AS AULAS NO CINEMA

MARIO LODI, EXCELENTE MESTRE E PEDAGOGO ITALIANO

(Vários documentários)



 

Dedico o nº 52 da série que iniciei com Sócrates e estou a desenvolver sobre os grandes vultos da humanidade, que todos os escolares devem conhecer, ao grande mestre e pedagogo italiano Mario Lodi (1922-2014). Desenvolveu o seu formoso trabalho educativo durante décadas em várias escolas primárias italianas, e pertencia, junto com Bruno Ciari, Gianni Rodari e outros, a esse grande coletivo de docentes italianos MCE (Movimento di Cooperazione Educativa), do qual, por sorte, ainda temos entre nós Fiorenzo Alfieri e o meu grande amigo Francesco Tonucci (Frato).mario-lodi-com-os-estudantes-da-sua-aula

O pedagogo, escritor e professor italiano Lodi tinha nascido em Piadena a 17 de fevereiro de 1922, e falecido em Drizzona em 2 de março de 2014, à idade de 92 anos. As suas metodologias educativas inspiraram-se inicialmente nas técnicas didáticas do grande pedagogo galo Célestin Freinet, seguindo uma focagem que o converteu num expoente do Movimento di Cooperazione Educativa italiano (em diante MCE). A sua vida interpretou culturalmente a reconstrução da Itália na pedagogia e o mundo da escola e as crianças através dum compromisso concreto e quotidiano. Neste contacto diário com as crianças, com a sua observação participante, Lodi redesenhou o valor educativo da escola, mudando os seus aspetos e métodos.

Graduou-se como professor no Instituto Magistrale de Cremona em 1940. Como estudante, levantou-se contra os eventos fascistas organizados pelos seguidores de Mussolini: desse “não” há surgir a consciência que o vai levar, após o final da segunda guerra mundial, ao compromisso pedagógico com uma nova escola numa sociedade democrática. Durante a guerra foi encarcerado por razões políticas e em 1945, depois da libertação, uniu-se em Piadena à seção da Frente Juvenil pela independência nacional e a liberdade, e organizou as primeiras atividades gratuitas: um jornal aberto a todos, o teatro, as exposições locais de artesanato e uma escola profissional dirigida por mestres voluntários. Em 1948 foi nomeado mestre titular em S. Giovanni in Croce, onde descobriu as habilidades criativas das crianças e a sua incapacidade como docente, formado no Instituto Magisterial, para desenvolvê-las e organizá-las no trabalho escolar com uma metodologia coerente. Começa um período de experiências, reuniões, debates, seminários no MCE, que cada ano, na conferência nacional, se traduz numa síntese pedagógica. Assim, com a introdução crítica na escola italiana das técnicas do pedagogo francês Freinet, nasceu uma nova focagem pedagógica alternativa à escola de noções de transmissão: o texto livre, o cálculo vivo, as atividades expressivas (pintura, teatro, dança, etc…), investigação de campo, correspondência entre escolas, imprensa escolar, escrita individual de histórias e livros reais (redações livres).

Foi um cenário que, junto com o das crianças, libertou e formou a cultura do mestre. Ao mesmo tempo, dedica-se a atividades extracurriculares, como a Biblioteca Popular da Cooperativa de Consumo, em que introduz a técnica de impressão e publica os Cadernos de Piadena (Quaderni di Piadena), documentos sobre investigações sobre diversos problemas sociais realizados pelos próprios membros jovens. Dentro da Biblioteca Popolare, em 1957, criou-se o Grupo Padano para buscar os documentos de expressões populares em todas as formas, incluídas as canções populares e os fantoches. O Grupo Padano vai participar em espetáculos nacionais como Bella Ciao de Crivelli (apresentada no festival de Spoleto em 1967) e Ci ragiono e canto de Dario Fo.

