Todos os artigos de Diego Bernal

  • Tupi-guarani atrás da moita

    Portugueses, galegos, japoneses, alemães, holandeses e polacos foram algumas das nacionalidades que se juntaram a africanos e ameríndios e fizeram da mestiçagem uma das identidades do Brasil.

  • Patricinhas e mauricinhos

    A erosão e estagnação que sofreu o léxico galego fez com que, por vezes, não exista uma denominação vernácula para exprimir certas realidades. Um bom exemplo disto são os citados mauricinhos e patricinhas que certamente podiam suprir no galego moderno os castelhanismos ‘pijo’ e ‘pija’.

  • Português brasileiro: o galego tropical

    Seja pelo número de falantes seja pela influência que o Brasil teve nas últimas décadas no mundo, o português brasileiro adquiriu um protagonismo que a tornou a variedade mais importante da língua galego-portuguesa. Todavia, a língua falada no Brasil é ainda para muitos galegos uma grande desconhecida.

  • O galego é uma oportunidade

    Corredor de uma multinacional cheia de homens engravatados. Um deles, de sotaque madrileno, explica em castelhano aos colegas que a sua adaptação a Lisboa não está a ser fácil por causa do idioma. Nem fala nem entende. “Si fuese gallego sería más fácil”.

  • Música brasileira no cinema

    Talvez a passeata contra a guitarra elétrica seja junto com a proclamação da independência e a construção da Fordlândia dos acontecimentos históricos mais originais do Brasil. O Brasil é o único país do mundo que conseguiu convencer o monarca da metrópole para independentizar a colónia. Dom Pedro I passou de rei de Portugal a imperador […]

  • Língua de futuro, língua universal

    “Pega na cona e vai botando os polvos!” -berrou um marinheiro no porto de Ferrol. / – E tu que figeche? -perguntei. / – Caralho! Eu aguardei para ver o que acontecia!

  • 10 filmes que durárom 21 anos: A ditadura militar no cinema brasileiro

    Em primeiro de abril vam os burros aonde nom devem ir, afirma o ditado popular galego. Porém, no Brasil, em 1964, os burros figérom ouvidos moucos da sabedoria popular e fôrom de maos dadas do imperialismo contra as políticas progressistas do presidente João Golart, conhecido pola alcunha de Jango.