pangaleguismo



Em 17 e 18 de novembro do ano corrente celebrar-se-á em Lugo o Centenariazo da 1ª Assembleia das Irmandades da Fala, em cuja conclusão foi lido o histórico manifesto, aprovado e assinado por uma série de intelectuais e líderes políticos, na altura alguns conhecidos e por outros que, no momento ainda novos, seriam destacados protagonistas das duas décadas a seguir, e além. Não poucos dos assinantes reprimidos, exilados e assassinados.

manifesto

As declarações do manifesto são consideradas o ponto zero da movimentação política nacionalista galega pela explícita declaração de tal que figura no início do manifesto. Cujo texto destaca pela síntese e atualidade (100 anos depois) de cada um dos elementos  reclamados e propostos: economia, propriedade, aduanas, co-oficialidade do galego, transporte, voto e participação da mulher, organização territorial, judicial, educativa, federalismo ibérico, relacionamneto com Portugal e a singular declaração a respeito da soberania estética e artística.

O documento é sobradamente conhecido, e a análise do seu corpus, do coletivo múltiplo e do aparato político e social que o sustenta e que se desenvolverá a partir dele, também. Numerosos artigos, monografias, livros de atas, memórias, biografias destacam o momento.

A assembleia viera marcada e demorada, por causa da enfermidade e  prematura, inesperada, morte de Lois Porteiro Garea, o líder teórico e agente político central do movimento, por causa da epidemia de gripe.  A desaparição com ele do pulo e da ideia organizativa, a perda de centralidade causada pela desaparição de Porteiro definirá a paralise organizativa e hesitações organizativas e de ação política de um movimento que entre 1917 e 18, já dera o salto à política e gizara acordos com o potente catalanismo liderado por Francesc Cambó.

Porém, os dous dias da Assembleia, foram intensos, serviriam, como espaço de reunião e debate de núcleos dispersos das Irmandades e também figuras isoladas, algumas na política do momento, outras fora dela.

47840063

Texto completo na Galiciana

De qualquer jeito, a Assembleia decorreu a base de apresentações e palestras, concretas, para debate.

Numa delas, Anton Vilar Ponte, o promotor, fundador e uma das figuras de proa do movimento das Irmandades, defendeu uma ponência intitulada “Pangaleguismo – O Camiño Direito”, texto que seria reproduzido no boletim A Nosa Terra (nº 78, 15.1.1919) e popularizado na antologia americana do espólio ideológico do autor: Pensamento e Sementeira, Eds. Galicia del C. Gallego de B. Aires, 1971, (p. 211-213 )

A proposição, a seguir, (destaques nossos) ia dedicada, no galego da época, à “Academia de Cencias de Portugal”:

PANGALEGUISMO

O CAMIÑO DIREITO

Para a Academia de Cencias de Portugal

1º – Galiza ten que considerar a Portugal, pois elo é axiomático, como o baluarte da sua independenza espritoal. Namentras Portugal exista como nazón independente, Galiza non perderá endexamáis as esencias de unha personalidá propia, que, esvaída ou non, sempre terá virtude xermoladora nun senso irredentista. Galiza, enporiso, debe ter sempre, latexante, no seu idearium nazonalista este principio:

“A liberdade e a independenza de Portugal, considerámola os galegos como nosa mesma liberdade e independenza, e estaremos dispostos de cote a erguérmonos violentamente contra dos que quixesen esnaquizar aquela”.

2º – Galiza considera o portugués como galego nazonalizado e modernizado, e asín pensa de fondo e trascendente intrés familiarizar entre os galegos a groriosa literatura portuguesa, proba suprema e fecunda de que no nosso idioma pode e debe facerse nosa cultura coase inexistente, efeito de cinco séculos de centralismo desgaleguizador que non foron capaces de matar a fala de Rosalía, inda hoxe empregada polas cinco sestas partes do pobo, e comprendida por tódolos galegos.

Corolario: Como o galego foi sempre e inda é hoxe o idioma do nosso traballo próprio, tendo sido antano o idioma internacional do arte e instrumento lírico da aristocracia ibérica, inteleutualizándoo de novo, como se vem facendo, e voltando a donarlle senso cibdadán e aristocrático, xurdirá a unidade espritoal e material da nosa Terra, cegándose o fondo divorcio entre as vilas e o campo e trocando o traballo colonizado em traballo próprio. De eiquí nasce a necesidade da urxente oficilidá do idioma galego.