Em 1956 foi transferido para a escola primária de Vho di Piadena, o seu lugar de nascimento. Aqui, em 22 anos de ensino, escreve muitos livros: alguns, escritos junto com os seus alunos, de contos de fadas e histórias (Bandiera, Cipi, La mongolfiera, etc.), outros que documentam as suas experiências pedagógicas: Há esperança se isto sucede em Vho (1963), O país errado (Il paese sbagliato, Prémio Viareggio de 1971, primeira seção da Ópera de não ficção), Começar pela criança (Empezar por el niño / Cominciare dal bambino) (1977) e A escola e os direitos da criança (La scuola e i diritti del bambino, 1983). Desde 1970, durante dez anos, dirigiu o grupo de investigação de Working Library, que publicou 127 cadernos ou roteiros de leituras, guias e documentos.

APÓS A SUA REFORMA:

    A partir da sua reforma converteu-se no ponto de referência para muitos mestres de escola primária: de toda a Itália lhe escreviam, o convidavam a pronunciar palestras, participar em conferências e debates-papo, os mestres jovens inspiraram-se no seu ensino e métodos educativos. Em 1978 retirou-se e começou outras atividades no campo educativo: durante três anos dirigiu a Escola de Criatividade em Piadena, como parte dum projeto da Região em que as crianças de 3 a 14 anos e adultos experimentaram com as mais diversas técnicas criativas. Em 1980, com um inquérito no território nacional, recolhe e classifica 5000 contos de fadas inventados por crianças, documentando assim que a criatividade das crianças, apesar da aparição da televisão, continua viva se as crianças estão em condições de praticá-la e desenvolvê-la.

MARIO LODI com Francesco Tonucci

MARIO LODI com Francesco Tonucci

Sobre a base desta investigação, em 1983 nasceu A&B, um jornal escrito e ilustrado por crianças como cidadãos que têm o direito constitucional de expressar-se e comunicar-se. Desde 1988 converteu-se no The Children´s Journal. Em 1988, a pedido de vários municípios, junto com o grupo editor A&B, reescreveu a Constituição italiana numa forma adequada para as crianças. No mesmo ano, um grupo de artistas de Piadena ajudou a cumprir o objetivo de melhorar as habilidades criativas de jovens e velhos nos diversos campos através de exposições e publicações.

Com os rendimentos do prémio internacional LEGO, recebido em 1989, fundou numa quinta em Drizzona, perto de Piadena, para onde Lodi se mudou, a Casa das Artes e do Jogo, de cuja cooperativa era presidente: um laboratório onde experimentam, com a orientação de especialistas, todos os idiomas do homem. No mesmo edifício existe um Centro de Estudos e Investigação sobre a cultura da criança e uma Pinacoteca da idade do desenvolvimento. Em 1992, em colaboração com a Galeria Gottardo em Lugano, a exposição “A arte da criança”, mostrada em numerosas cidades, explica como os altos níveis de expressão podem alcançar a linguagem gráfica autónoma.

Desde os primeiros rabiscos até a descoberta do abstracionismo, as obras compiladas são documentos da cultura da criança que os adultos muitas vezes ignoram ou destruem. Nos anos seguintes a Casa das Artes e do Jogo publicou 67 folhetos de contos, fábulas, poemas de crianças elaborados com o computador, que expressam atitudes e sentimentos positivos como a colaboração, o respeito pela natureza e pelo homem, a felicidade. Uma série dedicada a histórias e lendas de crianças não pertencentes à UE. Desde 1994 aborda o problema social da influência negativa da televisão nos jovens, primeiro com a novela A TV à cabeça da mesa, e mais tarde com a campanha “Uma assinatura para mudar a TV” (mais 550 mil assinaturas recolhidas e entregues, através do Ministério correspondente, até o presidente da República italiano. Depois da recolha de assinaturas nasce o livro Cara TV contigo. Já não estou ali, escrito em colaboração com o Dr. Alberto Pellai e com a psicóloga Vera Slepoj. Publica com a Casa das Artes outros livros: Árvores do meu país (1992) e Waste. Também A lição da natureza (1996): dous roteiros, escritos em colaboração com G. Maviglia e A. Palloti, que são uma síntese operativa de dous cursos e uma ferramenta para a educação ambiental, para promover uma cultura de comportamento responsável. Desde 1995, em nome da Editorial Science, dirige o Laboratory Mínimo, que publicou vários textos de guia para crianças e educadores que tentam introduzir a atitude científica na prática escolar. Em 1998 ocupou-se, junto com a sua filha Cosetta, de uma nova exposição de pinturas infantis intitulada Alberi e o catálogo correspondente.

