Todos os artigos marcados como "Joám Lopes Facal"

  • Fronteira norte: óptica de Estado e distorçom perceptiva

    A Galiza não tem papel nenhum na auto-imagem dos portugueses, afirma Fernando Venâncio. E ainda avisa do erro fatal de o galego projectar sobre Portugal um interesse que é, fundamentalmente, unilateral. Também lembra um texto dos noventa de Pilar Vázquez Cuesta onde a professora afirmava que o diálogo Galiza — Portugal era inevitavelmente assimétrico. Tam […]

  • Fernando Venâncio e a fronteira linguística do norte

    A Fernando Venâncio, Ernesto Vázquez de Sousa e Maurício Castro, cúmplices involuntários deste artigo Apesar do meu deficiente conhecimento da trajectória intelectual de Fernando Venâncio, guardo grande apreço polo professor e pola lucidez e firmeza com que defende as suas posiçons sem fugir da polémica nem vulnerar a deferência devida ao opositor. Na sua presença […]

  • Bolxeviques e menxeviques

    [Nota a quem ler. O autor deste artigo, que porfia em conjugar a presidência da AEG com a adscriçom á AGAL, acolhe-se à benevolência do PGL e dos seus leitores para partilhar o seu particular relato de um desconfortável episódio que terminou em amarga fractura. O autor quer aproveitar a ocasiom para agradecer por antecipado […]

  • De identidades sub-rogadas

    Divagávamos estoutro dia sobre ictiófilos — profetas de utopias — e peixes voadores, esses filhos do oceano prestes sempre a conjurar a ameaça extrema mediante um salto sem garantias ao impossível. Duas belas metáforas que devemos à leitura irónica de John Gray de um agudo pensamento de Alexander Herzen. Em retrospectiva, devemos reconhecer que o […]

  • De ictiófilos e peixes-voadores

    Devemos-lhe ao eminente intelectual proto-socialista russo Alexander Herzen umha aguda réplica á máxima de Rousseau “o homem nasce livre mas em todas partes vive encadeado”: “os peixes nascem para voar mas nom param de nadar”. O afiado sarcasmo de Herzen é um excelente antídoto contra as quimeras sociais e os profetas professos em qualquer fé […]

  • Juventude musical num palácio de indeciso sabor português

    Tivem sempre paixom pola música. Quando adolescente, nos anos finais do bacharelato, formei parte dum grupo de pulso e palheta, que em Espanha chamam rondalha, onde pugnava por tirar sons da mandolina que, como é sabido, afina como o violino. Logo já em Madrid, quando iniciei os estudos de engenharia, abandonei a prática da corda […]

  • Stresse teste

    Os sistemas expostos a falência som propensos a falir, o ponto crítico está na sua capacidade de reacçom ante cenários adversos onde a contingência vira em necessidade. Os bancos som um caso típico de sistemas potencialmente instáveis por acumulaçom de riscos como é o caso nos activos imobiliários sujeitos a depreciaçom valorativa nas bochas especulativas. […]

  • A proposta de confluência ortográfica da AGAL, umha leitura dissidente

    Esperava com muito interesse o anunciado prontuário ortográfico da AGAL que lim ao direito com toda atençom. O opúsculo sintetiza em forma clara e concisa a “normativa de confluência” aprovado em assembleia da Associaçom de 3 de dezembro de 2006. O propósito perseguido era fixar um padrom ortográfico de carácter normativo com pretensom de estabilidade […]

  • O singular mapa da Galiza de Carlos Calvo Varela

    Carlos Calvo Varela (Ordes, 1988) foi detido pola Polícia Nacional em Vigo o 15 de setembro de 2012 e desde aquele momento encontra-se em prisom provisional á espera de que o Tribunal Supremo resolva o recurso contra a sentença da Audiência Nacional que o condenou a 12 anos de reclusom por “tença de explosivos e […]

  • Na taberna de Facal

    Nos primeiros anos de andaina do Parlamento Galego uma estranha (e da qual desconheço os motivos) abstenção do BNG perante uma moção polo reconhecimento do direito da Galiza à autodeterminação, permitiu a Fraga fazer aquela piada fácil e paternalista de que, na nossa Terra, tal reivindicação “só a pedem Camilo Nogueira e o seu cunhado”. […]