AGAL aprova ‘Estratégia binormativista’ para o Galego

Crónica Assembleia AGAL



AGAL LOGO DECALOGOA Assembleia da AGAL realizada no paço da Cultura de Pontevedra no sábado passado aprovou com 25 votos a favor e quatro abstenções um novo eixo programático para trabalhar conjuntamente com o tecido cultural galego: o binormativismo.

Com a estratégia binormativista, a associaçom reintegracionista defenderá publicamente que é possível, e até benéfico, o convívio de dous modelos gráficos para o galego, um mais local (identificado com a atual normativa ensinada nas escolas) e outro internacional (identificado com a proposta reintegracionista).

Esta ampla maioria foi possível depois de o texto apresentado polo Conselho perante a assembleia para explicar a proposta ter sido emendado polos sócios e sócias.

assembleia-agal-2018-2

Foto: João Aveledo

Segundo o texto aprovado, que irá figurar no FAQ oficial da AGAL, na Galiza seria possível umha política linguística destinada a aproveitar em favor do idioma as diferentes posturas que existem em relaçom à codificaçom do galego, umha vez que a associaçom assume que nengumha delas vai desaparecer e que todas podem ter vantagens. O objetivo seria que na sociedade avançasse a tolerância em relaçom às diferentes formas de ver e promover o galego. Eduardo Maragoto, presidente da associaçom, mostrou-se convencido de que “neste momento de crise da transmissom geracional da língua, é mui necessária a acumulaçom de forças em prol do galego, seja qual for a orientaçom ortográfica dos utentes da língua”.

Divulgaçom da estratégia

Umha vez aprovada pola assembleia, a proposta realizada polo Conselho será apresentada a diferentes coletivos e instituições (nomeadamente as opostas ao reintegracionismo), nom apenas para expor a ideia, mas sobretodo com o objetivo de ouvir alternativas, conhecendo-lhe os inconvenientes e fazendo-lhe melhorias.

assembleia-agal-2018-4

Foto: João Aveledo

Entre os fins que persegue a AGAL com esta iniciativa, encontra-se ampliar o público alvo, de maneira a mais pessoas se atreverem a opinar sobre o interesse da convergência com o português, sem pontos de partida ou de chegada categóricos. Também se pretende tornar mais visível que o reintegracionismo tem um projeto global para a língua da Galiza, à margem de debates circunstanciais.

assembleia-agal-2018-3

Foto: João Aveledo

AGAL na Culturgal

Numha assembleia que se prolongou por três horas e na qual participárom cerca de 40 pessoas em diferentes momentos da mesma, o Conselho da AGAL também aprovou os orçamentos para o ano 2019, ano em que serám lançados diferentes projetos, entre os que destacam:

a) um documentário sobre os primeiros passos da língua escrita galego-portuguesa em torno do primeiro documento conhecido escrito em galego-português do século XII (o Pacto dos Irmãos Pais do século XII, descoberto polo filólogo José António Souto Cabo, sócio da AGAL).

b) umha campanha para favorecer a galeguizaçom dos nomes e apelidos.

c) nove novos livros da Através Editora, entre os quais um dicionário visual de galego internacional, e um programa de animaçom à leitura em centros sociais compostelanos: “O português: fica-nos perto, leva-nos longe”.

d) Um conjugador verbal para o dicionário Estraviz.

Texto aprovado pela Assembleia:

A ESTRATÉGIA BINORMATIVISTA

Que é o binormatismo?

O binormativismo é a coexistência, em paridade legal, de dous modelos gráficos para representar umha mesma língua: um modelo mais local e outro semelhante ou compartilhado com um ou vários estados vizinhos. Os usos correspondentes a ambos os modelos nom têm de ser simétricos, mas é importante que ambos contem com reconhecimento legal.

Existem modelos de binormativismo próximos que podamos ter em conta?

Os casos que melhor se adaptam às nossas circunstâncias som o luxemburguês e o norueguês.

No caso do Luxemburgo, a língua culta à qual se subordinava a variedade luxemburguesa até 1986 era o alemám padrom. Mas a partir de 1986 o alemám padrom convive com umha forma local luxemburguesa que também é ensinada nas escolas e que tem os mesmos direitos que o alemám padrom. Um modelo parecido permitiria aos galegos e galegas usarem, para a língua escrita, quer o português padrom quer o galego oficial atual, segundo qual fosse a sua conveniência. Para todos os efeitos, ambos teriam a consideraçom de línguas diferentes, mas oficiais, que é o que interessa.

No caso da Noruega convivem duas normas que, ao contrário do que acontece no Luxemburgo, som consensualmente consideradas formas da mesma língua norueguesa: a bokmål, mais próxima da língua dinamarquesa e a nynorsk, elaborada a partir dos dialetos ocidentais do país. Todos os cidadãos têm de conhecê-las de forma passiva, mas cada pessoa e cada Administraçom pode usar a que entender. Com um modelo parecido, no contexto galego, as pessoas poderiam estudar quer um português galeguizado (bokmål) quer um galego de elaboraçom autónoma assente nas falas populares (nynorsk) para depois poderem usar, para a língua escrita, o galego-português (com qualquer umha das suas variantes) ou o galego “oficial” atual, segundo qual fosse a sua conveniência.