Com relação à exposição, leva a cabo oficinas pedagógicas (obradoiros) de educação ambiental para crianças e trabalhadores escolares. Uma das ferramentas utilizadas é o livro branco Eu e a natureza (Io e la natura, 1999), que convida crianças de três ou mais anos, com a orientação de professores, mestres, pais e avós, a observar diretamente o meio natural mais próximo, para conhecer o nome e o comportamento dos seres vivos e desenhá-los nas páginas brancas do livro. O objetivo é lançar as bases de uma cultura ambiental e ajudar as crianças a tirar os olhos da televisão.

OS ÚLTIMOS ANOS DA VIDA DE LODI:

Uma das atividades da Casa das Artes e dos Jogos é a investigação sobre as linguagens multimédia, com um grupo de trabalho do qual Mario Lodi é animador, que propõe a identificação de obras de qualidade, a sua apresentação crítica nas escolas e o uso da câmara pelas crianças para fazer filmes. Nos últimos anos da sua vida, com uma opção radical, abandonou a televisão, criticando a baixa qualidade determinada pela lógica da audiência, em vez de rodear-se de pessoas criativas, que pensem e cultivem interesses culturais.

Documentou este mundo real, contraposto ao mundo virtual da televisão, em forma de diário. Ademais, nos últimos tempos, com crianças de primária e secundária e com estudantes do Instituto Magistrale, manteve correspondências escritas que, desde setembro de 1999, se publicaram na revista La Vita Scolastica. Em 1999, em colaboração com a Editoriale Scienza e o Centro Gioco Natura Creatività “La Lucertola” de Ravenna, com o aconselhamento de G. Maviglia, realizou a exposição itinerante “Science in swing”. É uma amostra de brinquedos científicos construídos por crianças que elaboram leis físicas.

Em junho de 1999 publicou Os filhos da quinta, Prémio Penne 1999: é a evocação da vida das crianças e suas famílias numa quinta no Vale do Po, desde 1926 até o início da 2ª Guerra Mundial. Em outubro do mesmo ano inaugurou-se em Cremona o Museu da cidade invertida, realizado pela Empresa Municipal de Energia e pelo município, de cujo projeto didático se encarregou Mario Lodi junto com G. Maviglia. Em junho de 2000 foi nomeado pelo Ministro da Educação Tullio de Mauro como membro da Comissão Ministerial para a reorganização dos ciclos escolares.

Em setembro de 2000, em colaboração com a sua filha Cosetta, é o responsável da nova exposição de pintura infantil “Os retratos das crianças”, que a FAI exibe pela primeira vez na Vila Porta Bozzolo de Casalzuigno, na província de Varese. Em novembro de 2000 publicou-se o livro La citta sottosopra, para o sistema museológico de Cremona. Desde 29 de dezembro de 2000 edita a coluna diária The Children´s Journal do jornal La Cronaca de Cremona: uma página de leituras e obras de arte. Em maio de 2001 foi nomeado pelo Ministério da Educação como membro do conselho de administração da INDIRE (antiga biblioteca educativa pedagógica) que se ocupa da documentação de experiências em escolas italianas, atualização de docentes, investigação e avaliação de projetos.

