Todos os artigos marcados como "Teresa Moure"

  • Premio ‘MONDOÑEDO10’ 2017, Teresa Moure entre as finalistas

    Na segunda edição do Prémio Mondoñedo10, 2017, foram selecionadas 13 obras finalistas, entre elas, ‘Eu violei o lobo feroz’, de Teresa Moure, publicada pela Através Editora, 2013. O júri do Prêmio Mondoñedo10 reunir-se-á no domingo, 15 para eleger o poemário ganhador Obras finalistas: 01-Atravesar o fantasma, de Carlos Callón, Edicións Xerais, 2014. 02-Carne de Leviatán, […]

  • ‘Ana de Amsterdam’ de Ana Cassia Rebelo, a anti-ela

    Sou Ana de cabo a tenente. Sou Ana de toda patente, das Índias. Sou Ana do oriente, ocidente, acidente, gelada. Sou Ana obrigada. Até amanhã, sou Ana. Do cabo, do raso, do rabo, dos ratos. Sou Ana de Amsterdam.   Os acordes daquela canção de Chico Buarque, Ana de Amsterdam, ecoam na narrativa do mesmo […]

  • Matar os caubóis com Alexandra Lucas Coelho

    Alexandra Lucas Coelho assina um título provocador, O meu amante de domingo (Tinta da China, 2014), onde assistimos ao que fica após a catástrofe num caso amoroso, mais ou menos turvo, desses que marcam quem os experimentar, com uma perspetiva atual, um ritmo vibrante e um humor desatado. Porém, o assunto, como sempre na literatura, […]

  • Teresa Moure toma posse como académica da AGLP

    Teresa Moure é desde o sábado 17 de junho académica de número da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP). A sessom de tomada de posse começou às 11h, com umha resenha biográfica da autora de Ostrácia feita polo Presidente da AGLP e condutor da cerimónia Rudesindo Soutelo. A seguir interevéu Teresa Moure, que durante mais […]

  • AGLP – Tomada de Posse da Doutora Teresa Moure Pereiro

    A Casa da Língua Comum de Santiago de Compostela acolherá, o próximo dia 17 de junho de 2017, às 11 da manhã, o ato de tomada de posse da académica de número da AGLP, a Doutora Teresa Moure Pereiro. A eleição de Teresa Moure foi decidida no plenário da Academia Galega da Língua Portuguesa do […]

  • Apresentação de ‘Abadessa oí dizer…’

    Quinta-feira 1 de junho Através editora, apresenta ‘Abadessa, oí dizer. Relatos eróticos de escritoras da Galiza’ em Compostela. O evento decorrerá na livraria NUMAX a partir das 20h com a presença das autoras Teresa Moure, Eva Xanim, Susana Sánchez Arins, Isabel Rei Samartim e Verónica Martínez Delgado. Apresenta o crítico literário Mario Regueira. ……………. Mais […]

  • A semântica oculta de Mrs. Hockett, de Teresa Moure, vence o Manuel Murguia

    O relato A semântica oculta de Mrs. Hockett, de Teresa Moure Pereiro, vence o Certame de Narrações Breves Manuel Murguia. Foram segundo e terceiro prémio, respetivamente, Corazón de Aquiles, de Noelia Cendán Teijeiro e Reversible, de Jesús Amboage García. Na cerimónia de entrega de prémios celebrada na passada sexta 19 de maio às 20:00 hs. […]

  • ‘Abadessa, oí dizer’ : Relatos eróticos de escritoras da Galiza

    Nove relatos (e um prólogo) de autoras muito diferentes que responderam ao pedido de escrever um relato erótico (a estas alturas…). Uma etiqueta, se calhar, útil mas, com certeza imprecisa e, como todas, sempre questionável. Quisemos transformar a chamada para o escárnio de Anes do Cotom em convite para a reflexão e o prazer. Ele […]

  • Teresa Moure: “O futuro convida a centrar os nossos esforços na tarefa de dar cabo do Apartheid ortográfico, de procurarmos um público sem prejuízos, de ganharmos espaços.”

    Teresa Moure está a apresentar em diversos espaços culturais e associativos  o livro duplo   Bolcheviques/Bolxeviques (Através / Xerais), coordenada por ela. Entusiasmada com o Blogue pessoal de crítica “A tecer aranheiras”, recentemente nomeada Académica pela AGLP e fervendo de projetos, a Teresa giza-nos brevemente a sua impressão da cultura galega, do presente do reintegracionismo, das […]

  • A girar na fita de Moebius: a economia do género de Rebeca Baceiredo

    Tudo começa com a fita de Moebius, uma superfície dum só lado e duma única borda, um desses objetos não orientáveis da matemática que põem a prova o entendimento e a imaginação. Se dermos cor ao aparente exterior, ficará corada toda a fita, que, portanto, representa um caminho sem princípio nem fim; sem exterior nem […]