Opiniom

  • A reconquista do legado

    No dia 24 de março apresentei em Chantada os meus dous livros de poesia, O mundo nasce em Chantada, 2015 e Poemas do Fim da Terra, 2017. Obrigado ao Xavier Viana e à Cris Ouro por me darem a opoturnidade de fazê-lo no seu local (Espazo C), no formoso Cantom chantadino, o centro histórico da […]

  • Bolxeviques e menxeviques

    [Nota a quem ler. O autor deste artigo, que porfia em conjugar a presidência da AEG com a adscriçom á AGAL, acolhe-se à benevolência do PGL e dos seus leitores para partilhar o seu particular relato de um desconfortável episódio que terminou em amarga fractura. O autor quer aproveitar a ocasiom para agradecer por antecipado […]

  • As aldeias das leitoras (II): A Pontraga

    A companheira Cristina Amor Faya, por sua parte, pergunta polos topónimos de Darefe, aldeia da freguesia de Ordes, e polo da Pontraga, esta na de Parada, ainda que veu denominando um espaço mais amplo. Quanto ao topónimo da primeira, é um desses para os quais ainda nom encontramos explicaçom satisfatória, polo que haverá que continuar […]

  • ‘O Livro Blanco’ de Alexandre Brea

      Lemos o poema de Tarkosvky e sabemos que ainda nos seguimos a perguntar, nós mesmos, por aquele: “tem de haver algo mais”… Mas onde? Onde encontrar esse mais, que tem de haver, além da realidade física que todos e todas enxergamos com nossos olhos?… Faz muitos séculos o poeta Jalaladum Rumi, contestou esta pergunta. […]

  • Ópera e sentir popular: de Milão a Barcelona

    A reação do público do teatro do Liceu de Barcelona pedindo a liberdade do presidente Puigdemont, e a de outros presos políticos, após a representação da ópera André Chénier, levou-me a escrever este breve post. Não pretendo comparar nem valorizar situações senão simplesmente falar da capacidade de gerar emoções coletivas que tem o teatro musical. Constuma-se […]

  • Herberto Hélder e a poesia galega dos 90

      Neste artigo, quero fazer memória de retalhos biográficos que aconteceram na Crunha dos anos 90. Foram os anos de juventude, dos que tenho agora saudade, estando servidor a ponto de cumprir os cinquenta. De facto, fui testemunha e partícipe de como se geriu um grupo de poetas herdeiros e continuadores da lírica galaico-portuguesa. Na […]

  • As aldeias das leitoras (I): O Seixo

    Com os primeiros artigos do blogue fôrom chegando também mensagens de leitoras que perguntam polas suas aldeias, assim que intentaremos ir dando resposta conforme podamos e saibamos, pois a restriçom às comunicaçons dos presos políticos no Estado espanhol é a que é. Esta é a primeira: A seareira deportivista Pilar Bermúdez Antelo, filha dum homem […]

  • Puigdemont sale de prisión hablando inglés

      Este foi o titular que lim e ouvim em vários meios de comunicaçom espanhóis. Por desgraça e como matéria de estudo, o tratamento jornalístico nos mídia portugueses sobre o tema sócio-político catalám nos últimos tempos nom nos servírom para pular o cerco informativo ao que fomos sometidos os cidadáns do reino. Mas volto ao […]

  • Microlinguismos num país de psicopatas

      Não tenho muita ideia dos quadros teóricos que descrevem ou tentam explicar os fenómenos sociolinguísticos, mas como bom galego, tenho bastantes intuições que costumam acordar e emergir quando vejo ou ouço algumas cousas que acontecem ao meu redor. Há uns dias o cidadão Juan Carlos foi nomeado Embaixador de honra da Rota Jacobea em […]

  • o fim da transição

    Há menos bandeiras. O sol, o vento, a chuva, o aborrecimento foi fazendo as desaparecer. Algumas – bem demais todavia – ficam. Abandonadas, esquecidas, esfarrapadas, ao avesso, enrugadas, retortas e decoloridas ao sol castelhano inclemente. A genreira, o ódio permanecem. Parece que vieram fazer parte do jeito castelhano, ou simplesmente que recuperaram do fundo hábitos, […]