalhador. Desta forma, o adulto deve conhecer a sua realidade para poder inserir-se de forma crítica e atuante na vida social e política.

No começo de 1964, foi convidado pelo presidente João Goulart para coordenar o Programa Nacional de Alfabetização. Logo após o golpe militar, o método de alfabetização de Paulo Freire foi considerado uma ameaça à ordem, pelos militares. Viveu no exílio no Chile e na Suíça, onde continuou produzindo conhecimento na área de educação. A sua principal obra, Pedagogia do Oprimido, foi lançada em 1969. Nela, Paulo Freire detalha o seu método de alfabetização de adultos. Retornou ao Brasil no ano de 1979, após a Lei da Anistia. Durante a prefeitura de Luiza Erundina, em São Paulo, exerceu o cargo de secretário municipal da Educação. Depois deste importante cargo, onde realizou um belo trabalho, começou a assessorar projetos culturais na América Latina e África. Morreu na cidade de São Paulo, de enfarte, em 2 de maio de 1997.

As suas mais importantes obras são:

A propósito de uma administração. Recife: Imprensa Universitária, 1961.

Conscientização e alfabetização: uma nova visão do processo. Estudos Universitários – Revista de Cultura da Universidade do Recife. Número 4, 1963: 5-22.

Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967.

Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1970.

Educação e mudança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1979.

A importância do ato de ler em três artigos que se completam. S. Paulo: Cortez Edit.ª, 1982.

A educação na cidade. São Paulo: Cortez Editora, 1991.

Pedagogia da esperança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1992.

Política e educação. São Paulo: Cortez Editora, 1993.

Cartas a Cristina. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1974.

À sombra desta mangueira. São Paulo: Editora Olho d’Água, 1995.

Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.

Mudar é difícil, mas é possível (Palestra proferida no SESI de Pernambuco). Recife: CNI/SESI, 1997-b.

Pedagogia da indignação. São Paulo: UNESP, 2000.

Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

A produtora Atta Mídia e Educação, sob edição da Paulus Editora de São Paulo, realizou sobre Freire 5 documentários em 2006 e 2008, que são os que apresento neste depoimento. Com data 12 de setembro de 2012 publiquei já na série do PGL “As Aulas no Cinema” um depoimento dedicado a Freire, que pode consultar-se entrando aqui.

FICHAS TÉCNICAS DOS 5 DOCUMENTÁRIOS:

1.-T. O.: Paulo Freire.

  • PAULO FREIRE Capa DVD Grandes EducadoresProdutora: Atta Mídia e Educação (Brasil, 2006, 57 min., a cores e a preto e branco).
  • Direção: Ângela Antunes e Moacir Gadotti.
  • Editora: Paulus Editora. Coleção: Grandes Educadores.
  • Roteiro e Apresentação: Ângela Antunes. Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, diretora técnico-pedagógica do Instituto Paulo Freire e autora, dentre outras obras, do livro Aceita um conselho: como organizar o colegiado escolar.
  • Argumento: Paulo Freire é considerado mundialmente um dos maiores educadores do século XX, por uma ousadia até hoje muito pouco praticada: colocar o oprimido como sujeito da sua aprendizagem e da transformação da sua realidade. Criou uma metodologia que insere a leitura do mundo, a liberdade, o diálogo, a aprendizagem significativa para uma educação transformadora e, nem por isso, menos eficiente que a tradicional. Paulo Freire, autor de mais de 25 livros, foi professor nas universidades de Harvard e de Genebra, na universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC- SP). A Paulo Freire foi outorgado o título de doutor Honoris Causa em 27 universidades, de diversos países.
  • Conteúdos do Documentário: Histórico e trajetória; O exílio; O método; Investigação temática; Tematização; Problematização; Leitura do mundo; Compartilhando o mundo lido; Reconstrução do mundo lido; Vivenciando o mundo; A Educação e o conhecimento por Paulo Freire; O professor; A escola; O aluno; O sistema; O diálogo; A Educação é política; Um mundo novo.

2.-T. O.: Paulo Freire: Biografia. (Duração: 40 min.).

  • Argumento: Como diz Nita Freire, a vida e a obra em Paulo Freire se confundem. O seu pensamento é fruto daquilo que vivenciou. É um dado coerente com a visão que ele tinha da Educação, segundo o qual, deve partir da vida e servir a vida.
  • Conteúdos do Documentário: À sombra das árvores; SESI, tempo fundante; Angicos; Exílio; Chile, “A Pedagogia do Oprimido”; Suíça, andarilhando pelo mundo; África; A volta, recomeço; Secretaria.

