Todos os artigos marcados como "Ernesto V. Souza"

  • ilusão retrospectiva

    Black Bishop: Push, that galician sconce can work out wonders. (Thomas Middleton: A Game at Chess, Act II, Scene ii, 242, 1624.) Quebras em sucessão, ostracismos consecutivos, imposições seguidas, destruições prolongadas. A história da Galiza, a partir de certa altura, é uma sucessão de desgaste, resistência, destruição, paciência e saqueio. Uma perda de centralidade e […]

  • Carvalho contra Chronos

    Meu pasado imperfeito, meu futuro condicional! Mais o presente, u-lo? R.C.C. “Excalibur” in Futuro Condicional, 1982, p.13 Tal como apontávamos, a questão da fixação da língua, na Galiza, passa pelo consenso, pela construção da ilusão coletiva (tal como o Mário Herrero destaca) em positivo. Na narrativa comum de uma ficção inventada (galego possível impossível), assumida, […]

  • reintegracionismo 3.0

    As línguas de cultura são cousa frágil, condicionadas por catástrofes, sucessos, azares, acasos políticos, invasões, migrações, expulsões, genocídios, mudanças dinásticas, económicas e  sociais; por inventos, descobertas, modas; sujeitas ao capricho, às vontades, teimas higienistas, restauradoras, historicistas, ou reformistas das elites; condicionadas pelo isolamento ou pela sua internacionalização em diversas épocas, pelo seu papel como língua […]

  • oblomovismo

    Em 1859, Ivan Alexandrovitch Gontcharov, após uma década de escrita, publicou Oblomov, esse genial romance que figura entre os maiores clássicos da literatura e no que perfilou a legendária personagem que lhe dá nome. A história gira arredor da figura de Iliá Ilitch Oblómov, novo e rico senhor que mal sai da casa na capital […]

  • Depende

    Depende… é tópico, é. Mas é a mais frequente resposta galega ante uma pergunta direita. Para além da pouca cortesia, a exibição de orgulho, os gritos, a afirmação e negação escandalosas e ausência de diplomacia é também um dos principais motivos de confronto cultural dos galegos nos modos espanhóis. Para nós, galegos, há sempre formas, […]

  • O 155 e outros erros de cálculo do capitalismo

    O problema de pensar que tudo vale, quando (após considerar a utilidade da existência de um adversário) se toma a decisão que batê-lo ainda conviria mais aos próprios interesses é a complexa sequência de acontecimentos que se produzem e a incontrolada velocidade de ações e reações que dispara cada movimento de cada uma das peças […]

  • Celso Álvarez Cáccamo: “Nós somos perfeitamente auto-suficientes como para fazermos o que temos que fazer sem aguardar por ninguém”

    Ernesto V. Souza entrevista Celso Álvarez Cáccamo (Vigo, 1958), professor na UdC, linguista de formação, ativista e colaborador do PGL, que vem de publicar na Através editora ‘Os passos da procura’, um poemário de raiz, memória e reflexão sobre o presente arredor.

  • Oligarquia e caciquismo

    O título é de Joaquin Costa, verdade que um bocadinho mais longo e ajustado: Oligarquía y caciquismo como la forma actual de gobierno en España : urgencia y modo de cambiarla / por Joaquín Costa (Madrid : Hijos de M.G, Hernandez, 1902). Mas também poderia ser de Porteiro Garea, aquele seu discípulo e motor primeiro […]

  • relíquias

    Muitas das religiões mantiveram culto a espaços, lugares, objetos de caráter cerimonial transcendidos em sagrado; e as mais delas também veneraram relíquias: objetos, livros, fragmentos da roupa, ou mesmo restos ou excrescências humanas que pertenceram ou foram parte dos antepassados, da gente venerável ou santificada da tribo ou da religião. Talvez nenhuma tantas adorou, reconheceu […]

  • O triunfo do Capitão Hook

                This talk with you arises out of a sort of challenge from the Provost. I was here this year on June 4, and in a speech at luncheon the Provost challenged me to disprove this terrible indictment, “James Hook, the pirate captain, was a great Etonian but not a good one.” Now in my […]