Em novembro de 2001 começou a experiência de troca de escritos autobiográficos com crianças. Em 26 de fevereiro de 2002 publicou-se o livro A TV apagou. Diário do retorno em que os motivos da crítica da televisão se iniciaram com o pedido de Uma assinatura para a mudança da televisão (1994). Junto com o jovem investigador Yuri Meda produz uma investigação sobre o relacionamento entre o poder fascista e a imprensa infantil intitulada Il Corriere dei Piccoli va a la guerra, que também aponta a investigar sobre a educação das crianças através dos meios hoje e que se vai converter em amostra.

Em outubro de 2002 trouxe à luz O dragão do vulcão e outro, livro de contos de fadas para crianças. Em novembro de 2004, na abertura da galeria de arte moderna em Génova, publica-se a Castagno favola da sua autoria, com ilustrações de Alfredo Gioventú dedicadas à pintura de Antonio Discovolo. Em novembro de 2005 publicou-se o livro Favole di Pace (Fábulas de paz), uma coletânea de contos infantis. Em outubro de 2006, o livro O céu que se move (Il cielo che si muove), 15 histórias para adultos e crianças.

Em novembro de 2006, publicou-se o livro Il pensiero di Brio, com ilustrações de Emanuele Luzzati. Em setembro de 2009, G. Bobatti entrevistou Lodi no jornal La Stampa, num artigo intitulado “A escola salvou-nos dos brinquedos”. Lodi faleceu na manhã de 2 de março de 2014 na sua casa em Drizzona, rodeado pelo carinho da sua esposa Fiorella e as suas filhas Cosetta e Rossella. Nos últimos dez dias de vida, o seu estado de saúde tinha-se deteriorado seriamente. Mario Lodi descansa no cemitério de Piadena.

Por iniciativa do Presidente da República italiana, em 28 de maio de 2003 recebeu a medalha de Cavalheiro da Grã-Cruz da Ordem do Mérito da República Italiana. Já em 1971, na seção do Prémio Viareggio foi premiado pelo seu livro O país errado, primeira das suas obras de não ficção. Em janeiro de 1989 a Universidade de Bolonha concedeu-lhe o Grau Honorário em Pedagogia. Em novembro de 1989 recebeu o Prémio Internacional LEGO, outorgado a personalidades e organizações que tivessem contribuído de forma excecional para a melhoria da qualidade de vida das crianças. Em março de 2006 recebeu o “Prémio Unicef” 2005, pelo seu grande labor com as crianças e ter dedicado toda a sua vida aos direitos das crianças a ter a melhor escola possível e ter criado a “Casa das Artes e dos Jogos”, através da que se continua a promover e melhorar a formação docente e as potencialidades expressivas das crianças. Em maio de 2006 recebeu também o “Prémio Diomedea” da Biblioteca Provincial de Foggia e do Centro de Estudos Diomede de Castelluccio dei Sauri.

FICHAS TÉCNICAS DOS DOCUMENTÁRIOS:

  1. A educação democrática no pensamento e obra de Mario Lodi (L’educazione democratica nel pensiero e nell’opera di Mario Lodi – Università di Macerata).

Duração: 82 minutos. Juri Meda entrevista a Lodi.

 

  1. Mario Lodi. A Casa da Arte e do Jogo (M. Lodi. Casa delle Arti e del Gioco).

Duração: 12 minutos. Entrevista a Lodi.

  1. A Didática de Mario Lodi (La didattica di Mario Lodi).

Duração: 4 minutos. A cores.

  1. Entrevista a Lodi.

Duração: 3 minutos. A cores. Falam as crianças.

  1. Mario Lodi. Mestre de Piadena (M. Lodi. Insignante di Piadena).

Duração: 34 minutos. A cores.

  1. Andrea Canevaro entrevista a Mario Lodi (Il maestro Mario Lodi intervistato da Andrea Canevaro). Ano 2010.

Duração: 18 minutos. A cores.