3.-T. O.: Paulo Freire: Educação. (Duração: 55 min.).

  • Argumento: Paulo Freire mostrou não somente a importância do diálogo e de se levar em conta a vida e os interesses dos educandos, mas foi além. Paulo Freire mostrou como fazer isso. Ele teve a rara capacidade de traduzir de modo a parecer tão simples algo que é profundo e transformador.
  • Conteúdos do Documentário: Um ser em busca da sua completude; Um pensamento nascido da vida; Um ser de relação; A Educação é um ato político; A Educação é um ato de conhecimento; O oprimido; Diálogo; Fontes de Paulo Freire; Alfabetização, método ou metodologia; O professor.

4.-T. O.: Paulo Freire: Inspirações. (Duração: 62 min.).

  • Argumento: Ao longo da sua vida, Paulo Freire surpreendeu a muitos por não ter uma visão nostálgica das suas primeiras e fundamentais descobertas. Não achava que deveria ser copiado, mas valorizava aqueles que, inspirando-se no seu pensamento, traziam novas visões e práticas educativas.
  • Conteúdos do Documentário: Uma aula de história; Uma aula de Física; A metodologia; Um dia na Escola Amorim Lima; Um dia em um Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos.

5.-T. O.: Paulo Freire: Legado. (Duração: 35 min.).

  • Argumento: Na sua vida, Paulo Freire foi um exemplo de coerência e coragem. Mas também de excelente senso de humor e de uma vivacidade transbordante. Deixou uma obra, profunda e densa, uma obra para o futuro.
  • Conteúdos do Documentário: A valorização da cultura do outro; A partir de ouvir; Visão humanista; Incompletude; Conscientização; Democracia; Diálogo.

DADOS IMPORTANTES DA SÉRIE DE 4 DVDS:

  • Produtora: Atta Mídia e Educação (Brasil, 2008, 192 min., a cores e a preto e branco).
  • Editora: Paulus Editora. Coleção: Paulo Freire, com 4 programas noutros tantos DVDs.
  • Informação geral: A importância do diálogo e a necessidade de se levar em conta os interesses e pressupostos do educando são ideias quase consensuais entre os educadores atualmente. Mas não eram quando surgiu Paulo Freire. Aliando uma sofisticada elaboração intelectual com um olhar corajoso e uma enorme capacidade de comunicação, Paulo Freire influenciou e influencia educadores de todo o mundo.
  • Estudiosos e colaboradores da série: Para falar de uma figura tão rara e inspiradora, onze pessoas, que conviveram, estudaram e trabalharam com Paulo Freire, unem-se para tratar da sua vida e obra nesta coleção. Participam desta coleção: Alípio Casali, Celso Beisiegel, Claudius Ceccon, Frei Betto, Lisete Arelaro, Luís Carlos Menezes, Nita Freire, Osmar Fávero, Pedro Pontual, Plínio Arruda Sampaio e Vera Barreto.

O PENSAMENTO DE FREIRE NA SUA PRÓPRIA VOZ:

Por meio de várias das suas frases mais significativas, podemos analisar perfeitamente o seu pensamento pedagógico, humano e social. Apresento a continuação algumas das mais importantes:

Paulo FREIRE texto sobre o que é ensinar – “Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo sério, com adolescentes brincando de matar gente, ofendendo a vida, destruindo o sonho, inviabilizando o amor. Se a educação sozinha não transformar a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.”

 “Que é mesmo a minha neutralidade senão a maneira cômoda, talvez, mas hipócrita, de esconder minha opção ou meu medo de acusar a injustiça? Lavar as mãos em face da opressão é reforçar o poder do opressor, é optar por ele.”

“Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre.”

“É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal maneira que num dado momento a tua fala seja a tua prática.”

“A humildade exprime, uma das raras certezas de que estou certo: a de que ninguém é superior a ninguém.”

“Importante na escola não é só estudar, é também criar laços de amizade e convivência.”

“A teoria sna prática vira “verbalismo”, assim como a prática sem teoria, vira ativismo. No entanto, quando se une a prática com a teoria tem-se a práxis, a ação criadora e modificadora da realidade.”

“Não basta saber ler que Eva viu a uva. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho.”

