Nova ediçom de Scórpio já nas livrarias

Novidade Através editora.



Em 1987 Ricardo Carvalho Calero publica o romance Scórpio que maravilha o mundo cultural galego e recebe o Prémio da Crítica de narrativa. Depois, o silêncio pola sua escolha ortográfica. Três décadas mais tarde, a Através Editora publica de novo o livro consciente da sua enorme qualidade literária e do seu extraordinário valor de memória histórica na recriaçom do primeiro terço do século XX.

Quem é o enigmático Scórpio? Quem é esse rapaz que cresce no Ferrol dos anos dez? Quem é esse brilhante estudante da Universidade de Santiago dos anos vinte? Quem é esse moço que embriaga de desejo as mulheres que conhece? Quem é esse novo poeta que escreve em galego? Quem é esse capitám republicano que luta contra os facciosos?don

Esta ediçom de Scórpio conta ademais com um esclarecedor epílogo do professor da USC Arturo Casas que ajuda a decifrar as coordenadas do romance de Carvalho Calero desde a análise da Teoria da Literatura.

*

Ricardo Carvalho Calero (Ferrol 1910 – Compostela 1990) foi um dos maiores inteletuais galegos do século XX, tanto pola sua obra ensaística e criativa como polo seu incansável labor a favor do galeguismo. Interessado desde cedo pola literatura e pola política, estuda na Universidade de Santiago. Em 1933 casa com a companheira de estudos Mª Ignacia Ramos. A Guerra Civil frustra a sua trajetória e depois de lutar no bando republicano é retaliado pola ditadura franquista. Em 1965 torna-se o primeiro professor de galego da Universidade. A partir de 1975 defende umha normativa reintegracionista que provoca, outra vez, a sua marginalizaçom institucional.

 

Título: Scórpio
Autor: Ricardo Carvalho Calero
Data de impressão: setembro 2017, 1ª edição
Edita: Através Editora
Descrição: 304 páginas, 14 x 21cm
Encadernação: brochado
Coleção: Através das Letras, 28
Diagramação e capa: Miguel Durán
ISBN: 978-84-16545-12-4
Depósito legal: C 1496-2017

Preço Livrarias: 15 €


PUBLICIDADE

  • http://bagoasnachoiva.blogspot.co.uk/ Roi BêNaChoiva

    Gostaria saber se nesta ediçom se respeitou a escolha linguística e ortográfica do autor ou, pola contra, se traduziu directamente ao português …