Todos os artigos de Diego Bernal

  • Às compras: Estabelecimentos comerciais da lusofonia

      No bairro de Monte Alto, na Corunha, pertinho do farol mais antigo do mundo, há uma loja bizarra. Vista de fora, parece sapataria. Ao entrar é banca de jornal e padaria. Aliás, estantes com comestíveis outorgam-lhe patente de mercearia. Na verdade cada país tem as suas peculiaridades quanto a estabelecimentos comerciais e na Galiza […]

  • ‘Doze segredos da língua portuguesa’ de Marco Neves

    “O primeiro segredo, revelo-o já: a palavra saudade, afinal, não é só nossa. (…) Partilhamo-la pelo menos com os brasileiros  -e até com os galegos (se alguém a inventou, foram esses nossos vizinhos do Norte)”. Este sugestivo e desafiante parágrafo é o início de uma viagem mais do que recomendável polo (galego)português à que nos […]

  • Mineiros e galegos, trem bão!

    Segundo umha embaçada lembrança lisboeta, foi lendo um livro a caminho do trabalho, num comboio da linha Santa Apolónia-Castanheira do Ribatejo, que fiquei sabendo da fama de desconfiado e indeciso do povo mineiro. Na hora, achei bem engraçada essa coincidência galego-mineira de sermos considerados povos receosos e hesitantes. Pouco depois, recordo-me que sorri quando descobrim […]

  • CDF no PT do BR

    Cheguei à Universidade Federal de Viçosa, no Brasil, com a segurança que dá ter os dous diplomas mais importantes da língua portuguesa, o DUPLE e o CELPE-BRAS. E mesmo assim, nas minhas primeiras conversas, fiquei numha saia justa: -Nesse semestre cê não tem aulas no DLA, vai dar aula no PVA. -Ah, tá –respondim com […]

  • Literatura preciosa: 20 Escritores lusófonos impressos em papel-moeda

    [Nota ou cédula é o nome que designa em galego-português o papel representativo de moeda legal.] Para além de reis, rainhas, políticos ou militares, ao longo da história foram representados em papel-moeda cientistas, inventores, médicos ou artistas. Também a literatura teve o seu protagonismo. Shakespeare, Molière, Goethe, Cervantes, Victor Hugo, Gabriela Mistral, Voltaire, Gabriel García […]

  • Português do Brasil ao vivo no Canecão

    Sufixo “-ão” uma rica fonte de inovações lexicais, muitas privativas do português americano.

  • Brasileirinho, galeguinho e portuguesinho

    De enorme vitalidade na língua, o sufixo –inho/a é uma das marcas mais características do galego-português.

  • Estrangeirismos, x-tudo lexical

    Estrangeirismo é o emprego, na língua de uma comunidade, de elementos oriundos doutras línguas. Há inúmeros exemplos de empréstimos no galego-português.

  • Escambau na língua: As marcas comerciais

    As línguas são espelho da sociedade. Desigualdade, classismo, machismo, racismo, homofobia… deixam pegada nos idiomas. Também o consumismo tem o seu reflexo no galego-português.

  • Língua geral, língua bonita

    Quando a 22 de abril de 1500 chegam à costa do atual estado da Bahia as caravelas portuguesas de Pedro Álvares Cabral não sabemos com precisão o número de habitantes, nem de nações indígenas, nem de línguas faladas no território que hoje é o Brasil.