“Eu sou um intelectual que não tem medo de ser amoroso, eu amo as gentes e amo o mundo. E é porque amo as pessoas e amo o mundo, que eu brigo para que a justiça social se implante antes da caridade.”

“O amor é uma intercomunicação íntima de duas consciências que se respeitam. Cada um tno outro como sujeito do seu amor. Não se trata de apropriar-se do outro.”

Paulo FREIRE Foto em 1993 em Angicos“Se a educação sozinha não pode transformar a sociedade, tampouco sem ela a sociedade muda.”

“Num país como o Brasil, manter a esperança viva é em si um ato revolucionário.”

“Não se pode falar de educação sem amor.”

“Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.”

“O ser alienado não procura um mundo autêntico. Isto provoca uma nostalgia: deseja outro país e lamenta ter nascido no seu. Tem vergonha da sua realidade.”

“Não é na resignação, mas na rebeldia em face das injustiças que nos afirmaremos.”

“Quando o homem compreenda sua realidade, pode levantar hipóteses sobre o desafio dessa realidade e procurar soluções. Assim, pode transformá-la e o seu trabalho pode criar um mundo próprio, o seu Eu e suas circunstâncias.”

“A escola será cada vez melhor, na medida em que cada ser se comportar como colega, como amigo, como irmão.”

“Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes.”

“Gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir mais além dele.”

“(…) todo amanhã se cria num ontem, através de um hoje (…). Temos de saber o que fomos, para saber o que seremos?”.

“A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca. E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria.”

“Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão”.

TEMAS PARA REFLETIR E REALIZAR:

Depois de ver os documentários, organizar um debate-papo ou tertúlia, sobre os diferentes aspetos que sobre a figura de Paulo Freire aparecem nos mesmos. Refletir sobre o seu pensamento educativo e comentar as suas opiniões sobre a educação popular, a alfabetização, a educação de adultos, o labor dos docentes na sociedade e os diferentes problemas humanos e sociais.

Elaborar uma monografia, procurando informações em livros e na internet, sobre Paulo Freire, importante educador do Brasil com fama mundial, as suas ideias pedagógicas e o seu pensamento educativo. Com desenhos, textos, cartazes e materiais elaborados, poderia organizar-se nas escolas uma exposição dedicada a ele.

Escolher uma, para lê-la entre todos, das obras básicas escritas por Freire, publicadas na nossa língua, e que aparecem resenhadas ao início deste depoimento. Podemos optar também por ler algum livro dedicado a estudar a sua pedagogia e pensamento. Depois de lida a obra eleita, organizar um “Livro-fórum” para comentá-la e debater sobre as palavras, ideias educativas e propostas do grande educador brasileiro.

aa

José Paz Rodrigues

É Professor de EGB em excedência, licenciado em Pedagogia e graduado pela Universidade Complutense de Madrid. Conseguiu o Doutoramento na UNED com a Tese Tagore, pioneiro da nova educação. Foi professor na Faculdade de Educação de Ourense (Universidade de Vigo); professor-tutor de Pedagogia e Didática no Centro Associado da UNED de Ponte Vedra desde o curso 1973-74 até à atualidade; subdiretor e mais tarde diretor da Escola Normal de Ourense. Levou adiante um amplíssimo leque de atividades educativas e de renovação pedagógica. Tem publicado inúmeros artigos sobre temas educativos e Tagore nas revistas O Ensino, Nós, Cadernos do Povo, Vida Escolar, Comunidad Educativa, Padres y Maestros, BILE, Agália, Temas de O ensino, The Visva Bharati Quarterly, Jignasa (em bengali)... Artigos sobre tema cultural, nomeadamente sobre a Índia, no Portal Galego da Língua, A Nosa Terra, La Región, El Correo Gallego, A Peneira, Semanário Minho, Faro de Vigo, Teima, Tempos Novos, Bisbarra, Ourense... Unidades didáticas sobre Os magustos, Os Direitos Humanos, A Paz, O Entroido, As árvores, Os Maios, A Mulher, O Meio ambiente; Rodrigues Lapa, Celso Emílio Ferreiro, Carvalho Calero, São Bernardo e o Cister em Ourense, em condição de coordenador do Seminário Permanente de Desenho Curricular dos MRPs ASPGP e APJEGP.

Latest posts by José Paz Rodrigues (see all)


PUBLICIDADE