Opiniom

  • Boris se llamaba Lola

    Eu, sem ser grande fã do Boris, gosto do seu caráter provocador. Gosto de como se mofava subtilmente nas suas obras desses mesmos existencialistas com os que depois iria tomar-lhe um vinho a ritmo de jazz nas caves de Saint-Germain-des-Prés.

  • Narrativas coloniais, línguas e silveiras

    Assim como Edward W. Said fala dum “orientalismo” como relação de poder em que se constrói a imagen de “Oriente” e os “orientais”, também há um galleguismo, um discurso que se elabora sobre um objeto – Galiza e a sua gente – ao qual nunca se permite surgir como sujeito que se apresente a si mesmo.

  • Dario Ribas, o homem que venceu Franco

    Na Eira da Xoana, no dia 9 participámos nos atos da Memória Histórica, que já se vem comemorando desde há bastantes anos na zona da Ulhoa. Iniciou com a lembrança emotiva para Camilo Dias a partir da volta de Lodeiro (Sá, Palas de Rei). Lá foram deitados os corpos sem vida de Camilo Dias Valinho […]

  • Política de código aberto

    Nos últimos anos, uma boa parte dos atores políticos estão deixando em segundo plano os elementos ideológicos tradicionais que organizam o eixo esquerda-direita, para focar-se em questões puramente estratégicas e metodológicas.

  • As Duas Marias

    Queremos hoje falar duma mulher de ciência. Chamava-se Maria. Com estes dados só, intuímos que o leitor estaria a pensar em Maria Skłodowska (1867 – 1934), mais conhecida pelo seu nome de casada, Marie Curie. E não admira, pois essa Maria foi a primeira cientista, homem ou mulher, em ser galardoada com dous prémios Nobel.

  • Os nomes das mulheres

    Abri a revista pela página marcada. Publicada em 1987, bom papel, tábula gratulatória, língua portuguesa. Era uma revista maciça, compata, perigosa como arma de arremesso. Abri e comecei a que parecia ingrata tarefa: procurar nomes de mulheres. Foram aparecendo Rosa Valente, Adela Figueroa, Mª Carmo Henriquez, Iolanda Aldrei, Belém Vieites, Elvira Souto, Mª Dores Arribe, […]

  • My heart’s in the Highlands

    Afirmava Murguia no capítulo que dedica a Rosalia (1837-1885) n’Os Precursores que havia quem comparava a poeta com Robert Burns (1759-1796) polos Cantares e com Heinrich Heine (1797-1856) por Folhas Novas. A opiniom, inequivocamente enaltecedora, procedia seguramente do próprio Murguia, comovido no momento pola morte da cantora – o livro viu a luz no ano […]

  • ‘We are the champions’

    ‘O mundial fala galego’ porque o Brasil fala português. O Neymar e o Cristiano, estrelas das equipas galegofalantes, som bem conhecidos por toda a claque galega mas poucas vezes podemos aceder à sua versom original. Os jogos de futebol, o discurso da Dilma, as mobilizações e o movimento anti-copa,… som muitas as cousas às quais […]

  • Raibeart Ruadh

    O Rob Roy (1817) de Walter Scott é um livro da chuva. Um livro desses que nunca tive vontade de ler. Peguei nele, um pouco ao chou, num chuvoso serão de férias. Gratíssima surpresa.

  • Filgueira Valverde defendia em 1930 a Lusofonia

    Está-se a produzir na Galiza uma imensa polémica provocada pela decisão da RAG da rua das Tabernas corunhesa de lhe dedicar a Filgueira Valverde as Letras Galegas de 2015.