Todos os artigos marcados como "Ordes"

  • De caçadores caçados e ursos regicidas

    Mapa de Bermui, em Bascói, Messia Apenas há rasto toponímico do urso na Terra de Ordes, nom sendo, quiçá, umha Pena da Usa –elevaçom de 482 m. entre a freguesia de Vila de Abade e o concelho do Val do Dubra[1]– e, de maneira indireta, no lugar de Bermui, em Bascói. E é que este […]

  • O apelido LOURO

    Voltamos à Fraga de Ardemil, cabo da extensa família dos sensacionais irmaos Louro Raposo, músicos e combatentes antifranquistas, para aprofundar no primeiro dos seus apelidos, mui frequente também na vizinha freguesia de Buscás e presente no sector do hotalaria na vila de Ordes. Se for um apelido de origem toponímica, em Ardemil tam-só aparece umha […]

  • A saudade do fundador

    Muitas quenlhas e quenlhos há na microtoponímia ordense, e mesmo umha que deu nome à contra-concelharia de cultura da Pontraga, a Asociación Cultural “Brisas do Quenllo”. Temos a Quenlha de Santaia de Gorgulhos, a Quenlha Grande em Lesta, a Quenlha da Ermida em Benza; um Quenlhas em Neám, dous o Quenlho, um em Visantonha e […]

  • Os Templários de Leira

    para Noelia Gestal A Bailia –que no Nomenclátor vem sem artigo, ainda que todo o mundo o usa, dizendo-se também muito a Beilia– é umha aldeia de Leira que, polo seu afastamento da igreja paroquial, sempre tivo muito vida própria dentro da freguesia, contando com escola unitária durante muitos anos e na qual mesmo se […]

  • O que os paços nom vem

    para Marcela Paço do Vidueiro, em Ordes Dos bosques de vidoeiros (Betula pubescens Ehrh.) conservados pola ingente memória da toponímia, sempre se suspeitará se teriam atraido a atençom das gentes antigas, antes do que pola sua madeira, por favorecerem a proligeraçom da amanita muscaria à sombra das suas folhas. A micologia assegura que estes cogumelos […]

  • Genealogia do Vilar

      O erudito eumês Millán González-Prado estudou com detalhe a evoluçom semántica da palabra galega “vilar”, generadora de muitos topónimos no Reino medieval da Galiza[1]. Na comarca de Ordes achamos lugares chamados Vilar –sem artigo-, nas freguesias de Cerzeda, Mercurim, Messia, Castenda da Torre e Campo, e O Vilar –com o artigo- nas de Ordes, […]

  • Pam, cravos e desordens

    para Patricia do Zapateiro da Portela A Portela de Leira é a aldeia vizinha de Loureda, famosa sobretudo polo pam, empadas, roscas e doces da Panadería Fontán, a antiga Casa do Zapateiro, que reparte por muitas paróquias da comarca. O topónimo, bastante frequente na área lingüística galego-portuguesa (os dous núcleos mais grandes com este nome […]

  • Pam velho, pam de festa

      Voltando ao Casal, Gustav Henningsen gravou ali, no 22 de dezembro de 1965, umha regueifa cantada por Manuel Vilariño García, quem entom tinha 38 anos, e que di assim: Deixa-m’acheghar adiante, qu’aqui estou um pouco atrás, qu’aora vai empezar a cantar este rapás.   Este rapaz, rapazinho, é-vos moi pequerrechinho: se queredes saber quem […]

  • O apelido BARBEITO

    Num excesso de otimismo afirmava Valeriano Villanueva, autor do apartado de “Agricultura” da Geografía General del Reino de Galicia, que: “El maíz y la patata hicieron desaparecer el barbecho en Galicia mucho antes que dejase de usarse esta forma de cultivos en los países más adelantados de Europa, y hoy en toda la región gallega […]

  • As aldeias das leitoras (VII): Friám

    Plano de Friám, na paróquia de Marçoa, concelho de Oroso Ao começar a investigar a toponímia da comarca o companheiro Manolo Paços perguntou polo significado do topónimo Freám ou Friám, na sua paróquia, Marçoa, que nom aparece no Nomenclátor, mas si nos mapas do IGN[1], assim como do microtopónimo associado Fraga de Freám. Ainda, há […]