Que ganha a língua da Galiza com o binormativismo?

Seria umha forma original de resolver um conflito que a muitas pessoas tem parecido negativo, tornando-o propício para a normalizaçom do idioma.

O binormativismo fomentaria a colaboraçom das posturas autonomista e reintegracionista, salientando o que ambas podem ter de benéfico para o galego. O galego ganharia perspetivas de futuro se integrasse as vantagens da opçom autonomista (relacionadas com a identificaçom da mesma com o estádio atual das nossas falas ou com a história literária do último século e meio), com as vantagens da opçom reintegracionista (relacionadas com a nossa história literária desde o nascimento da língua e com a projeçom comunicativa e a estabilidade formal internacional). Nom temos a certeza de quais serám as prioridades dos utentes daqui a uns anos e seria interessante prepararmos a língua para todas as eventualidades.

Que ganha a populaçom galega com o binormativismo?

Seja qual for o nosso parecer ou usos linguísticos iniciais, todas as pessoas poderiam aproveitar a proposta a seu favor.

Ganhariam as pessoas partidárias de normalizar o galego, já que, mesmo que usassem umha norma ou outra, polo facto de conhecerem as duas, teriam a oportunidade de reforçar o seu léxico e estruturas num sentido ou noutro.

Ganhariam as pessoas para as quais a normalizaçom linguística nom é umha preocupaçom, já que poderiam aproximar-se do galego do ponto de vista mais motivador para elas: quer por motivos culturais quer por motivos estritamente económicos ou profissionais.

Ganhariam mesmo as pessoas reticentes à normalizaçom linguística, já que a proposta lhes forneceria a oportunidade de enriquecer-se pessoal ou profissionalmente, ainda que fosse de um ponto de vista indiferente a umha identidade cultural que nom as motiva particularmente.

É possível umha política binormativista na Galiza?

As circunstâncias da Galiza som ideais para aplicar umha política linguística binormativista, já que, ao contrário do que acontece no Luxemburgo, por exemplo, existe total intercompreensom entre @s utentes de ambas as normas, quer oralmente quer por escrito. Ainda, destaca a prática ausência de conflituosidade entre apoiantes de ambas as normas, cujo debate se limita ao terreno cultural.

Por outro lado, é provável que as relações da Galiza com o país vizinho cuja existência dá origem ao debate, Portugal, venham a melhorar no futuro, de maneira que nada leva a pensar que o interesse polo conhecimento da língua portuguesa diminua na nossa sociedade.

Como se aplicaria na prática?

É preciso distinguir o conhecimento passivo da possibilidade do uso ativo das duas normas. Para tornar praticável o segundo é preciso garantir o primeiro.

Quanto ao primeiro, o conhecimento passivo, a partir da Lei Paz Andrade, aprovada por unanimidade no Parlamento galego em 2014, nas escolas galegas seria fácil estender o conhecimento, ao lado do galego comum, do galego internacional ou português. Outra alternativa seria introduzir o ensino da ortografia portuguesa nas aulas de galego, como complementar à oficial.

Alcançado o objetivo de um conhecimento suficiente das duas normas na Funçom Pública, já seria possível banir os constrangimentos ao uso ativo de qualquer umha das duas normas. Bastariam pequenas reformas legislativas para que ambas contassem com algum grau de cooficialidade.

Na prática as instituições garantiriam o conhecimento passivo das duas normas e nom interfeririam nas preferências das pessoas para o uso ativo de umha ou outra. Nas Administrações fomentará-se que ao lado do galego autonómico, o português ou galego internacional tenha um status de língua ambiental, promovendo-se portanto a comunicaçom externa institucional também nesta. Além disso, será facilitada progressivamente a interaçom normal dos cidadãos em português ou galego internacional com a Administraçom pública alinhado com o conhecimento dos empregados públicos previsto polo artigo 3 da Lei Paz-Andrade.

Quais os pontos fracos da proposta?

A proposta tem, principalmente, três pontos fracos.

O primeiro é o próprio nome “binormativismo”, que traduz bem a ideia do que se pretende entre quem está familiarizado com a polémica normativa, mas problematiza o galego entre quem vive alheio a este debate.

A partir daqui, temos pontos fracos diferentes segundo o modelo adotado.

Por um lado, introduzir o ensino da ortografia portuguesa nas aulas de galego faria com que os sectores do galeguismo mais adversos ao reintegracionismo  sentissem questionada a independência da língua galega.

Por outro lado, generalizar o ensino do português como segunda língua estrangeira (com um padrão lusitano uniforme, mesmo fonético), para além de nom ser prioritário no orçamento da Administraçom pública, permitindo que a Extremadura e outras Comunidades liderem no futuro a relaçom com Portugal, nom deveria colidir com o uso ativo das modalidades em construçom do português galego (refletidas na Ortografia Galega Moderna), que deveriam ser reconhecidas no futuro polas instituições do português a nível internacional, assunto que fica fora neste momento.


PUBLICIDADE