3º – Galiza considera que ela com Portugal forma nazón compreta, tallada polo fatalismo histórico. E afirma que somente Galiza pode ser prenda e única clave dunha futura grande Iberia diste xeito:

A) Reconocéndolle Hespaña unha autonomia integral, maor e difrente que as dos demais pobos, tan fonda que reúna todas as características de verdadeira independenza, capaces de deixarennos no que nós chamamosestado nascente.

B) Pondo em vixencia polo que fai a nós, aqueles artigos do Código civil português nos que o direito consuetudinário galego, fica reconocido e respeitado, sem propósito de que o fose, máis por identidade de natureza, namentres se esquece no código castelán.

C) Permitindonos facer tratados de comercio e de pesca com Portugal, xá que os intreses nosos son os que teñen ou podem teren maor desenrolo (de tódolos de Hespaña) na viciña República e que hoxe sofren fondamente pólo réximen proteccionista que favorece brutalmente com grave perxuicio para nós, como para ninguén, a riqueza das outras rexións.

D) Autorizando a creación dun Instituto de Estudos galego-portugueses nunha vila fronteiriza da Lusitania, onde anualmente axúntense em asambleia representacións culturas, industriás, artísticas e comercias dos dous pobos irmans.

Corolario: reciprocidade dos tíduos acadêmicos de Portugal e Galiza.

[Não existe ponto E) no texto]

F) Consiñando que toda burla ou ironia que se adique por hespañoes a portugueses será tomada como aldraxe feito aos galegos.

Corolario: Inda sendo prá nós acidental a forma de Goberno, pensamos que unha República hespañoa federal facilitaria o progreso do iberismo. E ista accidentalidade condicionada formulámola eisí. Se Portugal fose Monarquia e Hespaña república, non sería a xuntanza dentrambos Estados atuaes, perigosa para as instituciós portuguesas. Mais socedendo o contrario a Monarquía maor influiría, quixérase ou non, no derrocamento da República menor.

G) Portugal e Galiza poderán pactaren um réximen dual como nazóns que reconócense atraguidas por unha unidade superior, filla da comum natureza, que somente asín, sem receios terian ingreso nunha gran Iberia.

H) Como primeiro paso para todo isto, os nazonalistas galegos teñen que acordaren dirixirse ao Goberno portugués, com o obxeto que ele na conferencia de paz e dentro da Liga das nazóns, fágase intélprete do nosso desexo de autonomía integral e da nosa door de que namentras os pobos neutraes de Europa viven em xeito de pacifismo interior, Hespaña é o único Estado que gardou neutralidá na guerra onde fica sin resolver um problema de nazonalidades e inda o exercício da cibdadanía, orixe de continua loita interior, estorbo para a civilización xeneral.

Concrusión: Galiza e Portugal estreitadas ao fin supoñerían unha expansión cultural de idioma diferente do castelán tan extensiva cuase como a diste na penínsua e camiño de rivalizar tamén na América, com o baluarte do Brasil, sinificando a redenzón do nosso espríto para colaborar nós mesmos, com todas as esencias naturaes da nosa raza, no superior comunismo da cultura universal da que falou Guyau.

 

* (Proposición lida na Asambleia Nazonalista de Lugo) – (A Nosa Terra, nº 78, 15.1.1919; cito por A. Villar Ponte, Pensamento e Sementeira : Leiciós de patriotismo galego, Eds Galicia del C. Gallego de B. Aires, 1971, p. 211-213 ).

Diversos elementos da Proposição, ecoam no espírito e nos pontos do manifesto final. Não por acaso, à mesma altura que outros – geralmente mais destacados – fins e princípios das Irmandades da fala e do Partido Galeguista, nos anos 20 e 30, encontraremos a chamada constante à identidade e à necessidade de relacionamento político e cultural com Portugal. Declarações de unidade linguística, histórica, cultural, paisagística, e projetos diversos de configuração futura de um bloco comum.

Propostas, contatos, declarações e imaginário que seriam mui destacadas nos textos programáticos e manifestos das Irmandades (A Nosa Terra, Aos galegos emigrados, Manifesto da Assembleia de Lugo) e que seriam muito intensos e programáticos entre a fundação das Irmandades (18/05/1916) e o golpe de Estado de Primo de Rivera (12/09/1923).

