A BARCA DO RIBEIRÃO

A Galiza no peito (poema)



  A GALIZA NO PEITO

 

Levo a Galiza no peito,

o carvalho milenário,

a areia quente do Brasil,

a rosa de Portugal.

Levo a Galiza no peito,

o carvalho milenário,

a máscara mágica de Angola,

o Índico azul de Moçambique.

Levo a Galiza no peito,

o carvalho milenário,

o branco arroz de Macau,

as espécies perfumadas de Goa.

Levo a Galiza no peito,

o carvalho milenário,

as belas ilhas aligato,

a cálida selva de Timor.

Levo a Galiza no peito,

o Atlântico africano,

as estrelas de Cabo Verde,

a lua da Guiné-Bissau.

Levo a Galiza no peito,

o carvalho milenário

de longas raízes,

perdidas no infinito

do mar e da terra.

Manuel Meixide Fernandes

Manuel Meixide Fernandes

Depois de nascer em Chantada e passar alguns anos pela Península adiante, nomeadamente em Euskadi, onde chega a estudar a metade do primeiro ano do antigo E.G.B., com sete anos volta definitivamente para morar na Galiza, na sua comarca natal. Lá estudará o resto do ensino primário e secundário, para finalmente obter em Compostela a Licenciatura em Filosofia e Ciências da Educação. Um ano antes começa a estudar o curso de Tradução e Interpretação na cidade de Vigo. Tem colaborado na década de noventa na revista chantadina Além-Parte, publicando nela diversos contos. Foi co-fundador da infelizmente dissolvida Associação Cultural Rodrigues Lapa, nascida na vila do Asma no ano 2007. A partir do ano 2001 dá aulas de francês no secundário, morando na vila da Estrada desde o ano 2011.
Manuel Meixide Fernandes

Latest posts by Manuel Meixide Fernandes (see all)


PUBLICIDADE