Todos os artigos de Joám Lopes Facal

Nascim e vivim na aldeia até os quinze anos, Toba, ao pé da ria de Corcubiom, frente ao Pindo. Figem-me economista despois de engenheiro e aí desenvolvim a minha atividade profissional até o momento de me reformar. A economia é ademais um vício particular: ler atentamente e tentar compreender a informaçom económica cotidiana, ter sempre sobre a mesa um livro de economia.
  • As múltiplas ortografias de Marco Neves

      As ortografias servem para separar e também para se reconhecer, como hábito do idioma que é — indumentária e costume — custa desprender-se dela. As mudanças de hábito costumam anunciar-se com tormenta. O Acordo Ortográfico, por exemplo, acabou atrapalhando o português transatlántico e dividindo os seus utentes em agentes ativos e passivos, concordantes, discordantes […]

  • Fronteira norte: óptica de Estado e distorçom perceptiva

    A Galiza não tem papel nenhum na auto-imagem dos portugueses, afirma Fernando Venâncio. E ainda avisa do erro fatal de o galego projectar sobre Portugal um interesse que é, fundamentalmente, unilateral. Também lembra um texto dos noventa de Pilar Vázquez Cuesta onde a professora afirmava que o diálogo Galiza — Portugal era inevitavelmente assimétrico. Tam […]

  • Fernando Venâncio e a fronteira linguística do norte

    A Fernando Venâncio, Ernesto Vázquez de Sousa e Maurício Castro, cúmplices involuntários deste artigo Apesar do meu deficiente conhecimento da trajectória intelectual de Fernando Venâncio, guardo grande apreço polo professor e pola lucidez e firmeza com que defende as suas posiçons sem fugir da polémica nem vulnerar a deferência devida ao opositor. Na sua presença […]

  • Bolxeviques e menxeviques

    [Nota a quem ler. O autor deste artigo, que porfia em conjugar a presidência da AEG com a adscriçom á AGAL, acolhe-se à benevolência do PGL e dos seus leitores para partilhar o seu particular relato de um desconfortável episódio que terminou em amarga fractura. O autor quer aproveitar a ocasiom para agradecer por antecipado […]

  • De identidades sub-rogadas

    Divagávamos estoutro dia sobre ictiófilos — profetas de utopias — e peixes voadores, esses filhos do oceano prestes sempre a conjurar a ameaça extrema mediante um salto sem garantias ao impossível. Duas belas metáforas que devemos à leitura irónica de John Gray de um agudo pensamento de Alexander Herzen. Em retrospectiva, devemos reconhecer que o […]

  • De ictiófilos e peixes-voadores

    Devemos-lhe ao eminente intelectual proto-socialista russo Alexander Herzen umha aguda réplica á máxima de Rousseau “o homem nasce livre mas em todas partes vive encadeado”: “os peixes nascem para voar mas nom param de nadar”. O afiado sarcasmo de Herzen é um excelente antídoto contra as quimeras sociais e os profetas professos em qualquer fé […]

  • Juventude musical num palácio de indeciso sabor português

    Tivem sempre paixom pola música. Quando adolescente, nos anos finais do bacharelato, formei parte dum grupo de pulso e palheta, que em Espanha chamam rondalha, onde pugnava por tirar sons da mandolina que, como é sabido, afina como o violino. Logo já em Madrid, quando iniciei os estudos de engenharia, abandonei a prática da corda […]

  • Stresse teste

    Os sistemas expostos a falência som propensos a falir, o ponto crítico está na sua capacidade de reacçom ante cenários adversos onde a contingência vira em necessidade. Os bancos som um caso típico de sistemas potencialmente instáveis por acumulaçom de riscos como é o caso nos activos imobiliários sujeitos a depreciaçom valorativa nas bochas especulativas. […]

  • A proposta de confluência ortográfica da AGAL, umha leitura dissidente

    Esperava com muito interesse o anunciado prontuário ortográfico da AGAL que lim ao direito com toda atençom. O opúsculo sintetiza em forma clara e concisa a “normativa de confluência” aprovado em assembleia da Associaçom de 3 de dezembro de 2006. O propósito perseguido era fixar um padrom ortográfico de carácter normativo com pretensom de estabilidade […]

  • O singular mapa da Galiza de Carlos Calvo Varela

    Carlos Calvo Varela (Ordes, 1988) foi detido pola Polícia Nacional em Vigo o 15 de setembro de 2012 e desde aquele momento encontra-se em prisom provisional á espera de que o Tribunal Supremo resolva o recurso contra a sentença da Audiência Nacional que o condenou a 12 anos de reclusom por “tença de explosivos e […]