Despedida para o John, um amigo e camarada



Texto lido no dia 24 de junho de 2017 no Cemitério de Santa Icia de Trasancos, Narom, no ato civil de despedida a Joám Paz Lopes, John (1967-2017)

nicho-john-artabria

Fotografia Fundaçom Artábria

Conhecim o John a inícios dos anos 90, quando éramos dous rapazes de vinte e poucos anos.

Alguns aqui já o conhecíades de antes, outros conheceste-lo mais tarde, porque desde aquela, como nós, ele nunca mais abandonou o seu compromisso vital com este povo e com a sua língua.

Sabíamos desde sempre da sua fraca saúde, que ele tratava como umha companheira inseparável e com umha atitude de permanente dignidade. Assi foi até o seu derradeiro dia.

Vimo-lo assumir durante anos responsabilidades na direçom da sua amada, a Fundaçom Artábria. Levar as contas, atender o balcom no Festival da Terra e da Língua… sempre crítico implacável e bem-humorado de todo o que se fazia mal… e inclusive de algumha cousa se fazia bem. Ainda limitado pola saúde, ele estava sempre disponível para o trabalho coletivo.

Vimo-lo mesmo fazer frente com toda a fortaleza das suas convicçons à ameaça física da polícia em mais de umha manifestaçom, porque, como sabedes, o John era um firme defensor da independência da Galiza e inimigo declarado de Espanha e do capital.

As suas limitaçons físicas nom o levárom nunca à resignaçom e luitou também por se incorporar ao mercado de trabalho. Como tantos de nós, provou o sabor amargo da emigraçom.

Felizmente, pudo regressar para viver os seus últimos anos, ainda novo como era, junto aos seus pais, irmao, irmá e a todos nós.

Ainda tivemos tempo de desfrutar de boas conversas com ele durante estes últimos anos.

Às vezes, tenho dúvidas sobre se as nossas luitas vitais por um mundo melhor valem a pena ou se devemos limitar-nos a padecer umha história fora do nosso controlo; mas a vida do nosso John está aí para nos lembrar que, apesar das limitaçons que a história nos impom, a emancipaçom humana é possível.

Nom som os grandes nomes que venhem nos manuais escolares os que fam a história. Som vidas simples de milhons de pessoas, como o John, comprometidas com o seu país e com o ser humano, as verdadeiras protagonistas da emancipaçom da Galiza e da Humanidade.

Até sempre, John!

Maurício Castro Lopes

Maurício Castro Lopes

(Ferrol, Galiza, 1970), é docente de Português na Escola Oficial de Idiomas de Ferrol, autor ou co-autor de obras divulgativas como a História da Galiza em Banda Desenhada (1995), Manual de Iniciaçom à Língua Galega (1998), Manual Galego de Língua e Estilo (2007) ou Galiza Vencerá! (2009). Participante no grupo promotor do primeiro Centro Social reintegracionista em defesa do galego, aberto pola Fundaçom Artábria em Ferrol no ano 98 e em 2010 co-fundador do portal informativo Diário Liberdade. Desde 2017, membro da Comissom Lingüística da AEG (Associaçom de Estudos Galegos).
Maurício Castro Lopes

Latest posts by Maurício Castro Lopes (see all)


PUBLICIDADE

  • Joám Lopes Facal

    Non tivem ocasiom de conhecer ao John e o lamento.
    Quando um vai botando contas da vida som ausências como esta as que o vam mutilando.
    Condolências a Raquel e família e a todos os seus amigos e camaradas.
    Obrigado, Maurício, pola homenagem póstuma, tam merecida.

  • José Ramom Pichel

    Sinto muito. Um grande abraço para a sua família, especialmente para a Raquel. Obrigado Máuri polo texto

  • abanhos

    Pagam a pena Mauri, se mudasses, mudassemos, acabariamos por ser radicalmente infelizes.
    Bom tipo o John.. Eu tratei-o pouco, mas muito gostei dele nesse pouco, vos fostedes muito afortunados da sua proximidade fraterna.