Autores como X. Castro, Emílio X. Ínsua, Ramón Villares, têm destacado e tratado a evolução deste “Pangaleguismo”, como um elemento do discurso nacionalista, entendendo o seu significado como combinação (apressada e interesseira) de iberismo e celtismo, especialmente recorrente nas obras e pensamento dos Vilar Ponte, Castelão, Otero e em Vicente Risco:

Resulta comprensible que un partido de liberación dunha nacionalidade oprimida, e em xeral o nacionalismo de calisquer tipo, elabore unha teoría destinada a imbricar o propio movimento nun contexto mais amplio. Deste xeito, son moitos os movimentos de liberación em Africa ou Latinoamérica (e tamén ocurre cos nacionalismos europeos: panxermanismo, paneslavismo) que teñen como meta a unificación continental baseada na súa común identidade cultural, e as veces racial ou étnica (panamericanismo, panafricanismo). Algo disto sucede co P.G. que alude expresamente ó pangaleguismo no Programa de 1933. Nesta teorización Galicia xoga o papel clave, en tanto que país líder dos celtas e actuando ademais como tecido conxuntivo entre estes e a área luso-brasileira. O pangaleguismo viria constituido polos países celtas, as zonas culturalmente afins dos aledaños de Galicia (Galicia irredenta), a colectividade emigrada a tamén a área luso-brasileira que igoalmente tem un posto neste diseño.

Xabier Castro (3.5.9-3. Celtismo, Atlantismo e Pangaleguismo em O galeguismo na encrucillada republicana (Vol. I), Ourense 1985, cito por: 2004, Editorial: eDixital http://ir.gl/8e6c25)

Tomado na análise contextual dos anos 80 e 90 do século anterior, como uma visão estática, ou como uma reformulação tardia do tradicional e singular iberismo à galega, este pangaleguismo, e nele este papel de Portugal e da língua portuguesa, têm sido estudados no nível do discurso político e do discurso lingüístico; desde uma perspectiva nacionalista ou federalista, dentro dos estudos de historiadores e analistas do nacionalismo e das relações Galiza-Portugal, mas como parte integrante do vago sistema ideológico e linguístico do nacionalismo galego no que esse mitema das relações com Portugal funcionaria como fetiche ou emblema com continuidade até o presente mas sem profundidade no vínculo nem verdadeiro conhecimento, como destaca António Medeiros.

Porém, justo 100 anos depois, tirando hoje os elementos de retórica racial próprios da época, o programa Pangaleguista é de grande atualidade, numa Galiza que ainda debate a questão da sua língua, da sua identidade um tanto janiculada  entre os estados de Espanha e Portugal, e as vantagens da sua integração económica nos espaços da CPLP e lusofonia.

Seja como for, na espera de ler as várias teses e trabalhos que está a produzir e têm em andamento o grupo Galabra (que melhor do que eu saberão dizer) e sem meter-nos a avaliar a sua profundidade sistémica e repercussões ideológico culturais, há que destacar que estas noções e discursos percorrem a formulação do galeguismo dos anos 20 e 30, tomando forma explícita nos mais importantes documentos e princípios das Irmandades e do PG.

E não apenas como apelo ideológico ou elemento do discurso teórico, também na prática. Cumpre dizer que a proclamação da República em Portugal re-ativara o Federalismo Espanhol e ressuscitou o apagado iberismo na Espanha. Na Catalunha, principalmente, onde o iberismo foi rapidamente associado ao catalanismo emergente mas também às dinâmicas primeiras de propaganda internacional, primeiro na Ocitánia, depois nessa irmandade ibérica, na que Portugal é exemplo e finalmente com a Grande Guerra no teatro internacional das Potências e pequenas nacionalidades arredor da criação da Sociedade das Nações.

Na Imprensa da Monarquia Espanhola, no momento da sua crise final, que inicia para não parar em 1917, a República portuguesa era mirada como suspeita e o seu afundamento próximo era tema recorrente: os juros que teria de pagar a flamante República Portuguesa, os ecos da possível integração de Portugal na Espanha, enquanto abria escusa para o seu império africano ser repartido entre a Alemanha Inglaterra e França.