 

 Nota importante: No seu dia, dentro da minha série “As Aulas no Cinema”, dediquei dois depoimentos à pedagogia e técnicas de Freinet, que tão bem soube utilizar Lodi nas suas escolas, e ao MCE italiano, grupo pedagógico renovador a que pertenceu Lodi, junto com Ciari, Rodari e outros grandes mestres, de que temos, por sorte, ainda entre nós Tonucci e Alfieri, dous grandes amigos meus. Tais depoimentos podem ser consultados nas ligações seguintes:

Freinet

-MCE

A EXEMPLAR DIDÁTICA DE LODI E A SUA PRÁTICA NAS AULAS:

    A pedagogia e didática de Lodi esteve sempre inspirada na sua prática dentro das suas aulas no pensamento e nas técnicas peculiares do pedagogo galo Célestin Freinet, que pôs em prática na que denominou “escola moderna” na França, a que Lodi muito bem soube atualizar e potenciar, junto com muitos outros docentes integrados no MCE italiano, coletivo do qual foi um dos seus grandes dinamizadores. A sua filosofia pedagógica e as suas técnicas procuram contribuir para potenciar as capacidades expressivas e criativas das crianças, estimular o seu pensamento reflexivo e a sua iniciativa cívica guiada pelos valores e princípios democráticos.

mario-lodi-com-os-estudantes-da-sua-aula-2

Em 1989, com o dinheiro do prémio internacional LEGO funda a “Casa das Artes e dos Jogos” (Casa delle arti e del gioco), um laboratório de estudo e investigações sobre a cultura infantil e centro para a formação de docentes e da cidadania sobre os valores da constituição do seu país. Tanto as obras em que exprime o seu pensamento e práticas educativas, como a sua importante obra de criação literária destinada à infância, são imprescindíveis para entender a renovação pedagógica e a importância dos MRP, muito inspiradas precisamente no trabalho desenvolvido pelo MCE italiano e pelas suas publicações. Lodi foi um pedagogo que acreditou sempre no poder libertador da educação, trabalho a que dedicou toda a sua vida. As suas obras encontram-se nas bibliotecas de qualquer instituição educativa e de um grande número de docentes comprometidos com a inovação educativa e pedagógica e com a democratização da escola.

Mario Lodi foi um grande defensor dum sistema escolar em que se desenvolvessem a liberdade expressiva e a criatividade dos escolares, fundados da tantas vezes citada “Casa das Artes”, que influiu em projetos pedagógicos de outros países. Também escreveu livros infantis e várias obras pedagógicas nas quais, a partir da sua prática diária como mestre nas aulas, demonstra a validez de uma pedagogia baseada na participação crescente das crianças. Entre os seus livros pedagógico-didáticos temos que destacar os seguintes: Crónica pedagógica (Laia, 1974), El país errado (O país errado) (Laia, 1977), Insieme: un diario de clase (Laia, 1974) e Empezar por el niño. Escritos didácticos, pedagógicos y teóricos (Reforma de la Escuela, 1980). É muito interessante a sua obra Crónica Pedagógica, antes citada, em que, como um diário, conta as suas experiências docentes nas escolas primárias que regeu em S. Giovanni in Croce, de 1951 a 1956, e na de Vho de Piadena de 1956 a 1962.  São também destacáveis as obras A escola e os direitos da criança (La scuola e i diritti del bambino, Einaudi, 1983), Constituição e infância. Pela escola (Constituzione e ragazzi. Per le scuola, Firenze, 1988) e A arte da criança (L´arte del bambino, Drizzona, 1991).

A maioria das suas obras de criação literária estão escritas a partir de textos elaborados pelos seus alunos, que mais tarde ele recria de forma literária. Podemos destacar os seguintes: Cipi (Alfaguara, 1979), O mistério do cão (Il mistero del cane, Firenze, 1989) e O céu que se mexe (Il cielo che si muove, Firenze, 2006). Existe um bom documentário para conhecer um pouco do seu riquíssimo pensamento e trabalho, é o intitulado “Mario Lodi: um método pedagógico”.