Mas, se na frágil Espanha essa república por mui portuguesa que fosse era a República, imaginem na Galiza. Os discursos arredor do Portugal republicano, do impacto dessa República no imaginário do galeguismo nascente, não têm sido, ao nosso entender, bem contextualizados, num aspecto mais simples e evidente, a experiência inicial da república portuguesa, e o pensamento das suas mais destacadas figuras, como conformadores de modelos e referencias direitas e com o fantasma onipresente do “Perigo Português”. Em exemplo conclusivo:

Orense, y  toda su comarca feraz, llena de vino y de sol, es liberal, agraria y aliadófila. Portugal, republicano y libre — en Portugal no hay caciques desde que fué suprimido por un exaltado redentorista el obeso D. Carlos — le envía a Orense un largo efluvio de joven democracia. Siempre que un orensano ha delinquido políticamente, lo cual equivale a decir que ha sido macho, brinca hasta Portugal, donde halla generoso asilo.

El guardiña no mata, no hiere, no esposa con hierros medioevales. Unas leyes amplias acorren al fugitivo. Orense mira en Portugal al hermano manumitido y más culto. Portugal está mejor cultivado. Sus montes se hallan poblados de árboles mozos, árboles republicanos, sembrados por manos carbonarias. Se da el vino de Oporto. El verde paisaje se halla salpicado de hoteles blancos y alegres, construidos por gentes que saben del conforte y de la vida… Orense no ha ideado aún, por fortuna, el propósito de anexionarse en Portugal. Une a Galicia con Lusitania un vínculo más estrecho que la une con Madrid y con su corte: idioma, cantos regionales, agricultura, temperamento… Y luego ¡la gran atracción de mejorar, de vivir un ambiente más intenso, más pleno y sano!  Aun no se ha llegado a esto. Galicia es firmemente española, acaso por saber que la nacionalidad hispana resurgió entre astures y galaicos, y que el habla gallega de hoy es madre del amplio y bello idioma castellano. Pero, aun así, es preciso estudiar con detención el problema. La gran zona del Miño ve en Portugal una redención y un estímulo riente. Que estadistas, sociólogos y literatos miren con fina complejidad este gran problema. […]

Luis Antón del Olmet, LA CAPITAL – “La Raza” em GALICIA, LLORA, Madrid, Est. Tip. de Antonio Marzo, 1918, p.13-14.

Ernesto V. Souza

Ernesto V. Souza

Ernesto V. Souza (Corunha, 1970). Formado como filólogo, publicou algum trabalho sobre história, contexto político e cultural do livro galego das primeiras décadas do século XX. Em 2005 começou a colaborar com o PGL e a vincular-se ao reintegracionismo. É sócio da Associaçom Galega da Língua e membro da Academia Galega da Língua Portuguesa; atualmente é o Diretor do Portal Galego da Língua.
Ernesto V. Souza

Latest posts by Ernesto V. Souza (see all)


PUBLICIDADE

  • Paul

    Estudos genéticos confirmam o que sempre se soube: portugueses e galegos são uma só “raça”/nação.

    Os mapas genéticos da península são incrivelmente parecidos com mapas linguísticos da Reconquista, antes do “language shift” para o castelhano promovido pelo mini-império EjpaÑol.

    Mostram que a teoria de “recolonização cristã” do norte para o sul está maioritariamente correcta e que a diferenciação linguística do Latim Vulgar nas suas variantes galego / asturiano / castelhano / aragonês / catalão bate certo com uma diferenciação étnico-genética.

    https://i.imgur.com/lXi6HGG.jpg

    • Venâncio

      Uau! Haleluiah!

      Passaram-se 100 anos, mas o conceito rácico como definidor dos povos sobrevive viçoso neste Paul.

      Essa é também. exactinha, a visão da Extrema-Direita portuguesa. “Galiza-Portugal: uma língua, uma raça, um povo!”

      A que deus mostrar-nos gratos? A Endovélico? Não, cum catano! Esse era o deus-mor dos lusitanos, outra raça.

  • abanhos

    Excelente.
    Faço uma pergunta: A AGAL e mais outras organizações do universo reintegrante nacional, vão estar em Lugo.
    Que programas há pra este importante aniversário.
    ???