A COLABORAÇÃO ENTRE PAIS E EDUCADORES:

    Na sua obra Começar pela criança, Lodi escreve sobre o relacionamento e colaboração entre pais e mestres. Comenta o seguinte: “Muitos mestres, na Itália, já não dão notas. Nas classificações escrevem uma nota única para todos. Porém, não é esta a solução do problema: A nota, apesar de não ser um meio adequado, foi até agora o único meio que tinha a família para saber como se comportava o seu filho na escola. E se entusiasmava por sabê-lo. Os pais têm o direito de seguir os seus filhos durante a experiência escolar e portanto a escola autoritária, que não lhes permite sentir-se parte social dela, usa a nota como “informação”. Nestes últimos anos consolidou-se a ideia de que a escola é um serviço social e que precisamente por isto deve estar controlada e possivelmente administrada em colaboração com os que a usam.

mario-lodi-foto-com-seus-alunos-5

A colaboração entre pais e mestres converteu-se em fundamental para uma verdadeira educação dos jovens. Os pais não podem ignorar os problemas da infância e devem discutir junto com os mestres a atitude que há que ter nas confrontações com as crianças para que estas não vivam dum modo na casa e de outro na escola, com as negativas consequências que é fácil imaginar.

O mestre, para agir corretamente, deve conhecer a “história” da criança em todos os aspetos particulares. Esta história, desde o seu nascimento até hoje, o pai e o mestre só a podem reconstruir juntos. Desta maneira poderão seguir o desenvolvimento, os problemas, as conquistas da criança nesses anos, quer dizer, a história da sua maturidade, a sua preparação para ser homem ou mulher no contexto de uma comunidade que da escola se estende à família e ao ambiente social. Neste ponto, como proposta, digo aos pais: “Eu não sou capaz de julgar os vossos filhos com um número, embora me sinta capaz de compreender como viveram até agora para os ajudar a prosseguir sem lhes pedir mais do que podem dar-me, mas sem descuidar nada do que os pode realizar como pessoa livre e social. Neste trabalho temos ao nosso dispor a equipa psicomédico-pedagógica, que nos vai ajudar na interpretação de eventuais problemas”.

Os dados, que os pais certamente não vão recusar, e que têm que ser segredo profissional, afetam principalmente o pai e a mãe (idade do nascimento da criança, saúde, etc.), a composição da família, a gravidez, e o parto, a alimentação da criança, as suas doenças graves, as pessoas que o acompanharam na primeira infância e outras notícias relativas à vida psicofísica da criança, que há de ser ordenada num questionário. Estabeleceremos assim o ponto de partida da criança na escola.

A criança de 6 anos, que chega a primeiro de primária, é o resultado dum longo e complexo processo educativo. Na escola, o ponto de partida é este resultado. Se não se conhece, não é possível fazer crescer a criança globalmente com gradualidade e harmonia. Só assim é possível tentar uma avaliação, descrevendo a sua história, os seus progressos e seus problemas. É uma classificação um pouco mais difícil e comprometida de escrever, embora seja uma cousa séria”.

O ATAQUE À VELHA ESCOLA:

   mario-lodi-capa-livro-de-tonucci-sobre-lodi No livro Começar pela criança Lodi escreve também: “Foram sobretudo os jovens ensinantes que introduziram inovações no plano didático e organizativo, e que aceitaram o experimento do tempo completo para dar ao escolar tempo de crescer satisfazendo os seus interesses e as suas necessidades, respeitando os seus ritmos de aprendizagem e as suas capacidades criativas, inserindo-o em grupos de trabalho para fomentar a sua sociabilidade. Era o princípio, no plano metodológico, do ataque à velha escola que se resistia refugiada na sua fortaleza. A lição, a pergunta, a obediência, a ordem formal, a repetição memorística, o tema, a classificação, o exame, a seleção. Como é fácil de imaginar, a classe docente, na sua globalidade, não estava preparada para tal empreendimento. Os poucos docentes que tinham ideias claras estiveram experimentando duramente, e encontraram obstáculos de todo o tipo”. Resenho de forma resumida tais obstáculos comentados por Lodi, que no seu artigo explica amplamente: O primeiro, o mais difícil de superar, foi a gatopardesca atitude de “mudar algo para que não mude nada”, próprio de muitos diretores e mestres autoritários; a falta de formação de muitos docentes e a sua inadequada preparação didática; as equipas insuficientes e a falta de ajuda às mesmas; os salários dos profissionais do ensino, junto com a pouca ajuda para adquirir recursos didáticos variados; a incompreensão de alguns pais, que pouco colaboram e muito criticam (alguns influenciados pelo autoritarismo dominante), e a autoridade escolar ou académica, com diretores pouco preparados e com uma administração educativa despreocupada, ou sem dar à educação o valor social que tem.

    TEMAS PARA REFLETIR E REALIZAR:

Vemos os documentários citados antes, e depois desenvolvemos um Cinema-fórum, para analisar a forma (linguagem fílmica) e o fundo (conteúdos e mensagem) dos mesmos, assim como os seus conteúdos.  

    Organizamos nos nossos estabelecimentos de ensino uma amostra-exposição monográfica dedicada a Mario Lodi, a sua vida, a sua obra, os seus livros, o seu excelente labor pedagógico de mestre, e também ao MCE italiano, grupo pedagógico a que pertencia. Na mesma, ademais de trabalhos variados dos escolares, incluiremos desenhos, fotos, murais, frases, textos, lendas, livros e monografias.

Podemos organizar um Livro-fórum, lendo todos, estudantes e docentes, alguns dos seus diários de aula: O País errado, Insieme, ou Crónica pedagógica. Podia valer também o seu livro, do qual existe edição em castelhano, de 1980, Empezar por el niño. Escritos didácticos, pedagógicos y teóricos. Seria lindo analisar as suas práticas didáticas concretas com os seus estudantes, e tentar levá-las à prática nas aulas de primária dos nossos estabelecimentos de ensino.

José Paz Rodrigues

É Professor de EGB em excedência, licenciado em Pedagogia e graduado pela Universidade Complutense de Madrid. Conseguiu o Doutoramento na UNED com a Tese Tagore, pioneiro da nova educação. Foi professor na Faculdade de Educação de Ourense (Universidade de Vigo); professor-tutor de Pedagogia e Didática no Centro Associado da UNED de Ponte Vedra desde o curso 1973-74 até à atualidade; subdiretor e mais tarde diretor da Escola Normal de Ourense. Levou adiante um amplíssimo leque de atividades educativas e de renovação pedagógica. Tem publicado inúmeros artigos sobre temas educativos e Tagore nas revistas O Ensino, Nós, Cadernos do Povo, Vida Escolar, Comunidad Educativa, Padres y Maestros, BILE, Agália, Temas de O ensino, The Visva Bharati Quarterly, Jignasa (em bengali)... Artigos sobre tema cultural, nomeadamente sobre a Índia, no Portal Galego da Língua, A Nosa Terra, La Región, El Correo Gallego, A Peneira, Semanário Minho, Faro de Vigo, Teima, Tempos Novos, Bisbarra, Ourense... Unidades didáticas sobre Os magustos, Os Direitos Humanos, A Paz, O Entroido, As árvores, Os Maios, A Mulher, O Meio ambiente; Rodrigues Lapa, Celso Emílio Ferreiro, Carvalho Calero, São Bernardo e o Cister em Ourense, em condição de coordenador do Seminário Permanente de Desenho Curricular dos MRPs ASPGP e APJEGP.

Latest posts by José Paz Rodrigues (see all)


PUBLICIDADE